Arquivo do mês: outubro 2012

Nuvem que não se vai

Por Isaias Costa

Hoje vou falar sobre um tema que pode ser muito dolorido para algumas pessoas, mas que vale a pena ser falado, as ESCOLHAS. Vou falar me baseando em uma das músicas do cantor e compositor Humberto Gessinger, vocalista da banda Engenheiros do Hawaii. A música “nuvem”. Aos que não conhecem segue o link.

A música fala sobre uma pessoa que estava em um relacionamento com outra que não estava lhe acrescentando nada de bom. A música começa assim, “Se está com ele está sozinha, e sozinha não quer mais ficar. Se está com ele é porque quer, porque não quer mudar…”. Aqui o Humberto está dizendo de uma forma bem direta sobre a necessidade da atitude, em contraposição a carência. “Diga adeus, diga adeus, ou não diga nada”. Diga adeus, no imperativo, ou seja, tome uma atitude, já, agora! Infelizmente é uma coisa que percebo demais com muitas pessoas, principalmente as mulheres. A necessidade de ter alguém para namorar. Mas namorar é algo que requer muito critério, escolhas, paciência, observação. Sem isso a pessoa corre o risco de se relacionar com alguém que não irá acrescentar nada, pelo contrário, que pode até lhe tirar o encanto por relações amorosas.

“Se está chegando o fim da linha, tá na hora de saltar… Não vá perder a hora certa com a pessoa errada, diga adeus, adeus!”. Nós só temos uma vida, e devemos aproveitar muito bem esse tempo, estar com pessoas que nos façam bem, que nos valorizem e que nos deixem felizes. Quando você está se relacionando com alguém é possível perceber quando está chegando o fim da linha, e se deve saltar. Se você não saltar, o que vai acontecer é que o trem da sua vida vai lhe levar para um grande abismo, que não se pode nem calcular a profundidade. Volto a questão da carência. Existem muitas pessoas carentes que namoram a primeira pessoa que lhe dá um pouco de atenção. Não é bem assim! Isso é muito arriscado. É importante a observação e a paciência, alguns dos ingredientes para se encontrar uma boa pessoa para se relacionar. O que deve ser feito é se autovalorizar, amar-se, saber que tem valor e que não é qualquer pessoa que vai adentrar no seu território pessoal. O que posso dizer para ajudar nisso se chama AUTOCONHECIMENTO. Busque o autoconhecimento, através de leitura, oração, meditação, etc. Conhecendo a si mesmo, será muito mais fácil conhecer as pessoas ao seu redor, e se relacionar com quem vai lhe ajudar a crescer na vida.

A vida não pode ser um conta gotas na tua mão. Chuva que não chove. Sol que não sai. A vida não pode ser medida com precisão. Motor que não se move, nuvem que não se vai”. O resumo disso aqui é DECISÃO. A vida exige decisão. A chuva foi feita para chover, o sol para aquecer e dar vida à Terra, o motor para se mover. Assim como a vida, ela é dinâmica e deve ser vivida com dinamismo. Sabendo fazer as escolhas certas.

Não vá perder a vida inteira com a pessoa errada, diga adeus, adeus”. É verdade, existem muitas pessoas que perdem a vida inteira com a pessoa errada. E isso não é apenas triste, é deprimente, devastador. Já pensou você chegar a velhice como um homem ou uma mulher cheia de ressentimentos, arrependimentos e lamentações, dizendo para si, “Eu deveria ter feito diferente. Deveria ter seguido outro caminho. Deveria ter me relacionado com outra pessoa. Deveria ter tido mais paciência, etc”. Não vai adiantar falar nada disso, porque o tempo já vai ter passado, e não se pode voltar no tempo. Mas o que se pode é viver bem o agora, para que o seu futuro não se transforme num filme de terror, mas num campo de lindas rosas.

Quero concluir com a palavra mais repetida nesta música, adeus. Essa palavra é mágica. Sendo aplicada nas situações certas, ela pode ajudar muito no nosso caminho e na nossa felicidade. É importante dizer adeus para certas pessoas, para quem não vai lhe acrescentar nada de bom ou que pode até lhe fazer muito mal…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A importância do desapego

Por Isaias Costa

O apego é um tema que requer bastante atenção e cautela ao ser tratado. Uma pessoa ser apegada ou não a coisas ou pessoas é algo que vai mais além do que o simples apego, em muitas vezes há uma base genética. Não existem estudos muito aprofundamos sobre esse assunto, mas falo aqui pelo minha experiência de vida. Já vi e vivi muita coisa relacionada a isso.

Por exemplo. Uma pessoa pode ser apegada a coisas materiais e nem se dar conta disso. Ela compra um objeto e coloca em sua cabeça uma importância a ele tão grande que não consegui se desfazer dele. Esse objeto vai envelhecendo, ficando desgastado ou até mesmo inutilizado. Mas na cabeça da pessoa ele sempre vai ser importante, porque o seu cérebro diz o tempo todo que este objeto é importante e tem valor. Este apego não é um simples apego, ele tem raízes no cérebro do indivíduo e na sua genética. Se você for analisar bem, algum outro parente, próximo ou distante, terá um comportamento parecido. Um apego como esse só pode ser curado através de uma terapia, uma orientação focada apenas nisso.

Será que uma guitarra dessas ainda tem alguma utilidade?

O apego a pessoas é parecido, mas está muito mais relacionado com a autoestima do que com a carga genética. Dificilmente uma pessoa que tem uma autoestima elevada terá apego a outra pessoa. É simples de entender. Uma palavra que anda lado a lado com a autoestima é a segurança. Uma pessoa segura não precisa ficar “grudada” em alguém 24 horas por dia, porque ela sabe que isso não é necessário. Ela se valoriza, sabe que não vai perder a pessoa amada se ficar um tempo sozinha, ou na companhia de amigos. Inclusive eu acho interessante a questão da individualidade. Cada um tem sua própria vida, independente da outra. Quando você está se relacionando com alguém, essa pessoa não vai ser a sua “metade da laranja”, não. Ela vai ser alguém que tem compatibilidade com você e vai encaixar o seu jeito de ser, seu modo de viver, pouco a pouco com seu jeito de ser. É um processo, muito diferente da “metade da laranja” que muitos falam. Para se ter essa consciência é muito importante o desapego. Só assim um relacionamento pode durar, não vai haver sufocamento de nenhuma das partes, não vai haver jogos de manipulação, nem chantagem emocional, nem nada parecido com isso.

Isso é maravilhoso! Mas não precisa ser assim 24 hs por dia!

Portanto amigos. Espero que essas minhas poucas palavras sobre esse tema tenham dado uma luz a vocês. Esse tema é muito abrangente e com certeza há muito mais a ser falado sobre ele. Aos que quiserem se aprofundar nesse assunto, sugiro procurar páginas de psicologia na internet ou procurar um psicólogo. Tem um texto que li recentemente que pode ajudar muito, aqui vai o link.

artigo.asp?i=292

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Empreendedorismo e Acomodação

Por Isaias Costa

Hoje quero falar sobre um tema que está virando moda nos tempos atuais, o EMPREENDEDORISMO. O que é o empreendedorismo? É a prática de alguma atividade utilizando formas não convencionais. Utiliza-se de muita criatividade e, principalmente, ousadia. São os pré-requisitos para ser um bom empreendedor. Essa palavra é muito ampla, diferente do que muitos pensam. Ser empreendedor não é ser uma pessoa da área administrativa, que lida só com o dinheiro ou com firmas, vai muito mais além.

As pessoas que se tornam empreendedoras começam com sonhos. Elas pensam em independência e em se tornarem ricas. A última coisa que querem é ter um patrão. Elas querem ser seus próprios patrões. Não há nada de errado nisso. É uma atitude louvável. Elas colocam uma ideia na cabeça, ficam amadurecendo esta ideia, e tomam uma atitude radical, como por exemplo, sair do atual emprego e começar tudo do zero, montando uma firma ou uma microempresa.

É aqui que vem o grande risco. Empreender traz na sua própria origem o risco, a possibilidade. Quando se inicia algo diferente, inovador, não dá pra saber se vai obter sucesso ou não. É preciso muita ousadia e criatividade. É por essa e outras razões que não existem tantos empreendedores no mundo, porque a maior parte das pessoas não quer correr esse risco. Elas conseguem um emprego e quando veem que estão estabilizadas não procuram algo totalmente novo ou diferente, elas meio que se “acomodam”. Vale ressaltar que esse acomodar é no sentido da estabilidade. Se você está estabilizado em um emprego, gosta dele, tem um bom salário, boa equipe ao redor, etc, não é ruim que você se acomode. Diferente da acomodação de não tentar ter sucesso. Esse tipo de acomodação é deletéria, pode trazer grandes prejuízos pessoais e financeiros. Acomodação, no sentido mais amplo da palavra esta ligado ao processo de adaptação e de equilíbrio, o que acho muito saudável.

Eu sempre gosto de ver as coisas de um modo mais equilibrado. Não existe bom ou ruim, existe o que você faz. Quero dizer que tanto o empreendedorismo quanto a acomodação são coisas boas, desde que não estejam em excesso. É bom que você procure crescer na vida, ter um bom emprego, uma boa casa e carro, poder viajar pelo menos uma vez por ano, ter uma agenda relativamente tranquila, etc. O empreendedorismo ajuda em tudo isso, mas se este for o alicerce da sua vida, você vai pouco a pouco perdendo o brilho pela vida, pelas coisas simples, vai estar sempre pensando no que fazer para crescer mais e ganhar mais dinheiro. Isso pode afastar as pessoas que lhe amam de verdade e fazer aproximar muitas pessoas interesseiras, o que pode trazer muita decepção e frustração. O que é melhor? Ter poucas pessoas que lhe amam de verdade e lhe apoiam em tudo ou muitas pessoas que só querem lhe sugar? Pense um pouco sobre isso…

Da mesma forma que não é bom se contentar com migalhas, é o caso da acomodação doentia que falei anteriormente. É importante não se contentar com pouca coisa. Se isso acontecer, você também vai afastar as pessoas que mais lhe amam, porque elas não vão lhe respeitar. É óbvio! Como pode as outras pessoas lhe respeitarem se você mesmo não se respeita? Não se acha digno de ter um ótimo emprego, com ótimo salário, companheiros, chefe, local de trabalho, etc? A ousadia é muito importante na hora de buscar um bom emprego. É você acreditar no seu potencial e provar isso aos outros.

Portanto. Quero deixar esta reflexão. É muito bom crescer financeiramente, ter estabilidade, mas também é muito importante cultivar as relações pessoais mais próximas, algo que pode ser comprometido pela sede por poder. O que deve haver é um equilíbrio entre essas duas realidades. Dessa forma você será muito bem sucedido tanto no lado financeiro como no lado das relações interpessoais.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Carneirinhos e palavras mordazes

Por Isaias Costa

Todos nós já estamos cansados de tanto ouvir que temos dois ouvidos e uma boca para poder ouvir mais e falar menos. Mas é uma pena que muitas pessoas, mesmo sabendo disso, teimam em falar pelos cotovelos. Falar demais pode ser muitas vezes algo perigoso, porque pode lhe levar a falar algo que não queria realmente.

O ser humano tem dentro de si o lado amoroso e doce, mas também tem o lado rude e feroz. Uns desenvolvem mais um lado do que outro, mas ninguém está totalmente isento de mostrar o seu lado não comum. Sabendo disso, devemos nos policiar ao máximo para não falar palavras que venham a ferir as pessoas. Uma palavra dita sem pensar pode trazer grandes prejuízos e arrependimentos. Coisa que o silêncio não faz. O silêncio pode no máximo causar uma inquietação na pessoa que está falando com você.

Já conheci pessoas que ficaram totalmente desestruturadas emocionalmente porque foram alvo de pessoas duras. Que disseram palavras mordazes e as abalaram profundamente o psicológico. Algumas dessas pessoas entraram em quadros graves de depressão e passaram a tomar remédios antidepressivos pelo resto da vida para poderem ter uma vida com um pouco de “paz”.

Se essas pessoas não tivessem sido mutiladas com essas palavras mordazes, provavelmente estariam dando o melhor de si em seus empregos, estariam muito mais felizes e ajudariam muito mais as pessoas e a sociedade como um todo. São raríssimas as pessoas que têm um bom suporte emocional para ouvirem injúrias e não se abalarem. Eu mesmo. Enquanto cursava Física, quase entrei em depressão por conta de um professor que queria “arrancar o meu couro”, como diriam alguns. Eu tive que buscar muito suporte emocional, principalmente na família, para não “pirar” com tudo o que aconteceu. Foi muito difícil, mas consegui ser um sobrevivente e não guardar sequelas desta época.

Nunca faça ninguém ficar nessa situação por causa de uma palavra sua…

Dei esse exemplo para elucidar o quanto as palavras podem ser perigosas se ditas de forma ríspida. Portanto amigos. Existem muitas formas de evitar dizer palavras mordazes, a mais eficaz é ficar em silêncio. Mas existem outras maneiras. Gosto de brincar com a ideia de “contar carneirinhos”. Eu me perguntava quando era criança, “Por que contar carneirinhos?”. Hoje em dia eu entendo que contar carneirinhos é uma forma de desviar os pensamentos da zona de conflitos e levá-lo para algo totalmente diferente, sem nenhuma ligação direta com o conflito. Essa é uma boa tática. É por isso que ela é utilizada para ajudar as pessoas a dormirem, porque faz com que elas desviem totalmente o foco do pensamento naquilo que está dificultando o sono. As maiores causas de insônia acontecem porque o cérebro continua trabalhando feito um louco, deixando o corpo tenso e os batimentos cardíacos altos (mas enfim, isso é outra história…). Só quero dizer que você pode fazer isso. Contar carneirinhos para relaxar em um momento que você sabe que vai falar algo que não deveria.

É bem simples. Se você perceber que a discussão ficou feia e que você está prestes a explodir de raiva. Respire fundo e fique em silêncio. Pare bastante para pensar a respeito e diga no máximo. “Me dê um pouco de tempo, eu preciso pensar um pouco”, ou então “Por favor, eu preciso ficar um pouco sozinho agora”. Fazendo isso você terá tempo para pensar e deixar a poeira baixar, e consequentemente, não vai se precipitar com as palavras, vai falar palavras amadurecidas e bem pensadas, e não palavras duras e impulsivas. Esse simples ato pode fazer a outra pessoa nunca precisar de psicoterapia nem de remédios controlados pelo resto da vida para sobreviver a algo dito por você. Pense a respeito…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized