Arquivo do mês: novembro 2012

Como será que deve ser envelhecer?

Por Isaias Costa

Eu sou um rapaz que, apesar de jovem, penso muito a respeito da velhice. É um tema que a juventude quer distância. Infelizmente estamos vivendo em uma época que idolatra a beleza física, a juventude. Muitos querem criar um elixir da vida. Existem milhares de produtos químicos e farmacêuticos que prometem uma melhora da pele, ou rejuvenescimento. As pessoas mais vaidosas veem esses produtos e caem como “patinhos” nessas furadas. Elas estão gastando muito dinheiro para tentarem disfarçar algo que não pode ser disfarçado, a idade. Se você tem 50 anos, como pode querer ter aparência de 20? Não dá meu amigo! É biológico, o corpo vai se degenerando naturalmente dia após dia, e não há nada que se possa fazer para evitar que isso aconteça.

Mas o que quero falar mesmo é sobre como deve ser envelhecer? Se as pessoas colocassem na cabeça que envelhecer não é algo tão ruim assim, com certeza a indústria farmacêutica não seria tão milionária ou bilionária. Não haveria tantos velhos querendo ser garotos.

Vou falar algumas coisas que só podem ser vivenciadas se você envelhecer. Por exemplo, o crescimento dos filhos. Isso é maravilhoso, pensar que seu filho um dia foi só um bebê, você acompanhou todo o seu crescimento e na velhice percebe que ele deu certo na vida, casou-se, teve filhos, estruturou-se financeiramente, está morando num belo apartamento e tem um belo carro. Esse é o tipo de coisa que só envelhecendo para poder ver. Além dos filhos, têm também os netos. Poder segurar no colo o filho do seu próprio filho, é uma experiência muito bonita, é uma experiência que faz você se transportar para o tempo em que o seu filho também era só um bebê, e imagina que o pequenininho que você está segurando vai ter uma personalidade bem parecida com a do seu filho, fica até imaginando as coisas que ele fará no futuro. São experiências muito marcantes na vida de um velho.

download

Muito interessante também é viver as mudanças que se observa no corpo. Começam a aparecer rugas e mais rugas, o seu vigor físico vai diminuindo pouco a pouco, os cabelos brancos começam a se alastrar, muitos homens começam a ficar carecas, a visão vai ficando mais desgastada, a audição também, você não consegue mais comer aquela “bacia” de comida que ingeria na juventude, não consegue mais competir com os amigos quem come mais pedaços de pizza no rodízio, corre dois minutos e já sente dores nas pernas, e por aí vai. Talvez você pergunte. O que há de tão bonito nisso? Como posso achar isso interessante? O que eu posso fazer para lidar com isso? Eu acredito que a melhor forma de lidar com tudo isso se chama contentamento. Mas afinal, o que significa contentamento? Contentamento é se sentir alegre e satisfeito. Se você se sente alegre e satisfeito, não vai ficar chorando pelos cantos porque está ficando velho não é mesmo? É ter a ideia introjetada na mente. Existe tempo para tudo, o tempo de criança, o tempo de adolescente, de jovens adultos, de adulto maduro, e em seguida o tempo da velhice. Não existe um tempo melhor ou um tempo pior, existe o hoje, o agora, isso é a única coisa que existe. Se você tem 20 anos, ótimo. Viva como um jovem de 20 anos. Se você tem 40 anos, também. Viva como alguém de 40 anos, seja responsável, trabalhe, sustente sua família, cuide dos afazeres domésticos e viva sereno. E se você tem 60 anos ou mais, aproveite bem esse tempo, muita coisa pode ser feita dessa idade em diante, basta ser criativo.

exercicios-fisicos-terceira-idade

Um hábito que pretendo cultivar quando for um velhinho é a leitura. Essa é uma das melhores práticas de um idoso. Porque não exige esforço físico e ao mesmo tempo você estará deixando o seu cérebro sempre ativo, vai continuar aprendendo coisas novas, o que eu acho maravilhoso também. Quero chegar à velhice sempre aprendendo coisas novas, além do fato de não ficar esquecendo de tudo. Quero chegar às pessoas chamando-as pelo nome. Sem ficar, ãhhn, uhnn, como é seu nome mesmo? Não. Quero trabalhar minha mente para ter muita memória e não ter esse tipo de dificuldade.

S

Quero concluir deixando uma das músicas mais incríveis que fala sobre envelhecimento. O título deste post faz parte do refrão da música “envelhecer”, de Arnaldo Antunes. “Não quero morrer, pois quero ver como será que deve ser envelhecer”. Espero que curtam…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Holofotes imaginários

Por Isaias Costa

Eu acredito que a maioria das pessoas já passou pela situação de achar que todos estão olhando para elas com um olhar de reprovação, ou que não devem estar em determinado lugar porque as pessoas não as querem nele. Você tem a impressão de que é o centro das atenções e que existem muitos holofotes apontando na sua cara.

Essa situação descrita acima pode ser resumida em poucas palavras, mais a principal se chama INSEGURANÇA. Vou citar alguns exemplos para que a ideia fique clara.

Você está iniciando um curso de teatro. É inexperiente e tímido, mas sabe que tem talento para o teatro. Se você não trabalhar em cima dessa insegurança, sempre que precisar encenar para um determinado público, você vai ficar “travado”, vai ter a sensação de holofotes apontando para você e pessoas julgando sua performance. Um pouco de medo sempre vai existir, é inevitável, afinal, as pessoas vão para uma peça de teatro com o objetivo de se divertirem, de voltarem para casa felizes. Saber disso pode se tornar um peso, mas pode se tornar uma alegria, porque você vai dar o seu melhor, sem achar que é o centro das atenções. O que me inspirou a escrever esse texto foi um episódio do seriado americano “Anos Incríveis” chamado “O holofote”. Esse episódio fala justamente desse exemplo que citei aqui em cima. Assista! Vale a pena conferir!

Você está começando a dar aulas. Gosta de ensinar, mas ainda não tem experiência. Se você achar que não é competente o suficiente para passar o conteúdo aos alunos e não tiver segurança para fazer isso, vai acontecer a mesma coisa. Você vai achar que os alunos estão zombando de você, vai se achar incompetente, um peso, alguém que não tem autoridade e por aí vai. A única forma de lidar com isso é “bater de frente”. Dar aulas e mais aulas, sempre tirando essas ideias da cabeça e reforçando com ideias positivas como, “me preparei muito para ser professor, sou muito bom no que faço”, ou “os alunos querem aprender o conteúdo, eu só tenho que demonstrar segurança e ensinar com bastante didática e paciência”. Colocando as ideias positivas na mente e exercitando o magistério, em breve você será um professor muito bom, e não ficará mais vendo holofotes nos olhos dos alunos.

Você está em uma festa, baile ou show. Quer conhecer uma garota, está bem vestido, perfumado, sabe que é alguém interessante e que pode puxar um ótimo papo com uma garota. A festa desenrola e você fica flertando com uma garota e ela com você. Ela lança sinais de interesse e você simplesmente trava, imagina que vai ser rejeitado pela garota, imagina que ela está acompanhada, imagina que ela não vai gostar do seu papo, imagina que ela está só esperando uma amiga para ir embora da festa, imagina que ela foi pra festa “só pra dançar”, imagina que o namorado dela está chegando a qualquer momento. Só não imagina o óbvio, a garota está a fim de você. Sua insegurança a faz ficar a quilômetros de distância, e você volta triste para casa se fazendo aquela clássica pergunta: “Por que eu não fui lá falar com ela?” Você não foi falar com ela porque imaginou um enorme holofote apontando e dizendo que iria fracassar, e por causa dessa insegurança pode ter deixado de conhecer uma pessoa que poderia ser muito interessante na sua vida.

Tudo começa com uma bela conversa…

Todos os exemplos que eu dei tem algo em comum, sabia? O SOFRER POR ANTECIPAÇÃO. Por que ficar sofrendo por antecipação? Você não faz ideia do que virá depois! Só existe o hoje, o agora. O que vier depois vai aparecer naturalmente como resultado de algo feito agora. Portanto amigos! Vamos aos poucos desenvolvendo essas duas coisas que falei no texto. A segurança e o não sofrer por antecipação. A junção desses dois pode ajudar a fazer com que tudo na nossa vida flua com mais naturalidade…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Amai os vossos inimigos

Por Isaias Costa

Hoje eu vou fazer uma pequena reflexão sobre algumas belas palavras proferidas por Jesus. O dia em que ele fala ao povo sobre amar os inimigos, e vou falar também de algo óbvio que está por trás desse ensinamento, mas que muitos não se dão conta da maravilha do que Jesus queria dizer.

A passagem em que Jesus fala isso é a seguinte, retirada do evangelho de São Mateus: “Aprendestes que foi dito: Amareis o vosso próximo e odiareis os vossos inimigos. Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos; fazei o bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam, a fim de serdes filhos do vosso Pai que está nos céus e que faz com que se levante o Sol para os bons e para os maus e que chova sobre os justos e os injustos. – Porque, se só amardes os que vos amam, qual será a vossa recompensa? Não procedem assim também os publicanos? Se apenas os vossos irmãos saudardes, que é o que com isso fazeis mais do que os outros? Não fazem outro tanto os pagãos?”. Nesta passagem, o que Jesus fala logo no início é uma contraposição entre o pensamento do mundo e o pensamento divino. O mundo ensina a lógica do “olho por olho, dente por dente”, ou seja, se alguém lhe fez o mal, você deve retribuir também com o mal. Mas Jesus vem dizer o contrário, devemos retribuir o mal com o bem. Eu sei que não é nada fácil, mas Jesus em nenhum momento em sua vida disse às pessoas que seria fácil. Na realidade é um grande desafio, que é aceito pelas pessoas que querem ser parecidas com ele. Que querem fazer do mundo um lugar melhor de se viver.

Este é um ótimo exemplo de amor ao inimigo…

É muito bonita a metáfora que Jesus utiliza para explicar esta lógica. Ele fala do sol, que brilha da mesma forma para os justos e para os injustos. O sol não diz, “vou brilhar só para os que fazem o bem”. Não. Ele brilha igualmente para todos. Ele utilizou o sol justamente para comparar com o homem. O homem também tem uma luz própria, a luz divina de Deus, que só é manifestada aos que se abrem para o divino. Jesus está querendo dizer que o ser humano pode desenvolver esse brilho divino e incondicional da mesma forma que o sol.

Agora vou falar do que acho mais impressionante nessa passagem e que poucas pessoas se dão conta do verdadeiro ensinamento que Jesus queria deixar. Vou fazer uma pergunta. Você gostaria de não ter inimigos? Eu acredito que a sua resposta para essa pergunta tenha sido SIM. Era exatamente isso que Jesus queria ensinar quando falou sobre amar os inimigos. Pensem comigo! Eu vou amar o meu inimigo. Vou lhe desejar tudo de bom, vou orar por ele, vou desejar que ele seja muito feliz, etc. Essa pessoa é minha inimiga se eu agir dessa forma? É resposta é simples e direta, NÃO. Ou seja, o que Jesus queria ensinar é que se você ama a todas as pessoas, aos amigos e inimigos, você não vai ter inimigos. Gosto de pensar nisso como na 3ª lei de Newton. Ação e reação. É como se houvesse uma ação do seu inimigo, mas não houvesse uma reação de igual direção, magnitude e de sentido contrário. Ao invés de uma reação como a da Física Clássica você cria uma reação divina, uma reação como a de Jesus Cristo.

Enfim amigos. Se vocês querem o mesmo que eu, não ter inimigos. Vamos seguir esse grande ensinamento do mestre. A nossa vida vai mudar imediatamente, e com o nosso testemunho vamos mudar o mundo pouco a pouco.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

5 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Não fuja da dor

Por Isaias Costa

A dor é um tema muito importante de ser abordado. Hoje quero falar sobre esse sentimento que assola o nosso coração e às vezes chega a assolar até o próprio corpo. O que me inspirou a escrever esse texto foi uma música que gosto muito, a música “Não fuja da dor”, da banda titãs. Para os que não conhecem segue o link.

Essa música diz, “Não fuja da dor. Querer sentir a dor não é uma loucura, fugir da dor é fugir da própria cura”. Muita gente pode se perguntar. Como assim? Se eu fugir da dor estarei fugindo da minha própria cura? Isso mesmo. Ainda digo mais! Se você fugir da dor vai se sentir ainda pior. Porque além de o seu corpo estar travando uma guerra para tentar atingir a saúde e o equilíbrio. O seu espírito vai estar travando uma guerra também. O resultado disso? DOENÇA. O que eu estou querendo dizer é que a dor pode e deve ser uma grande amiga. Ela pode nos ensinar muito, basta saber aprender com ela. Os titãs dizem isso de forma brilhante na música. Se você quiser sentir a dor vai rapidinho alcançar a cura. Exatamente, abrace a sua dor e você conseguirá a cura.

Uma das maiores dores que se pode existir é a dor de um término de relacionamento amoroso. Os cientistas até afirmam que a dor de um rompimento amoroso é comparável à dor da perda de um ente querido. Muito pesado não acha? Quando alguém termina um relacionamento parece que o mundo desaba. Os dias e as horas parecem que duram uma eternidade. Tudo leva a lembrar da pessoa que se amava (fotos, lugares, músicas, perfumes, amigos em comum, etc). É muito difícil lidar com tudo isso sem ficar emocionalmente abalado. Mas o que digo a você é que isso é bom e normal. E esse momento de “luto” (isso mesmo, pode ser chamado sim de “luto”) deve ser vivido intensamente. Esse momento deve ser degustado e saboreado. Não estou querendo dar uma de pessimista. Estou ensinando a melhor forma de se reerguer depois do término de uma relação amorosa. Esse tempo de sofrimento é o tempo em que você para, pensa, reflete sobre a sua vida, faz novos planos para o futuro, pensa nos seus erros, nos seus acertos, nos atos, naqueles que foram bons e nos que foram ruins, pensa no que fazer para não cometer os mesmos erros quando se conhecer uma nova pessoa, etc. Enfim, é o tempo da renovação do ser como um todo, da reestruturação da sua vida sem aquela pessoa que dividia tudo com você. Por isso que digo, abrace a sua dor, viva-a de forma plena, sem pressa de ficar bem, se sente vontade de chorar, chore. Não fique se resguardando nem dando uma de durão ou durona, é pior, o sofrimento vai demorar mais a passar.

As lágrimas são remédios naturais para as dores emocionais, sabia disso? Se analisarmos a lágrima até de uma forma química vemos que a sua função está ligada à proteção contra bactérias do ar e à lubrificação do olho, ou seja, servem para mantê-los sempre saudáveis. Isso é impressionante! Da mesma forma que elas purificam o corpo também purificam o espírito. Portanto, se quiser chorar, chore! Pode ter certeza de que a cura virá muito mais rápido do que se você ficar guardando e aprisionando a sua dor, ou seja, fugindo da dor. Não fuja da dor!

Outra coisa que muitos fazem depois que terminam um relacionamento é achar que “nunca mais suas vidas serão como antes”, não, errado. Suas vidas podem se tornar ainda melhores, basta que se busque isso, que não se fique acomodado esperando que uma vida maravilhosa caia do céu como um presente de Deus. A ideia que deve ser colocada em mente é, “Se meu relacionamento anterior não deu certo foi porque não era para dar certo. É porque alguém muito mais especial está por vir”. Com essa ideia a perspectiva muda totalmente. Você vai elevar a sua autoestima e vai passar a se valorizar mais, vai cuidar da aparência, vai se tornar mais sereno, a comunicação com as pessoas vai se tornar muito mais simples e livre, etc.

Quero concluir dizendo que a alegria e o sofrimento são faces de uma mesma moeda. Elas podem virar a qualquer momento e você deve estar preparado para isso. E a melhor forma de estar preparado é abraçar a situação. Se for de alegria abrace esta alegria, viva-a intensamente, se for o sofrimento, da mesma forma, viva-o intensamente.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O aperfeiçoar do pensamento

Por Isaias Costa

Albert Einstein uma vez disse a seguinte frase: “Os problemas importantes não podem ser resolvidos no mesmo nível de pensamento em que eles foram criados”. O que ele quis dizer com isso? Que mensagem ele quis deixar às pessoas? Ele era um homem genial e ao mesmo tempo muito sábio. Ele sabia que os grandes problemas precisavam de um amadurecimento da mente para serem resolvidos.

Por exemplo, você está estudando Física, está começando a estudar as leis de Newton. De repente você se depara com um problema e vê quatro blocos interligados, umas três ou quatro cordas de ligação, polias fixas, polias móveis, solo com atrito, superfícies dos blocos com atrito, e se pede para calcular as acelerações dos blocos. O mínimo que vai acontecer com você nesse momento é um belo “Ãhhn? O quê? Como assim?”. Se você está no início do estudo não está preparado para resolver esse tipo de problema, é um problema de nível avançado. Para os estudos, a melhor forma de aprender é seguir de uma forma lenta e gradual, dificultando um pouquinho a cada passo. Dessa forma em pouco tempo a mesma pessoa que antes ficava “viajando” no estudo da Física, vai conseguir resolver todos os problemas, porque o conteúdo vai estar alicerçado no cérebro.

O mesmo acontece no estudo de línguas estrangeiras. Se você está começando a estudar inglês, por exemplo, tem que começar pelo básico do básico, ver palavras simples, como se fosse uma criança aprendendo a falar. Se você lê umas poucas palavras e logo em seguida vai assistir a um filme sem legenda, o que vai acontecer? Você vai pensar que inglês é a coisa mais difícil do mundo. Mas não, você acha difícil porque foi direto para o nível avançado. Se você for aprender direitinho, passo a passo, com conversações e aprendendo palavras novas a cada dia, repetindo, ouvindo, escrevendo, falando. Com certeza você vai aprender e o conteúdo da língua vai ficar arquivado no seu HD. Você vai falar a língua fluentemente.

Os músicos. Nenhum músico se torna profissional sem passar por um processo árduo de estudo e aperfeiçoamento. Se você está aprendendo a tocar violão, não vai começar tocando uma música do Caetano Veloso. Se você fizer isso, vai achar violão um “bicho de sete cabeças”, e não é, só precisa começar pelo básico e ir avançando de nível pouco a pouco. O mesmo vale para todos os outros instrumentos. Você não vai começar a aprender violino tocando uma sinfonia de Beethoven ou Tchaikovsky? Dessa forma você vai desistir do instrumento na primeira semana de estudo.

O nosso cérebro possui o que se chama de NEUROPLASTICIDADE. O que isso quer dizer? É a relação dos neurônios com o a assimilação de informações. Com o processo de aprendizado lento e gradual, as conexões neuronais vão ficando mais fortes, mais complexas e aperfeiçoadas. É como se o cérebro fosse uma esponja ou um HD que aumenta de tamanho com o tempo. A nossa capacidade cerebral é muito maior do que imaginamos. Nunca o cérebro estará velho demais ou desgastado demais para aprender coisas novas. Portanto, vamos fazer o cérebro trabalhar da melhor forma possível, buscando aprender conteúdos de uma forma lenta e gradual.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

As pedras da gratidão

Por Isaias Costa

Recentemente li um belíssimo texto do escritor e professor Lee Brower, que fala sobre um dos maiores poderes que o ser humano tem para seguir em frente e ser feliz, o poder da gratidão. Vou refletir um pouco sobre o texto e sobre esse enorme poder do ser humano.

Acho que todos têm momentos em que dizem: “As coisas não estão dando certo” ou “As coisas vão mal”. Certa vez, quando alguns problemas estavam acontecendo na minha família, achei uma pedrinha, e fiquei sentado com ela na mão. Eu peguei essa pedra, guardei-a no bolso e disse: “Sempre que eu segurar esta pedra vou pensar em algo pelo que sou grato”. Assim, toda manhã, quando levanto, pego a pedrinha no armário, guardo ela em meu bolso e penso nas coisas pelas quais sou grato. De noite, o que faço? Esvazio meu bolso e lá está ela novamente.

Eu tive algumas experiências impressionantes com essa ideia. Um sujeito da África do Sul me viu segurando a pedra e perguntou: “O que é isso?”. Eu expliquei, e ele passou a chamá-la de pedra da gratidão. Duas semanas depois, eu recebi um e-mail dele, da África do Sul, dizendo: “Meu filho está morrendo de uma doença rara. É um tipo de hepatite. Você poderia me mandar três pedras da gratidão?” Eram apenas pedras comuns que tinha achado na rua, então disse: “Claro”. Eu tinha de garantir que as pedras fossem muito especiais, então fui ao rio, peguei as pedras certas e as mandei para ele.

Quatro ou cinco meses depois recebi um e-mail dele, dizendo: “Meu filho está melhor, está indo muito bem”. E acrescentou: “Mas você precisa saber de uma coisa. Nós vendemos mais de mil pedras por dez dólares cada como pedras da gratidão, e levantamos todo esse dinheiro para a caridade. Muito obrigado”.

Portanto, é muito importante ter uma atitude de gratidão.

 

Eu estou cada vez mais utilizando esse poder na minha vida. E o que acho mais impressionante nisso tudo é que, quanto mais gratos nós somos pelo que temos mais a nossa vida se enche de alegria e de prosperidade, em tudo, na família, no trabalho, nas finanças, nos relacionamentos, na saúde do corpo, etc. A gratidão tem o poder de mexer com tudo isso. Eu escrevi outro texto também falando sobre a gratidão na nossa vida e no quanto ela pode nos ajudar a estar sempre bem…

buscar-estar-sempre-bem

Faça esse exercício! Acorde de manhã e diga: “Obrigado por estar vivo e ter a oportunidade de viver um grande dia de muitas vitórias e conquistas!”. Saia de casa para o trabalho e dê um beijo e um abraço nos seus pais, ou esposo, esposa, filhos, avô, avó dizendo para si: “Obrigado por ter em minha vida essas pessoas maravilhosas que me amam de verdade, do jeito que sou”. Chegue ao trabalho desejando bom dia a todos, mesmo que não lhe respondam e diga para si: “Obrigado por estar trabalhando e poder ser útil para as pessoas. Obrigado por ter saúde e disposição para trabalhar”. Quando receber o seu salário agradeça dizendo: “Obrigado por esse salário, que eu faça bom proveito desse dinheiro conquistado pelo fruto do meu trabalho. Que essa benção se multiplique para mim e para meus irmãos”. Quando for dormir, agradeça a Deus por ter vivido um grande dia de trabalho e feito bem o seu dever e diga: “Obrigado por ter a oportunidade de descansar confortavelmente nessa cama macia e acolchoada, com um quarto arejado e uma bela casa onde me sinto protegido”. E dessa forma seguir a vida, sempre agradecendo por tudo que já conquistou.

Outra coisa que faz a vida se tornar muito mais bonita é agradecer pela felicidade dos outros. A pessoa que mais sai ganhando é você mesmo. Porque agradecendo pela felicidade dos outros, você vai estar pouco a pouco tirando do seu coração um sentimento muito deletério, a INVEJA. Quando você vir alguém muito bem sucedido na vida agradeça e diga: “Essa pessoa fez por merecer tudo que tem. É um grande exemplo de pessoa. Eu vou fazer o mesmo. Vou procurar crescer mais e mais na vida, para também ser tão bem sucedido quanto ela”. Percebe como é a lógica de uma pessoa que usa o discurso da gratidão? As pessoas que usam esse discurso verdadeiramente só têm um destino, o sucesso e a felicidade. Sei que é isso que você quer. Então aprenda a utilizar esse grande poder chamado gratidão. Logo a sua vida será outra e você vai ficar impressionado com a reviravolta positiva que a sua vida irá tomar.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

 

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

A primeira impressão não é a que fica

Por Isaias Costa

Hoje vou falar sobre um erro que todas as pessoas cometem, não importa quem seja: crianças, jovens, adultos, velhos, periquito, papagaio… O julgamento. E vou falar sobre o quanto os julgamentos precipitados podem nos ajudar a melhorar a nossa vida, o quanto podem nos tirar da nossa ignorância e prepotência.

Vou falar de exemplos que aconteceram comigo. Uma vez eu fui jogar basquete (eu adoro jogar basquete) e eu olhei para um carinha e logo não gostei dele. Fiquei dizendo para mim mesmo: “Quem esse cara pensa que é? Se acha o bichão, o fodão, etc”.  Sabe o que era isso? Inveja. Isso mesmo, no fundo eu estava invejando o cara porque ele jogava basquete melhor do que eu. E como eu não queria ficar por baixo, fiquei achando que ele era bossal e arrogante, mas na realidade eu é que estava sendo bossal e arrogante. Quando isso aconteceu, nada do que falei aqui em cima passava pela minha mente. Até que um belo dia (depois de uns três ou quatro meses que não via o cara), eu joguei com ele de novo. Não tirava a impressão que tinha dele. Fiquei só observando. Durante o jogo ele ficou caladão, só jogando e pronto. Sem estresse nenhum. Aí eu comecei a perceber que ele não era tão chato assim. A gota d’água aconteceu no final do jogo. E isso eu nunca vou esquecer, vai ser uma estória que vou contar até para os meus netos. Ele se sentou, ficou observando a gente. Aí ele viu que um dos garotos que estava jogando não tinha basqueteira. Na realidade não tinha tênis nenhum, estava jogando de pé descalço. Aí ele perguntou para o garoto: “Qual é o número do teu pé?” Ele falou: “quarenta e um”. O cara simplesmente desamarrou a sua basqueteira e disse pro garoto: “calça aí mah! Eu acho que vai caber no teu pé”. Era uma basqueteira Nike zerada, novíssima, brilhando de nova. O garoto falou, “deu certinho no meu pé!”. O cara falou então, “legal mah!”. Ele se levantou e começou a se afastar pra ir embora. Aí o garoto disse: “Espera aí mah! A tua basqueteira!”. Ele então disse: “Essa basqueteira é tua cara! Fica com ela!”. E falou para os outros. “Falô galera! Até o próximo racha!”. E foi embora de pé descalço.

Depois disso eu disse pra mim. “Meu Deus! Como eu pude ser tão superficial? Julguei alguém sem ter a menor ideia de quem era!”. Fiquei com vontade de enterrar minha cabeça. Aprendi muito nesse dia. Nunca mais passei a julgar as pessoas pela primeira impressão que tinha delas.

Eu fiquei assim nesse dia…

Outro exemplo foi de um amigo que conheci que era super calado e introspectivo. Na primeira vez que o vi achei que ele era super bossal e pedante. Não fazia ideia de que ele era só um cara tímido. Depois que tive oportunidade de conversar com ele e ter um bom diálogo, percebi que a impressão que tinha dele era totalmente equivocada. Era um cara com um coração enorme, mas que só não sabia se expressar muito bem. Hoje somos grandes amigos.

Enfim. Vamos eliminar da nossa mente a frase que o mundo sempre diz: “A primeira impressão é a que fica”. Não. Nada disso. “A primeira impressão é a que NÃO fica”. Devemos observar muito bem as pessoas antes de julgá-las. Se julgarmos alguém logo na primeira impressão, a probabilidade de estamos sendo equivocados é quase 100%. Pensem e reflitam um pouco sobre isso…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

O fracasso como uma alavanca

Por Isaias Costa

Fracasso é uma palavra bastante pesada, ela tem em si uma carga negativa enorme. Ninguém quer essa palavra no seu dicionário pessoal, pois ela sempre vem acompanhada de sofrimento, que também é muito pesado. Mas hoje quero falar do lado positivo do fracasso, das alavancas que ele cria na nossa vida.

O fracasso não é algo tão ruim assim. Por quê? Porque ele sempre aparece como um resultado ruim de alguma empreitada pessoal, ou seja, foi uma tentativa que não teve um final feliz, mas foi uma tentativa, e isso é honroso. Tentar e fracassar é muito mais bonito e gratificante do que ficar “sentado no trono de um apartamento, com a boca escancarada, cheia de dentes, esperando a morte chegar”, como diria Raul Seixas. Foi uma empreitada, você acreditou na possibilidade do sucesso. O acreditar é o primeiro passo para o sucesso. Lembre-se, tudo começa em nível de pensamento. Vou citar agora alguns exemplos famosos de pessoas que fracassaram, mas que deram a volta por cima.

Michael Jordan. O maior jogador de basquete de todos os tempos. Na época do colegial foi cortado do time. Ele voltou para casa, se trancou no quarto e chorou. O que ele fez? Quis provar para todo o mundo que poderia ser muito melhor do que imaginavam. Treinou muito, melhorou fisicamente, treinou a impulsão, e em alguns anos, se tornou o nome mais conhecido no basquete mundial, seu nome será lembrado para sempre e ele continuará sendo inspiração para novos jogadores de basquete.

The Beatles. A banda que revolucionou a história da música, duzentas e tantas músicas, que até hoje não param de tocar nas rádios e serem regravadas por outros artistas, etc. Em uma gravadora que eles foram, ouviram isso aqui, “não gostamos do som deles, e a guitarra está acabando”. Eles desistiram com isso? Não. Procuraram outra gravadora e se tornaram a maior banda de todos os tempos.

Thomas Edison. Um professor lhe disse que ele era muito estúpido para aprender qualquer coisa e deveria ir para um lugar onde sua personalidade agradável fosse útil. Ele esmoreceu por causa disso? Ficou se achando um “burro”? Um “Zé ninguém”? Não. Ele simplesmente foi o criador da lâmpada incandescente. Era alguém com tanta luz interior que criou a luz exterior. Profundo…

Walt Disney. Ele foi despedido de um jornal porque disseram para ele que não tinha imaginação e não tinha ideias originais. O que aconteceu com ele? Simplesmente criou a Disney. Um espetáculo aos olhos de qualquer ser humano, um lugar de sonhos de qualquer criança (eu me incluo, quando era criança sonhava em ir para a Disney), ele criou personagens de desenho que vão se eternizar. Um homem brilhante.

Abraham Lincoln. Um dos maiores presidentes dos Estados Unidos. Quando jovem, fracassou nos negócios duas vezes, sua noiva faleceu, teve um colapso nervoso, esteve à beira da morte, foi derrotado em eleições por oito vezes. Enfim, tinha motivos mais do que suficientes para desistir, era motivo de gozação para muitos. Mas não, ele acreditou no seu potencial até o fim, e se tornou um grande presidente. Talvez o maior que os Estados Unidos já teve.

Albert Einstein. Ele sempre teve sérios problemas de memorização. Na infância os seus professores achavam que ele tinha deficiência mental. Zombavam dele, se achavam muito superiores a ele. O que aconteceu com ele? Desenvolveu uma das teorias mais revolucionárias na Física, foi quase um divisor na história da Física. Existe a Física antes da teoria da relatividade e a Física a partir da sua descoberta. Sem contar com a teoria do efeito fotoelétrico, que lhe rendeu um prêmio Nobel. Um verdadeiro gênio. Um homem extraordinário.

O que Michael Jordan, The Beatles, Thomas Edison, Walt Disney, Abraham Lincoln e Albert Einstein têm em comum? Todos eles pegaram os seus fracassos e fizeram deles alavancas para o sucesso. É isso o que todos nós devemos fazer. Cada um sabe do seu potencial e das suas habilidades. Acredite nelas! Coloque toda sua energia para o aperfeiçoamento dessas habilidades! E lembre-se, só não fracassa a pessoa que está morta. Basta estar vivo para ter a possibilidade do fracasso, o objeto dele é nos empurrar para conquistas cada vez maiores.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

O risco de querer agradar a todos

Por Isaias Costa

Existem muitas pessoas que passam pelo problema de querer agradar a todos, e quando percebem que não é bem assim sofrem em demasia. O ser humano é extremamente complexo em sua totalidade, e achar que se pode agradar a todos é, no mínimo, uma visão bastante infantil da vida.

Eu sempre gosto de buscar o equilíbrio em tudo o que faço. Não ser nem demais e nem de menos. Eu procuro cultivar a simpatia, mas também não saio por aí com aquele sorriso Colgate, rindo o tempo todo. Procuro ser educado, mas sei que em determinadas situações eu preciso usar palavras duras, porque são situações que exigem isso de mim. Procuro ajudar as pessoas no que é possível e sei que está ao meu alcance, mas quando sei que a ajuda que pedem de mim eu não posso ajudar, não fico querendo dar uma de super-homem, não. Se eu sei que não posso ajudar eu falo, “me desculpe, mas não posso ajudar”. Simples. São pequenas coisas, mas que muitos têm uma enorme dificuldade, exatamente porque sofrem do problema de querer agradar a todos.

Existe uma coisa que aprendi na vida que determina completamente o fato de agradar a uns e desagradar a outros. Chama-se, OPINIÃO FORMADA. Gosto de associar a ideia de opinião formada com as demonstrações da matemática. Em muitas delas o final da demonstração vem com a célebre frase: “a condição necessária e suficiente para tal tal tal é…”, ou seja, a condição necessária e suficiente para você não agradar a todos é tendo uma opinião formada sobre um assunto. Pode ser o que for, hábitos alimentares, religião, roupas, leituras, preferências, política, esportes. Sempre vai haver pessoas que discordarão de você. É natural isso. Não precisa ficar se martirizando por isso. Nós devemos criar uma espécie de “indiferença” a isso. É assim. Se o que você pensa é um ideal, ou seja, é algo que você realmente valoriza. Não precisa ficar sofrendo porque outra pessoa não pensa o mesmo. Deixe-a viver, e pensar da maneira que bem entender.

Eu acredito que a melhor forma de evitar aborrecimento com relação ao agradar a todos é buscar não ser rígido demais com as suas convicções, estar sempre aberto a diferentes pontos de vista, sem julgamentos, sem achar que a outra pessoa está errada, não. A outra pessoa não está errada, ela só pensa diferente de você. O que garante que não é você mesmo que está pensando de forma equivocada sobre determinado assunto? Pense sobre isso…

Além disso, o que pode ajudar a agradar o maior número de pessoas é estar sempre aberto a ouvir. Todos se sentem bem quando querem falar e tem uma pessoa que lhe dá atenção. Você adquirindo e cultivando o hábito de ouvir as pessoas sem ficar “dando pitaco” o tempo todo, vai fazer, com certeza, você se tornar alguém mais agradável.

Sabe de uma coisa que está por trás de praticamente todas as pessoas que sofrem do problema de querer agradar a todos? Isso pode até parecer estranho para uns, mas tem muito sentido e fundamento. O RECONHECIMENTO e a APROVAÇÃO. O ser humano é, por natureza, um ser que espera o reconhecimento e aprovação em tudo que faz. Porém, os que querem agradar a todos fazem isso de uma forma muito sofrida e às vezes até doentia. Elas querem passar para os outros aquela imagem de santo ou santa, de despojamento total, de grande espiritualidade, mas será que é assim mesmo?

É aí que está a questão da aprovação. Inclusive, para aquelas pessoas mais religiosas, tentar agradar a todos é como se fosse um prêmio de Deus para alcançar a salvação. Espero não ser tão ríspido com os leitores, mas pensar assim é de uma ingenuidade sem tamanho. Porque o que vai acontecer na realidade da vida da pessoa que pensa dessa forma é ser massacrada por aproveitadores. Existem muitas pessoas que, vendo alguém mais religioso e que ajuda os outros com esse pensamento de que é para alcançar a salvação, se aproveitam e “sugam o seu sangue” até a última gota. Sinceramente, eu não acho que se deve agir assim. Isso é falta de autoestima disfarçada de religiosidade.

O risco de querer agradar a todos tem uma profunda ligação com a AUTOESTIMA. Sabe quem foi a pessoa com a maior autoestima que já passou pela terra? Ela se chama Jesus Cristo. Vou explicar por que. Ele era um homem tão sábio que tinha a consciência que não agradaria a todos. O que Jesus disse aos seus apóstolos quando os mandou em missão para evangelizar no mundo? Disse para agradecer onde fossem bem recebidos, orar abençoando este local e sacudir a poeira das sandálias quando não fossem bem recebidos, como um sinal de repúdio por este local. Será que Jesus estava querendo agradar a todos falando assim? Lógico que não.

Essas palavras são de uma sabedoria universal e impressionante. Agora vejam outras coisas que ele disse: “Venham até mim todos vós que estais cansados e fatigados que eu vos aliviarei…” ou “quem beber da água que eu ofereço nunca mais terá sede…”. Eu fico arrepiado com essas palavras. Só alguém com uma autoestima estratosférica pode ser capaz de pronunciar tais palavras. O que eu quero recomendar a todos é: prestem muita atenção nas palavras de Jesus. Ele é o maior exemplo que se pode ser seguido. Eu posso garantir que se você entender bem a sua mensagem e missão na terra, nunca mais irá sofrer do problema de querer agradar a todos.

Jesus fala para a Samaritana que é a água da vida…

Esse é um  assunto bastante amplo e complexo. Com certeza há muito que falar sobre ele. Para quem quiser se aprofundar, existe muita informação disponível na internet. Eu vou deixar um artigo de um terapeuta muito bom chamado André Lima. Leia! Ele aborda esse tema com bem mais profundidade que eu, vale a pena conferir…

http://www.eftbr.com.br/artigo.asp?i=165

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

6 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Aprendendo a criar parábolas

Por Isaias Costa

Alguma vez você já se perguntou o porquê de, na maioria das vezes, Jesus falar às pessoas através de parábolas? Eu já me fiz essa pergunta muitas e muitas vezes. Hoje entendo um pouco melhor porque ele fazia isso. Ele fazia para atingir o máximo de pessoas possível e também para instigá-las a encontrar as respostas dentro delas mesmas. Sempre gosto de repetir a frase dita por Jesus Cristo, “o reino dos céus está dentro de vocês”. Essa é uma das frases mais profundas que um ser humano poderia dizer. É algo quase inimaginável. Essa postura de Jesus ajuda a explicar um pouco o fato de ele falar tanto por parábolas.

Outra coisa que faz o ato de contar parábolas ser tão profundo é que as pessoas que escutarem não vão ficar com a impressão de que aquilo que foi dito foi uma “afronta” a sua pessoa. Vou explicar melhor. Existem milhões de pessoas no mundo que se colocam como vítimas em tudo, são como álcool e inflamam com muita facilidade. E qualquer coisa que digam a seu respeito, elas já vão logo com sete facas na mão para se defender. Jesus sabia perfeitamente bem da existência desses indivíduos. Então ele contava parábolas para atingi-las, para fazê-las refletir profundamente sobre as suas vidas.

São tantas parábolas maravilhosas que ficarão para sempre, todas com profundos ensinamentos. Parábola do semeador, parábola da figueira, parábola dos talentos, parábola das moças e lamparinas, parábola do joio e do trigo, etc. Jesus era um brilhante contador de estórias. Sabia atingir o fundo do coração do ser humano, e fazê-lo navegar pelo mar de sua individualidade sem ser invasivo ou intransigente. Ele é um maravilhoso exemplo a ser seguido. Um homem que revolucionou o mundo com suas palavras e principalmente com seu testemunho de vida.

Que tal tomarmos como exemplo o mestre Jesus Cristo e desenvolvermos nossa criatividade para atingir as pessoas através de parábolas? Ajudar as pessoas a refletirem sobre suas vidas sem ser invasivo? Sermos referência de sabedoria para os amigos? É um grande desafio, eu sei. Mas tenho me proposto esse desafio e venho também colocá-lo a vocês. Vamos aprender a criar parábolas…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized