Arquivo do mês: setembro 2012

Buscar estar sempre bem

Por Isaias Costa

Hoje eu quero falar sobre uma coisa que estou tentando desenvolver em mim mesmo, a arte de procurar estar sempre bem, e mostrar alguns caminhos que se pode seguir para conseguir isto.

No mundo de hoje, com toda essa globalização, falta de tempo, muitos afazeres, estudos e cursos de aperfeiçoamento, estresse no trabalho, no trânsito, em casa, etc. Tudo isso têm influenciado profundamente o humor das pessoas. Muitas estão desenvolvendo uma espécie de humor triste, vou explicar um pouco melhor o que é esse humor triste.

O humor triste é aquele humor de alguém dizendo algo assim, “o dia foi bom, trabalhei bastante, fiz tudo o que tinha que fazer, agora preciso descansar e recuperar as energias”. Depois se cala no seu mundo e fica meio que “inerte” a tudo o que acontece a sua volta. Se existe um ambiente alegre, ela reage de um jeito. Se existe um ambiente triste, ela reage praticamente do mesmo jeito. Esses sintomas são diferentes dos sintomas de depressão. Eu diria que são sintomas causados por uma rotina enfadonha. Normalmente as pessoas que tem essas reações e comportamentos tem um trabalho fixo, estão relativamente estáveis e “cumprem o seu oficio” seguindo o mesmo ritual de sempre.

É aqui que quero dizer o que acho muito interessante para evitar que isso aconteça. Buscar novidades. As novidades dão um brilho especial a nossa vida e as nossas emoções. Não precisa buscar nada extravagante para experimentar algo novo. Só precisa de vontade e uma pitada de criatividade. Por exemplo. Você sempre só come aquele velho frango a semana inteira. Que tal sair um dia, ir a um restaurante japonês e comer um belo sushi usando um hashi (popularmente conhecido por “varetinhas” ou “pauzinhos”)? Se você só caminha pela mesma praça todos os dias, que tal procurar uma outra praça de vez em quando? Se você só chega em casa e vai direto para o facebook, que tal de vez em quando ler um bom livro, que lhe faça “viajar na maionese”, ou filosofar a respeito da sua vida? Se você usa sempre aquela mesma roupa, com o mesmo penteado. Que tal de vez em quando mudar um pouco? Vestir uma roupa diferente, só para ter a sensação de estar diferente? Enfim, existem muitas coisas simples que podem ser feitas e que podem melhorar bastante o nosso estado. Isso e outras atividades podem ajudar a manter o astral sempre em alta.

Que tal um dia fazer o que esse gatinho está fazendo?

O que muito me admira também é a capacidade de sorrir. Eu conheço muitas pessoas que teriam todos os motivos para estarem a maior parte do tempo carrancudas e fechadas em seus mundos, mas que vem até mim e os outros com um belo sorriso no rosto. Essas pessoas são verdadeiras guerreiras, porque conseguem driblar o sofrimento de uma forma muito elegante, de uma forma que somente as pessoas mais sensíveis conseguem perceber as suas realidades. Eu estou procurando me mirar nessas pessoas, porque é muito bom alguém chegar até você e logo melhorar o seu astral, porque esta pessoa está bem, e consegue passar essa energia boa. Acho incrível essa capacidade de irradiar uma energia positiva.

Para finalizar, outra coisa que eu estou buscando cada vez mais desenvolver é o dom da gratidão. Aquele momento diário de reflexão sobre a vida que lhe leva a relembrar tudo de bom que você tem e que é. Lembrar que tem ótima saúde, que tem uma boa família, que tem um lar aconchegante e limpo, que tem pais que se dedicam de corpo e alma para o seu bem e sucesso pessoal, que tem oportunidade de estudar e desenvolver-se cada vez mais, que tem bons amigos ao redor, e que pode sempre contar com eles, etc. A gratidão faz você olhar para você mesmo e para a vida com um olhar mais esperançoso, um olhar otimista e um desejo de melhorar.

Para se ficar sempre bem existem muitos outros caminhos. Mas acho que desenvolver os três que citei acima, pode ajudar bastante nessa conquista. Fazer coisas diferentes, sorrir e ser grato. Que todos nós possamos dar um brinde a alegria, essa amiga que se conquista todos os dias.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Maturidade e adequação

Por Isaias Costa

Envelhecer é um tema que cada vez mais está sendo posto em debate no mundo. O aumento da expectativa de vida tem levado muitas pessoas a pensarem com um pouco mais de carinho e atenção sobre esse assunto. Eu também estou levando a ideia de envelhecer a sério e quero falar um pouco sobre isso hoje.

Envelhecer é um processo natural que, a meu ver, deve estar diretamente relacionado com a maturidade e com a adequação. À medida que nos tornamos mais velhos devemos deixar alguns hábitos para trás e assimilar novos hábitos. Se não fizermos isso haverá o que chamo de incongruência. As pessoas vão olhar para você com uma enorme interrogação na cara! Vão lhe chamar de “doido”, “ridículo”, “sem noção”, etc. Isso é a maturidade andando de mãos dadas com a adequação.

Por exemplo, você quer ser sempre “garotão” ou “mocinha”. Gosta de ir para festas no estilo adolescente e se vestir como um adolescente. O tempo vai passando, as rugas vão começando a aparecer e você quer continuar como se nada tivesse mudado. Não! Não é assim. Você tem que se adequar a nova realidade. Você não é mais um adolescente que quer “curtir a vida adoidado”. Você já é um adulto, deve ser maduro o suficiente para ter a noção de que não pode mais ir para esse tipo de festa.

Outra coisa que vejo muito acontecer. Muitos homens que são verdadeiros meninos quando se trata de conquistar garotas. Alguns já com seus quase 30 anos ou já na casa dos 30 anos. Vão para as baladas, conquistam umas garotas com um leque de cantadas pré-programadas. Saem com elas uma vez, ficam forçando a barra para fazer sexo e depois que conseguem não veem a hora de sair correndo. Medrosos. Parece que a palavra “compromisso” não faz parte do dicionário deles. São “meninos grandinhos”. O nome disso é inadequação. Isso é coisa de menino de 16, 17 ou 18 anos. Garotos que ainda estão em processo de formação da personalidade.

Para muitos homens, Barney Stinson é um exemplo a ser seguido. Será que isso vale a pena?

Esses são apenas alguns exemplos para mostrar a importância da maturidade e da adequação quando se trata de envelhecer. Ainda vou falar mais sobre esse assunto. Mas no próximo post vou dar um enfoque no processo do envelhecimento saudável.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A instável felicidade

Por Isaias Costa

A felicidade é um tema tratado desde que o mundo é mundo. Esse é o desejo unânime entre as pessoas. Hoje vou falar um pouco sobre a instabilidade da felicidade e citar alguns exemplos.

É impressionante como muitas pessoas associam a felicidade com o futuro. Aquele famoso “quando”. Quando conseguir aquela casa eu vou ser feliz! Quando conseguir aquele emprego X eu vou ser feliz! Quando conquistar aquela menina eu vou ser feliz! Quando ganhar na loteria eu vou ser feliz! Vou ter que ser franco com todos os que pensam e falam assim! Você não vai ser feliz conseguindo essas coisas. Porque a felicidade é algo muito mais sutil do que conquistas. É uma busca incessante. A felicidade é uma busca diária, brota de dentro para fora, e não o contrário.

Um dos exemplos que acho fantástico está no filme americano “Poder além da vida”. Assista a esse filme! Ele é muito bom, cheio de grandes reflexões. Nesse filme, Dan Millman (protagonista da história), conhece um guia espiritual (Sócrates), um homem muito sábio, que lhe ensina grandes coisas. Em uma das cenas do filme, ele o convida para subir um morro bem alto. Ele usa uma tática infalível, a CURIOSIDADE. Ele diz o seguinte, “amanhã nós vamos caminhar. A caminhada é longa, mas acho que você está preparado para ver o que tenho para lhe mostrar...”. Em seguida ele olha para Dan com um olhar misterioso. Dan fica estupefato, sobe o morro junto com o guia por três horas. Sobe o morro como se fosse um menino, cheio de vontade de explorar e conhecer os arredores. Ele estava buscando a felicidade, estava vivendo um momento incrível e tudo que ele pensava era em chegar ao topo. Quando ele chega lá, Sócrates diz, “chegamos!”. Dan olha ao redor, vê a paisagem e diz, “para apreciar a paisagem?”, então Sócrates diz, “olhe perto do seu pé!”. Dan responde, “essa flor, viemos ver essa flor?”. O guia diz, “Não, a pedra!”. Dan logo fica furioso e responde, “caminhamos por três horas para ver uma pedra? Achou que eu estava preparado para ver uma pedra?”. Então Sócrates questiona, “até agora a pouco você estava super feliz, parecia uma criança esperando encontrar algo importante! De repente toda essa felicidade foi embora?”. Dan responde, “Subi porque achei que fosse ver uma coisa maravilhosa!”. Sócrates fala, “e você viu! Devia ter te contado antes de sairmos. Lamento ter estragado a sua felicidade!”. Depois começa a descer o morro. Dan pensa um pouco e conclui. “A jornada. A felicidade está na jornada, e não no destino!”. Ele queria deixar a mensagem de que a felicidade está no processo da descoberta, no caminho que foi trilhado, no desejo de alcançar o topo do morro, e não no fim da jornada. Essa é uma grande lição para todos nós. Se quiser assistir a essa cena, segui o link com ela.

Outro exemplo clássico são as pessoas que trocam de carro pelo menos duas vezes por ano. Elas colocam sua felicidade nas coisas, nos objetos, compram um carro, “brincam” bastante com ele, enjoam e trocam por outro. Ficam numa espécie de ciclo vicioso, sempre colocando a felicidade em algo que virá depois. Infelizmente eles não vivem a verdadeira felicidade.

Eu imagino a felicidade como uma busca diária, sempre focada no hoje. A felicidade não está no amanhã, muito menos no ontem, o ontem é história, acabou. A felicidade está no hoje. Está em uma bela caminhada pela praia, em um encontro com alguém especial, naquela piada que te faz “bolar” de rir, naquela atividade que você está desenvolvendo ou se aperfeiçoando, naquele beijo e abraço que você dá na pessoa amada. Tudo no presente, tudo sendo regado com cuidado e atenção.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

4 Comentários

Arquivado em Uncategorized

A assimilação de novas ideias

Por Isaias Costa

Todos nós queremos ter uma ótima memória, queremos aprender novos conteúdos de uma forma que não se apague da nossa mente. Mas como fazer isso de forma eficaz? Existem muitas formas, muitos caminhos, mas vou dizer a você um pouco do que tento fazer no meu aprendizado.

O nosso cérebro tem uma espécie de decodificador de novas informações, ou seja, para que uma nova informação seja fixada na memória, o cérebro precisa de um tempo. Aqui esta a grande chave para um bom aprendizado.

Todos nós temos alguma atividade que fazemos com frequência para desopilar, pode ser jogar vídeo-game, correr, dançar, ouvir música, tocar algum instrumento musical, conversar no facebook (algo quase unânime nos dias de hoje), etc. Todas são atividades que podem ser feitas para dar um “sossego” ao cérebro. O que é bom se fazer para ter uma boa assimilação de novos conteúdos é estudar por determinado tempo, sugiro algo em torno de uma hora. Depois disso, fazer uma pequena pausa para depois voltar a estudar (é interessante lembrar que essa pausa não deve ser muito grande, porque o objetivo do estudo pode ser colocado de lado). Nessa pausa é interessante fazer alguma dessas atividades que citei acima ou outra, não importa. Enquanto fazemos uma pequena pausa nos estudos o nosso cérebro continua trabalhando para assimilar o novo conteúdo.

Um dos grandes vilões da baixa produtividade no aprendizado está no sono. Dormir demais ou dormir de menos são duas coisas muito perigosas. Se você dormir demais, seu cérebro ficará na maior parte do tempo “inerte”. O nosso organismo tem hormônios que harmonizam o funcionamento do corpo como um todo, e o sono é fundamental para uma boa eficiência desses hormônios. Já quando dormimos de menos, o cérebro fica sobrecarregado com tanta informação, e os hormônios do estresse começam a trabalhar “a mil por hora”. Isso pode ser muito perigoso, porque eles atuam no sangue, o sangue transporta o oxigênio, e o oxigênio atua diretamente no cérebro para que funcione bem. Porque será que quando estamos estudando por horas a fio sentimos dor de cabeça? Ela aparece por causa dessa sobrecarga, os hormônios do estresse começam a dizer pra você, “está na hora de parar”. Quando você está assim e continua estudando, esse assunto que está sendo estudado vai ser muito mais difícil de ser assimilado, porque o cérebro está estressado.

A melhor forma de não deixar o cérebro estressado é fazer alguma atividade totalmente diferente do estudo. Correr ou fazer outros exercícios é uma das melhores opções, porque reduz os hormônios do estresse e aumenta os hormônios do prazer e da alegria. Com estes em alta, o funcionamento do cérebro é muito melhor, a sua eficácia para assimilar novos conteúdos se torna cada vez melhor. Sem contar que com atividades físicas você estará melhorando sua saúde, moldando o seu corpo, melhorando sua imunidade a doenças, melhorando a capacidade cardíaca, entre muitas outras vantagens.

Portanto, vamos evitar estudar por horas a fio, ou virar a noite estudando. A noite foi feita para o descanso, para o cérebro harmonizar todas as informações captadas durante o dia inteiro. Uma boa noite de sono pode lhe render um belo dez naquela temida prova de Matemática ou Física, pode ajudar a memorizar aquelas milhares de leis do direito (para aqueles que vão fazer concurso público), pode ajudar a memorizar aquelas palavras de língua estrangeira que você está estudando. Enfim, nós aprendemos dormindo, pois o sono se encarrega de organizar as informações estudadas.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

A verdade absoluta e a verdade individual

Por Isaias Costa
No dia 21 de agosto de 1989 faleceu um rapaz que sou fã de carteirinha, o mestre Raul Seixas. Um homem talentosíssimo e de uma humanidade que fez dele um ícone, não só na história da música e do rock brasileiro, mas também na mentalidade de muitas pessoas, e me incluo nas pessoas influenciadas por suas ideias.

Foi este rapaz que me inspirou a escrever esse texto aqui. Ele vivia a filosofia do “Faze o que tu queres, há de ser tudo da lei”. Ele era um questionador nato, questionava tudo, desde a existência humana até a política, sociedade, religiões, mitos e por aí vai.

Mas uma das coisas que mais me inspira nele é o seu pensamento sobre a verdade. Para ele não existia uma verdade absoluta para nada. Inclusive ele deixou isso bem claro em entrevistas e em algumas de suas canções, como, “aos 11 anos de idade eu já desconfiava da verdade absoluta…”. Também em outra canção ele diz. “Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”. Ele estava querendo dizer que vai definitivamente contra toda e qualquer ideia já preconcebida.

Infelizmente é uma pena ver que a nossa sociedade atual está de certa forma ficando “burra”, porque aceita muitas dessas opiniões formadas. A mídia é uma das grandes culpadas nessa história toda. Ela quer enfiar goela abaixo dos telespectadores as suas filosofias e opiniões, e muita gente recebe essas ideias como verdadeiros “calanguinhos”, balançando a cabeça sem ao menos se questionar um pouco, sem ir atrás de informações consistentes das coisas.

Por esses e outros motivos acho o Raul Seixas um cara revolucionário. Aprendi muita coisa com esse baiano magricelo. Não existe verdade absoluta, só existe verdade individual. Aquilo que você tem como verdade na sua vida, não necessariamente é verdade para outra pessoa.

Um exemplo que gosto de citar sobre a verdade absoluta é sobre os talentos científicos. Muitos dizem que cientista tal é um gênio, mas, o que leva a crer que esse cientista seja realmente um gênio? Será que isso é uma verdade absoluta? Posso afirmar que não. Lógico que existiram muitos cientistas geniais, porém, a maioria, não era genial. Para praticamente todas as grandes descobertas científicas, não existia apenas uma pessoa trabalhando, existia toda uma equipe trabalhando, e o mérito não ficou só para uma pessoa, mas para a equipe inteira. Um exemplo clássico é o cientista Rutherford, ele fez aquelas descobertas do núcleo atômico e das radiações alfa e beta, mas ele não fez sozinho, ao seu lado haviam pessoas brilhantes, talvez até bem melhores do que ele, mas apenas ele é lembrado nos livros e na ciência. Ele não é um gênio, como muitos supõem, mesmo tendo ganhado um prêmio Nobel.

Eu não digo mais que uma coisa é verdade absoluta, sempre penso muito bem antes de afirmar qualquer coisa, pois sei que a minha verdade não é a verdade do outro. Sendo redundante, não existe verdade verdadeira. Só existe verdade individual.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

A culpa é do outro

Por Isaias Costa
download

Como já dizia o grande Raul Seixas em uma de suas canções, “É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro. Evita o aperto de mão de um possível aliado. Convence as paredes do quarto e dorme tranquilo. Sabendo no fundo do peito que não era nada daquilo”. Acho brilhante a colocação dele. O que ele diz nessa música é o que a grande parte das pessoas faz. Elas querem encontrar alguém pra empurrar a culpa por seus erros. Chegando ao ponto de colocar a culpa até nas paredes do quarto. Depois de colocada a culpa nas paredes do quarto, elas tentam ocultar sua grande farsa e só então conseguem dormir.

Essa é uma das maiores prisões que a maioria das pessoas se coloca. Sendo uma prisão horrível, pois se trata de uma prisão interior, uma prisão da consciência, e quando a consciência fica presa, os prejuízos na vida podem ser muito graves.

O maior e melhor remédio para “curar” o mal de colocar a culpa no outro é a SINCERIDADE. É você se mostrar como você realmente é, sem máscaras, sem fingimento, sem subterfúgios. Mas, para isso, também é necessária outra coisa, a determinação por seguir esse caminho. “É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro.” O caminho da determinação pela sinceridade e autenticidade não é o caminho mais fácil. Não é, por uma razão muito simples, ele nos afasta de muitas possibilidades que, aparentemente, podem ser boas e vantajosas. Sendo que, na verdade, as pessoas que seguem esse caminho estão criando uma nova estrada que não é visível pelos que já estão caminhando na estrada já feita. Gosto dessa metáfora, pois é bem clara e objetiva. As pessoas honestas estão em uma estrada que elas mesmas constroem, com muita dedicação e persistência. Diferente daqueles desonestos e preguiçosos que vão pela estrada que já está construída, que leva para um caminho cheio de pedras tortuosas e de espinhos, que, na maioria das vezes, leva ao arrependimento e ao sofrimento.

Se você errou, seja honesto com você mesmo e diga. “Eu errei. Tenho consciência dos meus atos, mas estou no firme propósito de não errar mais”. Esta atitude é honrosa. Ela faz de você um homem ou uma mulher TRANSPARENTE. Quanto mais pessoas aderirem a essa filosofia de vida, mais e mais o mundo vai se tornar um lugar melhor de se viver. Aonde as pessoas não vão mais levar a culpa pelos erros dos outros. Onde cada um vai assumir o seu erro e melhorar, levando outros a fazerem o mesmo.

Portanto amigos. “Coragem, coragem, se o que você quer, é aquilo que pensa e faz, coragem, coragem, eu sei que você pode mais”. Eu posso mais, você pode mais, o mundo inteiro pode mais…

Aqui está a canção do Raul Seixas que me inspirou a escrever esse post.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O reino dos céus está dentro de vós

Por Isaias Costa

Se formos contabilizar o número de religiões que existem no mundo, vamos perder as contas e não saberemos afirmar com certeza quantas são. Não estou falando nada contra ou a favor, estou apenas relatando.

 Eu gosto de ver o mundo e a vida com uma visão mais espiritualista. Tenho um profundo respeito por todas as religiões e crenças. Sei que não existe religião perfeita. Como pode existir uma religião perfeita com homens imperfeitos? Esta é uma grande realidade que anula qualquer possibilidade de existir essa religião perfeita.

 Gosto muito de ler sobre as religiões e conhecer um pouco dos grandes mestres, santos, sábios, gurus, divindades, ou tantos outros nomes dados a essas almas que marcaram a história do mundo. Jesus Cristo, Buda, Lao Tsé, Mahatma Gandhi, Krishna etc. Todos foram seres humanos que fizeram muita diferença no mundo, e trouxeram ensinamentos que podem nos ajudar a termos uma vida mais equilibrada e serena.

Jesus Cristo, talvez tenha sido o maior entre todos. Às vezes paro para pensar. Jesus foi tão grande que ele dividiu a história. Existe o antes de Cristo e o depois de Cristo. Ou seja, antes de Jesus vir ao mundo ele era de um jeito, e depois que ele partiu se tornou outro. Não é fantástico! Ele fez uma revolução, uma revolução no interior do homem. Ele fez o homem encontrar o sentido da vida olhando a partir de uma lente que está dentro dele mesmo. E ele fez isso de uma forma muito sábia, contando parábolas. Ele era um verdadeiro contador de estórias. Com certeza o maior psicólogo que já passou pela Terra. Ele não dava as respostas, ele fazia as pessoas encontrarem as respostas dentro delas mesmas. Foi com isso que iniciei o texto. Ele dizia: “O reino dos céus está dentro de vós”. Essa era a mensagem que ele queria dizer. O reino dos céus começa com a vida de cada um, é o que você faz com a sua vida que vai fazer dela um céu ou não.

Outra coisa que faz de Jesus uma revolução foi a mudança que ele fez no mundo através do amor e da paz. Ele criou um império do amor. Adoro a frase de Napoleão Bonaparte que diz: “Alexandre, César, Carlos Magno e eu mesmo fundamos impérios. Mas de que dependiam essas criações de nosso gênio? Da força. E foram todos efêmeros. Somente Jesus Cristo fundou um império sobre o amor, e até hoje milhões morreriam por ele”. Ele tinha uma presença de espírito tão forte, que muitas vezes não precisava nem falar. Apenas a sua presença mudava o ambiente, o seu olhar terno mexia com as pessoas e as curava. Hoje vejo que a maior força que existe é o amor. A força que muda o homem de dentro para fora, e que o faz seguir a diante, sempre para frente e para o alto.

Portanto amigos. Vamos desenvolver cada vez mais em nós esse olhar interior, pois esse olhar pode nos dar as respostas que tanto nos inquietam e chegam a nos tirar até o sono. Vamos seguir o exemplo de Jesus. Esse homem, que foi humano e divino, que mudou o mundo e a história através do amor.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A diferença entre “O que?” e “Como?”

Por Isaias Costa

A sociedade em que vivemos se preocupa muito com esta pequena pergunta “O que você faz?”. Quando alguém conhece você ou quando você é apresentado a alguém, essa é uma clássica forma de “puxar assunto”. Porém, mais importante do saber “O que você faz?”, é saber “Como você faz?”. É simples entender o porquê. A segunda pergunta vai dizer (tanto para você, como para os outros, para a sociedade, o mundo), se você é um homem de sucesso ou não. Vejamos alguns exemplos.

Você é professora do ensino infantil e alguém lhe pergunta. “O que você faz?”. Uma primeira pessoa responde. “Eu sou professora de crianças. Acordo às 5:30 hs da manhã todos os dias e tenho que aturar aqueles pestinhas o dia todo. Além do mais, eles não recebem educação em casa, nem carinho dos pais, aí eles vem até mim e querem que eu seja uma mãe para eles. Isso é muito injusto, eu ganho uma merreca pra ter que ser professora, educadora, mãe, palhaça. É um stress…”. Viu só a sua “enorme” satisfação com o trabalho? Agora a mesma pergunta para uma segunda pessoa. “O que você faz?”. Ela responde. “Eu sou professora de crianças. Amo meu trabalho. Me sinto honrada por ajudar no desenvolvimento acadêmico, emocional, psicológico e social destes pequenos, que, futuramente, vão fazer diferença no mundo. Serão médicos, professores, arquitetos, dentistas, engenheiros. Eu olho para eles e já consigo até imaginar o que serão no futuro. Eles vem até mim dizendo. ‘Tia! Eu vou fazer um invento para que a gente não perca mais tanta energia do sol. Esse astro rei com tanta energia mal utilizada…’. Eu olho pra esse garoto e digo pra mim. Ele vai ser um grande engenheiro….”. Percebe a diferença! Duas pessoas, mesmo emprego, porém, duas realidades totalmente diferentes.

Você é trocador de ônibus e alguém te pergunta. “O que você faz?”, O primeiro diz. “Sou trocador de ônibus. Eu não durmo quase nada. Tenho que acordar todos os dias às 4 hs da manhã, vestir minha fardinha e ir bater o ponto. Ficar o dia todo rodando pela cidade, fazendo sempre a mesma coisa. Receber dinheiro e liberar a roleta. Sem contar com o stress diário do trânsito. Gente imprudente que atrapalha o trânsito e só falta destruir o ônibus, além daquela galerinha que vai trabalhar com raiva e desconta na minha cara ou nas pessoas do ônibus. Ficam me xingando e xingando o motorista. Meu Deus. Sério mesmo cara. Não faça como eu não. Pense grande. Procure um emprego de verdade…”. Eu já escutei algo parecido com isso. Agora o segundo diz. “Eu sou trocador de ônibus. Amo meu trabalho. Todos os dias eu tenho oportunidade de conversar com muitas pessoas e ouvir um pouquinho de suas estórias de vida. Eu estou me tornando um grande contador de estórias. Quando chego em casa conto muitas das estórias para minha mulher e meus filhos e eles choram de tanto rir. Aí meus filhos vem até mim com um grande sorriso e um abraço afável, dizendo, ‘Pai, eu te amo’. É maravilhoso. Sem contar com os passageiros que às vezes chegam tristes ou estressados e, só de olhar pra mim me dizem. ‘Cara! Meu dia já melhorou só por ter pego esse ônibus sabia? Aí ele começa a falar e se aliviar um pouco do stress. Ouvir isso me deixa muito feliz.

Uma palavra diferencia essas duas perguntas, mas a realidade que está por trás delas é totalmente diferente. Portanto, vamos nos ater mais no “Como fazer”. Isso vai fazer de nós profissionais brilhantes.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

As pequenas coisas da vida

Por Isaias Costa

Estamos vivendo em uma época dominada pelo consumismo. Um capitalismo selvagem destruidor da felicidade das pessoas. A felicidade está associada a quanto você recebe no final do mês, em qual carro está estacionado na sua garagem, em quantos tablets, smartphones, celulares de última geração, TV’s em 3D e toda essa parafernália de eletrônicos que são uma febre hoje.

Mas, será que a felicidade está nessas coisas? Eu sinceramente acho que não. De que adianta você ter tudo isso se não tem pessoas queridas ao seu redor para dividir momentos juntos, rir juntos, tirar sarro da cara do outro junto. JUNTO. Adoro essa palavra. Ela tem o poder de nos retirar da nossa solidão e daquele sentimento de desamparo comum de todo ser humano.

Existem momentos que são mágicos na vida. Mas as pessoas estão tão preocupadas com ganhar mais, ou comprar aquele tão sonhado computador que só falta ler os seus pensamentos de tão moderno, que vão pouco a pouco, perdendo o brilho e o encantamento por viver esses momentos. Por exemplo. O belo por do sol, está lá, todos os dias, uma maravilha da natureza, o céu mudando de cor, percorrendo quase todas as cores do arco-íris, ficando violeta, laranja, vermelho, traços de verde. Vemos tudo isso como algo banal, esquecemos o quanto é bom parar alguns minutinhos para contemplar esse espetáculo, que, além de belo, é gratuito e todos tem acesso.

Uma coisa que está destruindo a profundidade dos relacionamentos afetivos e amorosos hoje em dia é a famosa “falta de tempo”. Quem nunca disse para aquele amigo ou amiga, em um dia de muito trabalho. “Não posso conversar hoje! Estou muito cansado! Trabalhei o dia inteiro!”. A magia dos momentos sendo esparramada pelas nossas mãos. Muitas vezes, quando alguém vem até nós para conversar, não quer saber se você está cansado, descansado, triste, feliz, eufórico, ou o que seja. Ela quer apenas alguém que lhe escute. É algo muito simples, mas que está se tornando raro de se ver, alguém partilhando a vida com os amigos, apenas aproveitando o momento, sem pressa de chegar em casa ou assistir o episódio da novela das 6, 7, 9, 11 horas da noite.

Sempre me lembro do livro do pequeno príncipe, que fala da redoma de vidro. Se a flor ficar em uma redoma de vidro ela vai ficar triste, vai murchar, e poderá até morrer. Mas se ela ficar ao ar livre, sendo regada diariamente, com cuidado e carinho. Ela vai ficar muito feliz e vai se manter sempre bonita. Assim é também com as pessoas e os relacionamentos. Eles precisam ser regados diariamente com carinho e dedicação. Sem isso a vida não passa de pura superficialidade, nivelamento por baixo. Eu não quero isso pra mim. Gosto de estar com pessoas e conhecer um pouco do que se passa com elas. Minha vida acontece assim, um contínuo processo de dar e receber. Dou um pouco do que sou para os outros, e recebo um pouco do que elas são. Todos saem ganhando, acumulando experiências de vida.

Então, o que você acha de hoje parar um pouco, deixar um pouco o facebook e fazer uma coisa diferente? Caminhar na praia, ver uma apresentação de humor com os amigos, jogar boliche e fazer grandes strikes, disputando quem é o melhor, andar de bicicleta até ficar com as pernas doendo, comprar um quebra-cabeça de 1000 peças e tentar montá-lo, chamar os amigos até sua casa para tocar violão e cantar até ficar com dor de garganta, andar de skate, patinar, e por aí vai.

A nossa vida é cheia de pequenos momentos que marcam a nossa história. São esses momentos que dão sentido a ela e nos dão o brilho de viver. Saibamos aproveitá-los e dar a devida importância a eles.

 * Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Ver para crer ou crer para ver?

Por Isaias Costa São Tomé foi um grande apóstolo de Jesus Cristo. Um imenso homem, um coração bondoso, uma determinação de deixar todos de queixo caído, uma vontade de seguir Jesus em todos os momentos e circunstâncias, não tinha medo de pregar, não tinha medo de abandonar irmãos e família para seguir Jesus. Enfim, um homem extraordinário. Porém, ele tinha um defeito que todos conhecem bem, a falta de fé. Ele dizia, “eu preciso ver para crer”. Mas será que é realmente assim que devemos pensar e agir? Será que não existe uma maneira mais eficaz de pensar a respeito da vida, do futuro, dos sonhos, das perspectivas, etc? É claro que existe sim. Basta inverter essa famosa frase de São Tomé.

Eu preciso crer para ver”. Vamos analisar bem essa frase. O que essa frase quer dizer? “Eu preciso crer para ver”, aqui existe o grande segredo de tudo nessa vida. Tudo (quando digo tudo é TUDO mesmo) na nossa vida começa em nível de pensamento. Antes de fazer qualquer coisa, primeiro pensamos um pouco. Falar, andar, correr, tomar banho, comer, dormir. Para tudo, existem mecanismos no nosso cérebro que levam as atitudes que fazemos. Mas tudo é tão normal e tão banal que a grande maioria das pessoas nem pensa nisso. É impressionante como a eficácia das nossas conquistas aumenta exponencialmente quando colocamos essa lógica na vida.

Por exemplo, eu estou estudando para o vestibular ou para um concurso. Muito, muito antes de você passar nesse concurso, você deve se imaginar passando no concurso. Se você não colocar na sua cabeça que aquela vaga é sua, bye bye meu amigo. Você pode ser o cara mais inteligente do mundo, pode ser um Einstein, mas você não vai passar. Nossa! Que visão pessimista, sai pra lá! Ave Maria três vezes!! Blá blá blá! Muita gente pensa isso, mas é verdade. Vejo pelo meu próprio exemplo, em tudo que fiz e consegui passar existia dentro de mim uma força muito grande, uma certeza de que a vaga era minha, e consequentemente eu passava.

Outro exemplo está no campo dos relacionamentos. Uma pessoa diz para si mesma. “Nunca vou conseguir ninguém na vida”, “As pessoas não são confiáveis”, “O mundo não presta”, “As pessoas são falsas”, etc, etc. Acho que não preciso nem dizer o que vai acontecer com uma pessoa que diz esse tipo de coisa não é mesmo? Pois é. Existe sim uma pessoa que dá certo com você. Mas muito antes de essa pessoa dar certo com você. Você tem que dar certo com você mesmo. Se você não dá certo consigo, como é que vai dar certo com outra pessoa? Não dá, é simplesmente IMPOSSÍVEL. Mais uma vez está aqui o crer para ver. Primeiro você crê que vai encontrar uma pessoa para dividir sua vida e depois vai ver isso acontecer. Não é tão fácil assim, eu sei, é um processo, que depende único e exclusivamente de você. Primeiro você muda o seu mundo, para que em seguida o mundo mude com você.

Lembrei da brilhante frase do Gabriel, o Pensador que diz. “Muda, que quando a gente muda, o mundo muda com a gente. A gente muda o mundo na mudança da mente. E quando a mente muda a gente anda pra frente, e quando a gente manda ninguém manda na gente. Na mudança de atitude não há mal que não se mude nem doença sem cura, na mudança de postura a gente fica mais seguro, na mudança do presente a gente molda o futuro”. É exatamente assim que acontece a nossa vida. Portanto amigos. Vamos inverter a frase de São Tomé e começar a ver o resultado disso na nossa vida…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

4 Comentários

Arquivado em Uncategorized