Gente nasceu pra querer

Por Isaias Costa

images

O ser humano é um ser que nunca se satisfaz 100% com nada, sempre fica com aquela sensação de “eu quero mais”, ou reclamações do tipo “só isso?”, e as clássicas expectativas “Quando eu tiver tal coisa eu…”. Eu fico impressionado com essa enorme capacidade do ser humano de achar que nada é bom o suficiente. Para entender melhor o que estou tratando, quero compartilhar um texto excelente que fala sobre isso, de autoria do psicanalista Flávio Bastos, com o título “Insatisfações latentes”.

E para terminar com música, uma que tem tudo a ver com o tema, a música “Gente”, do grande Raul Seixas: “Gente tá sempre querendo chegar lá no alto, pra no fim descobrir já cansado que tudo é tão chato…”.

Insatisfações Latentes

O homem é um ser insatisfeito?

Se analisarmos a questão pela observação das demais espécies vivas da natureza planetária, o homem, por ser dotado de capacidade intelectual, diferencia-se das outras espécies porque questiona a sua existência. E, ao questioná-la, costuma levantar muitas dúvidas a respeito de porque ele existe num pequeno planeta perdido na imensidão de um universo sem fim.

O problema não é o questionamento existencial que é necessário e saudável. O problema maior, digamos, é o sentimento de insatisfação que o homem experimenta consigo mesmo. Insatisfeito, o indivíduo acumula durante sua vida, pequenos descontentamentos que ao acumularem-se tornam-se focos (origens) de psicossomatizações.

Frustrações, desilusões e, principalmente, desamor são as principais causas das depressões traduzidas por sentimentos de insatisfação e incompletude perante a vida.

Atualmente, impressiona o que se observa no relacionamento interpessoal: as pequenas queixas diárias que se fossem analisadas revelariam um conteúdo inconsciente de recentes e atávicas insatisfações acumuladas.

Observa-se pessoas que criaram o hábito diário de reclamar de tudo: da fila do banco que não anda, do tempo frio e chuvoso, do tempo quente e seco, do olhar de determinada pessoa, enfim, encontram sempre um motivo para reclamar de alguma coisa aonde estiverem.

A insatisfação “crônica” é um estado de espírito asfixiante e paralisante que além de comprometer o bem estar bio-psico-espiritual do ser, atrasa o seu crescimento integral. Necessita de tratamento psico-espiritual, o indivíduo que insatisfeito consigo mesmo introjeta e projeta os venenos diários em si mesmo e no outro.

Estudos científicos revelaram que nos “bastidores” dos comportamentos psicóticos de poder (auto)destrutivo, encontra-se em ebulição um psiquismo que esconde insatisfações diante de um mundo que tornou-se, para esses indivíduos, extremamente ameaçador.

As doenças, em grande parte, são o resultado da “contaminação” psíquico-espiritual pelo comportamento queixoso, insatisfeito e pessimista do ser humano. Situação que o mantém indefinidamente refém de suas próprias limitações.

Muitas pessoas possuem o suficiente para viver a vida com dignidade: têm um teto para morar, comida na mesa, acesso aos estudos, família saudável, amigos e um certo conforto no lar. No entanto, continuam a experienciar a sufocante sensação de incompletude como se uma energia desconhecida forçasse caminho na tentativa de preencher vazios de desejos recalcados.

Torna-se praticamente impossível para o indivíduo sentir-se satisfeito e realizado na vida se não aceitar em si a natureza transcendental que pede passagem e lugar em seu desenvolvimento integral. Sentir-se um ser de natureza espiritual é o primeiro passo para quem quiser erradicar de seu interior o vício das reclamações diárias que contaminam alma e corpo. No contexto vital, as manifestações da espiritualidade, inerentes a todos os seres dotados de inteligência, sensibilidade e poder criador, devem fluir com naturalidade…

Não somos mais minúsculos organismos vivos perdidos na imensidão dos oceanos. Somos criaturas que evoluíram com o passar dos milênios. A exemplo do universo, expandimos ininterruptamente a nossa consciência. Hoje, no terceiro milênio, temos uma visão além do sol e da lua e já contemplamos o cosmos com uma consciência mais próxima de Deus.

A fábula “O círculo vicioso”, de Machado de Assis, retrata as mazelas humanas representadas pelo ciúme e pelo sentimento de insatisfação. É um belo exercício de reflexão sobre a vida.

Bailando no ar, gemia inquieto o vagalume:
“Quem me dera que fosse aquela loura estrela
que arde no céu azul como uma eterna vela!”
Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme:
“Pudesse eu copiar o transparente lume,
que da grega coluna à gótica janela,
contemplou suspirosa, a fronte amada e bela!”
Mas a lua, fitando o sol com azedume:
“Mísera! Tivesse eu aquela enorme, aquela
claridade imortal que toda luz resume!”
Mas o sol, inclinando a rútila capela:
“Pesa-me esta brilhante auréola de nume…
Enfara-me esta azul e desmedida umbrela…
Porque não nasci eu um simples vagalume?”

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s