Arquivo do mês: novembro 2013

Um mundo governado pelo dinheiro

Por Isaias Costa

fazer-dinheiro1

Outro dia assisti a um filme extraordinário que fala sobre o mundo, a evolução do homem e da natureza, o universo, as fontes de energia, o futuro, a saúde da população e principalmente sobre o dinheiro. O filme explica em detalhes como acontecem as falcatruas dos homens mais ricos do mundo para conquistarem as suas riquezas e aumentarem as disparidades sociais. Trata-se do filme “Prosperar: O que será necessário?”.

Uma frase em especial me deu muita inspiração para escrever este post, é a seguinte: “Dai-me o controle do dinheiro de uma nação e não me importarei com quem irá fazer as leis”, de Baron Mayor. Esta frase é extremamente profunda e verdadeira. O que Baron está querendo dizer é que todo o nosso mundo e a sociedade são controlados pelo dinheiro, e aqueles que comandam esse dinheiro são como “Deuses”. O poder que eles têm é tão imenso que eles nem precisam se importar com as leis, porque eles próprios criam estas leis, ao bel prazer, da forma como querem e impõem à nossa pobre população de uma forma que só faz com que cresçam mais e mais e a população fique mais e mais pobre. É um jogo muito sujo meus amigos! Cheio de trapaças e aproveitamentos. Na realidade, o que esse vídeo mostra não chega nem na pontinha da unha do que esses homens mais ricos do mundo são capazes de fazer para faturarem exorbitantemente.

Lendo e assistindo a muitos vídeos e filmes, consegui chegar a uma reflexão muito interessante. A maioria dos bilionários se tornam bilionários utilizando de muitas formas de sugar dos menos favorecidos. Quero deixar bem claro que existem as exceções como por exemplo (Oprah Winfrey, Bill Gates e Flávio Augusto). O que estou querendo dizer? Os homens mais ricos do mundo criam suas megaempresas e contratam milhares de “peões”, que são pessoas que não tem muito saber acadêmico, mas uma excelente disposição para o trabalho manual, braçal ou repetitivo. O que acontece é que estes empregados trabalham duro por no mínimo 8 horas diárias durante uma semana inteira, fazendo esta empresa faturar milhares de dólares, enquanto estes pobres empregados ganham a migalha da migalha. Infelizmente a maior parte dos “peões” se contentam com estas migalhas, porque muitos destes empregos são fixos e com carteiras assinadas, as empresas têm prestígio, eles oferecem cursos e prometem aumentos e possibilidades de subir de cargo etc. Este é, na realidade, um problema mundial em nível de pensamento. Os “peões” e os outros medíocres trabalham PELO DINHEIRO, porque querem algo que seja SEGURO. Então estes homens espertos, sabendo disso, dão a segurança que eles esperam com uma carteira assinada, mas um salário ridículo. Este é um tema muito amplo e provavelmente ainda retornarei a ele.

O senso de justiça e retidão não existe para esses homens, porque o dinheiro simplesmente minou completamente isso. E o EGO deles é tão exacerbado que não se pode nem descrever. O EGO é o que faz com que se sintam deuses indestrutíveis. Não existe amor, carinho, afago, compaixão, ternura, benevolência, paz, servidão e nenhum outro sentimento mais nobre em seus corações, só existe dinheiro, dinheiro e dinheiro. Agora eu vou fazer alguns questionamentos: Será que esses homens são mais felizes do que eu ou você? Será que eles têm paz de espírito? Será que quando eles encostam a cabeça em seus travesseiros sentem que fizeram alguém feliz e que são importantes na vida desta pessoa? Será que as pessoas que se aproximam deles querem realmente ter um encontro mais profundo ou apenas usufruir de seus bens? Será que eles sentem um prazer indescritível por andarem em uma Lamborguini? Será que eles se sentem protegidos nas suas mansões repletas de cercas elétricas, muros, grades e guardas? Será que eles imaginam suas vidas sem todos os bens materiais que possuem? Etc etc.

Todos esses questionamentos são muito profundos e precisam ser respondidos. Eu acredito sinceramente que estes homens estão longe de serem mais felizes do que eu ou você. Eu sou um “pé rapado”, como muitos podem dizer, mas eu tenho tesouros que eles jamais poderão ter, como: paz de espírito, consciência tranquila, amigos sinceros e verdadeiros, amor de pai e mãe, uma namorada que me ama pelo que eu sou, um trabalho que gosto, companheiros de trabalho muito bons e sociáveis, uma saúde perfeita, todas as capacidades físicas e mentais em perfeita ordem, uma família extremamente unida e companheira, etc. Esses tesouros são muito mais valiosos do que qualquer dinheiro deste mundo. Eu não tenho necessidade de me tornar um bilionário, pois já me considero muito mais do que um bilionário, tenho um coração rico e pessoas na minha vida que me amam de verdade e só querem o meu bem, que torcem pela minha felicidade e meu sucesso.

O nosso mundo é governado pelo dinheiro e o nosso querido sistema cada vez mais tem incutido na cabeça das pessoas que devemos ser consumistas. Toda a sociedade sobrevive através desse consumo desenfreado, e quem não consome é excluído, rechaçado, humilhado, ridicularizado. Por quê? Qual o mal em não ser consumista? Muito simples, não ser consumista implica em menos dinheiro no bolso dos ladrões sanguessugas que comandam a sociedade. Então se você não for consumista está fadado a viver uma vida de reclusão. Eu estou me tornando uma dessas pessoas e afirmo que não é o “fim do mundo” como muitos talvez pensem. Eu estou experimentando muitas alegrias que transcendem o dinheiro e que trazem paz de espírito. Quero deixar bem claro que o dinheiro é importante, mas está muito, muito longe mesmo de ser o mais importante. Vamos valorizar as pequenas coisas da vida! Vamos viver o hoje! Só existe o hoje! Você nem sabe qual será o seu destino daqui a 1, 2, 3, 5, 10 anos? Pra quê ficar enlouquecendo atrás de dinheiro? Vamos preencher a nossa vida com coisas maiores! Com valores, com amor, com compaixão, com amizades mais profundas! É isso que o mundo mais precisa.

Espero que tenha gostado destas palavras e desta pequena reflexão. Gostaria muito que você continuasse pensando a abrindo sua mente para a realidade assistindo a esse filme com muita, mas muita atenção. Ele traz informações preciosíssimas e que vão fazer você enxergar o mundo com olhos mais profundos…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Religião traz esperança

Por Isaias Costa

RELIGI~1

Você já se perguntou para que serve uma religião? As pessoas religiosas são melhores do que as que não são? A religião ajuda a moldar a personalidade de uma pessoa? São muitas as perguntas, mas o que eu digo a você é que seguir alguma religião pode ser muito bom, e um dos principais objetivos dela na vida é trazer mais esperança.

Para refletir sobre isso, compartilho algumas palavras do grande Rubem Alves, do seu livro “O que é religião?”.

“O sentido da vida não é um fato. Num mundo ainda sob o signo da morte, em que os valores mais altos são crucificados e a brutalidade triunfa, é ilusão proclamar a harmonia com o universo como realidade presente. A experiência religiosa, assim, depende de um futuro. Ela se nutre de horizontes utópicos que os olhos não viram e que só podem ser contemplados pela magia da imaginação. Deus e o sentido da vida são ausências, realidades porque se anseia, dádivas de esperança. De fato, talvez seja esta a grande marca da religião: a esperança. E talvez possamos afirmar, com Ernest Bloch: ‘Onde está a esperança ali também está a religião.”

Estas são palavras muito sábias e reflexivas. Acho perfeita a sua relação entre Deus e o sentido da vida como ausências. O que isso quer dizer? Quer dizer que são abstratos, não fazem parte do mundo material e físico. Nesta hora vemos que são dádivas de esperança, e como esperanças, dependem do futuro.

É tão interessante pensar nisso! Uma das grandes questões religiosas é sobre a vida após a morte, que é maior mistério da nossa existência. Todas as religiões tentam de alguma forma nos levar a refletir sobre isso, e cada uma tem uma visão diferente, sempre com a esperança da salvação e da redenção para as nossas almas.

As religiões são muito importantes porque, sem elas, nossa vida se resumiria apenas às experiências terrenas e mais voltadas para o imediatismo ou materialismo. Imediatismo porque sem a esperança da salvação seria muito fácil pensar aquilo que muitos ateus pensam: “Eu só tenho uma vida! Vou aproveitá-la ao máximo! Vou viver sem regras e limites”. Essa é uma visão muito perigosa, pois pode acarretar em desvios de conduta e instalação de um péssimo caráter. E materialismo, porque sem a esperança tendemos a depositar todas as nossas energias e finanças no que é passageiro, fútil, banal, corriqueiro.

Quando se segue uma religião, mesmo que a vida traga grandes sofrimentos, ela vem como um porto seguro, nos dando esta esperança de dias melhores. Até mesmo as pesquisas científicas já comprovaram o quanto as pessoas religiosas tem uma maior capacidade de suportar as dificuldades e superar os conflitos da existência.

Portanto! Que neste dia você reflita sobre a religião como um ótimo caminho para ter mais esperança na vida! E como uma excelente maneira de não viver simplesmente para aquilo que é material, mas transcender a essa realidade tão estreita e pequena…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Por que as mulheres adoecem emocionalmente mais do que os homens?

Por Isaias Costa

psi

Você já reparou que há um número muito maior de mulheres que procuram alguma terapia ou acompanhamento psicológico para curar dores emocionais que os homens? E elas também buscam muito mais o autoconhecimento? Por que isso acontece? Por que os homens são mais reticentes em buscar ajuda psicológica? Li em um livro chamado “O futuro da humanidade”, do psiquiatra e escritor Augusto Cury, uma excelente explicação para isso. Confira…

“As mulheres não adoecem mais facilmente no território da emoção por serem mais frágeis do que os homens, como sempre acreditou o machismo que reinou por milênios. Excetuando as causas metabólicas, elas adoecem mais porque amam, se doam, se entregam e se preocupam mais com os outros do que os homens. Além disso, frequentemente são mais éticas, sensíveis e solidárias do que eles. Elas estão na vanguarda da batalha da vida, por isso acham-se mais desprotegidas. Os soldados no front da batalha têm mais chances de ser alvejados.”

Essa é a grande questão! Está ligada ao amor! As mulheres amam mais que os homens! Experimentam o amor de forma muito mais intensa e verdadeira que os homens! Isso leva naturalmente a uma maior possibilidade de frustrações e sofrimentos. É mais fácil adoecer emocionalmente quem se abre ao amor do que quem fica preso dentro de si mesmo, dentro de um casulo.

Há uma questão bastante sutil nestas palavras do Augusto Cury! O EGO. Quanto mais exacerbado for o ego de uma pessoa, menor é a probabilidade de ela pedir alguma ajuda em termos emocionais e menor será a sua capacidade de expressar um amor verdadeiro, pois o amor é por natureza uma doação, é uma decisão por sair de si mesmo em busca do outro. O verdadeiro amor não consiste em satisfazer as próprias necessidades e buscar ser feliz sozinho, mas em fazer o outro feliz, procurando se despojar de si mesmo. É o caminho oposto ao do ego, que quer tudo só para si.

Acho incríveis as palavras do grande escritor Erick Fromm para definir o amor: “O amor consiste em dar, não em receber. Amar é um verbo, e verbos implicam uma ação concreta. A ação correspondente ao verbo amar é dar-se, sem pedir, cobrar ou esperar. A recompensa do amor é o próprio amor que se sente, que inunda o coração, não o amor que se recebe do outro.”

Os homens têm uma enorme dificuldade de por em prática essas palavras tão lindas e tão verdadeiras, exatamente por causa do ego, que insiste em prevalecer e fazer com que não sintam esse amor. E por não o sentirem, criam um casulo, e a partir desse casulo tornam-se frios, incapazes de se entregar a uma paixão, incapazes de ver o esplendor da beleza e encanto das mulheres, de sentir o carinho que brota dos seus corações e se reflete em seus gestos e olhares.

Eu não me canso de repetir que amo as mulheres, a delicadeza, a sensibilidade, a abertura ao amor, ao cuidado, ao sair de si mesmas, faz delas diamantes preciosos neste mundo tão frio e carente.

É preciso refletir sobre a busca pelo autoconhecimento. Quem procura alguma terapia ou acompanhamento psicológico não quer outra coisa senão se conhecer melhor e saber o motivo dos sofrimentos, como superá-los e como se manter no equilíbrio para não voltar a adoecer. É preciso que os homens admitam que têm suas fragilidades e que precisam se abrir para o amor, pois só assim poderemos ter uma sociedade mais feliz e harmoniosa. Esse é um nobre exercício de humildade! Reconhecer-se frágil, e a partir das fragilidades, tornar-se forte. A nossa força vem do amor, e não do ego! Lembre-se sempre disso!

Se você quiser ler um pouco mais sobre esse tema tão amplo, recomendo um excelente artigo do terapeuta André Lima intitulado “Por que os homens buscam tão pouco o autoconhecimento?”. Neste artigo ele dá mais detalhes sobre essa rejeição e medo que os homens têm de expor seus sentimentos. Vale a pena conferir…

Por que os homens buscam tão pouco o autoconhecimento?

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Felicidade Revelada

Por Isaias Costa

images (1)

Eu sou um amante da natureza e de suas belezas infinitas. Outro dia eu assisti a um vídeo incrível do TEDx com o produtor de filmes Louie Schwartzberg. Nesse vídeo ele mostra umas fotos que ele tirou na natureza mostrando a evolução e desenvolvimento de plantas, de flores, do céu, além de imagens de pessoas felizes, com diversas culturas, povos, nações, cores, línguas. Uma verdadeira maravilha! A sua mensagem é tão bonita e impactante que fiz questão de transcrever todo o seu discurso para você ter a oportunidade de reler sempre que quiser. Ele nos mostra a importância da gratidão e das inúmeras bênçãos que temos derramadas em nossa vida todos os dias. O vídeo está logo abaixo! Boa viagem pelo mundo da natureza e do ser humano…

Louie Schwartzberg

Olá todo mundo! Estou vivendo uma espécie de reestreia. Isso é maravilhoso! De volta às minhas origens em São Francisco. Quando eu me graduei na UCLA, eu me mudei para o nordeste da Califórnia. Eu vivi numa cidadezinha chamada Elk, e eu não tinha um telefone ou televisão, mas tinha o correio dos Estados Unidos. A vida era boa naquele tempo, pelo que me lembro. Eu tinha que ir à loja geral para tomar um café ou um brounie e enviar por navio o meu filme para São Francisco, e esperar por 2 dias até que parecesse na minha porta. O que era uma maneira melhor de ter que enfrentar o tráfego de Hollywood.

Eu não tinha muito dinheiro, mas eu tinha tempo e um sentido de imaginação. Eu comecei a tirar fotos em “time lapse”. Eu demorava um mês para fotografar 1 metro de filme porque aquilo era tudo o que eu podia comprar.

Eu venho fazendo fotos prolongadas de flores continuamente por 4 horas todos os dias, 7 dias por semana, por mais de 30 anos. E vê-las se mover é uma dança da qual eu nunca me canso. A beleza delas nos imerge em cor, gosto, toque e também nos provê com um terço dos alimentos que comemos.

A sedução da beleza é uma ferramenta da natureza para sobreviver. Porque nós protegemos aquilo que nos apaixonamos e abre nossos corações, e nos faz compreender que somos parte da natureza e não somos separados dela.

Quando vemos que fazemos parte da natureza fica claro que estamos conectados toos em um. As pessoas que veem minhas imagens muitas vezes dizem: “Oh, meu Deus”.

Se pensarmos no que isso significa veremos que “Oh” significa que chamou e trouxe sua atenção para o presente. O “meu” significa que o conectou com algo profundo em sua alma, abrindo um portão para uma voz interna acordar e ser ouvida. E “Deus”? Deus é uma jornada pessoal em que todos queremos estar, para se inspirar, para sentir que estamos conectados com o universo e celebrar a vida.

Vocês sabiam que 80% da informação que nós recebemos vêm através dos olhos? E que se você compara a energia da luz com escalas musicais será apenas 1/8 o que podemos ver a olho nu? O que estaria bem no meio? E não estaríamos gratos nossos cérebros que podem tornar esse impulso elétrico que vem da natureza da luz para criar imagens que nos permitem explorar nosso mundo?
E não estamos gratos por termos corações que podem sentir as vibrações que nos permitem sentir o prazer e a beleza da natureza?

A beleza da natureza é um presente a ser cultivado com reverência e gratidão. O presente particular que quero compartilhar aqui hoje é um projeto ao qual venho trabalhando que é chamado “Felicidade Revelada” e ele vai nos dar um vislumbre nessa perspectiva ao ponto de vista da criança e do idoso nesse mundo.

Menina

Quando eu assisto TV é apenas alguns programas fora do padrão. E quando você explora, você tem mais imaginação do que já tinha e depois, quando você tem mais imaginação, isso faz você querer ir mais fundo, assim você pode ter mais e var mais coisas bonitas do que poderia.
E o caminho? Como se tivesse um caminho que pode levar você a uma praia ou algo assim e então isso pode ser bonito.

Louie Schwartzberg

Você acha que isso é apenas mais um dia na sua vida? Não é apenas mais um dia, é “O” dia que é dado a você. HOJE.

Ele é dado a você, é um presente. É o único presente que você tem nesse exato momento e sua única resposta apropriada é a GRATIDÃO.

Se você não fizer mais nada, mas apenas cultivar essa resposta para o grande dom que este dia único é, se você responder como se fosse o primeiro dia em sua vida e o último dia, então você ter passado o dia de hoje muito bem!

Comece abrindo os seus olhos e se surpreenda porque você olhos através dos quais pode abrir essa incrível escala de cores que é constantemente oferecida a nós para o nosso puro prazer.

Olhe para o céu! Nós raramente olhamos para o céu! E note como ele se transforma de momento em momento com as nuvens chegando e indo. Nós pensamos no tempo e mesmo em relação ao tempo, nós não percebemos que existem muitos nuances. Apenas pensamos que há bom tempo ou mau tempo. Esse dia de hoje é um tempo único e pode ser que nunca mais haja um tempo exatamente igual, pois esse arranjo de nuvens no céu nunca será o mesmo de agora. Abra seus olhos e olhe para isso.

Olhe para o rosto das pessoas que você conhece, cada uma tem uma incrível estória por trás de sua face, uma estória que você nunca poderá penetrar inteiramente, não apenas a estória própria, mas a estória dos antepassados.

Para não irmos tão longe. É nesse momento, neste dia, todas as pessoas que se encontram, toda vida de gerações e de muitos lugares ao redor do mundo fluem para encontrar você aqui, como uma fonte de água da vida e basta você abrir seu coração e beber.

Abra o seu coração para o incrível presente que a civilização nos dá quando giramos uma chave e há luz elétrica. Quando abrimos uma torneira e há água quente e fria, e há água potável. Isso é um presente que milhões e milhões de pessoas no mundo nunca vão experimentar.

Esses são apenas alguns pontos do enorme número de presentes para os quais podemos abrir o nosso coração.

Eu desejo que você abra o seu coração para todas essas bênçãos e deixa-as fluir através de vocês para que todos os que venham a encontrá-los nesse dia sejam abençoados por vocês, apenas pelos seus olhos, pelo seu sorriso, pelo seu toque, apenas por sua presença.

Deixe a gratidão fluir em benção ao seu redor, então esse será realmente um BOM DIA!

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

A nobre arte do palhaço

Por Isaias Costa

palhaço

Recentemente assisti ao belíssimo documentário brasileiro chamado “Eu maior”, que reúne grandes nomes como Leonardo Boff, Roberto Crema, Rubem Alves, Flávio Gikovate, Mario Sergio Cortella e outros. O documentário inteiro é um convite ao AUTOCONHECIMENTO e aos diversos caminhos para encontrar a FELICIDADE. Eu recomendo você a assisti-lo o mais brevemente possível. A riqueza contida na sua 1h30min de duração é infinita e pode ser guardada por toda a vida, se você permitir isso! Abaixo está o link do documentário completo!

Para mim, uma das partes mais ricas e profundas deste filme é a entrevista com o palhaço Márcio Libar. Abaixo está apenas o trecho com suas falas. Confira…

Tudo o que ele fala é de absoluta importância e tem uma relação direta com o AUTOCONHECIMENTO e com a FELICIDADE. Quero comentar os trechos principais:

“O riso sobre o palhaço não é o riso da chacota. Ah! Você é feio! É o riso da ACEITAÇÃO! Quando ele aparece careca na tua frente e barrigudo ele tá dizendo pra você: ‘O teu cabelo vai cair e a tua barriga vai crescer também. Você me ama mesmo assim? Eu sou barrigudo e careca! Você me ama mesmo assim?’ E você diz: ‘Eu amo porque eu sei que o meu cabelo vai cair e a minha barriga vai crescer também’. É o riso da CUMPLICIDADE.

Então ter em mente isso! Eu sou assim! Mas você me ama mesmo assim? Eu acho isso um exercício da maior grandeza humana, que é a ACEITAÇÃO. A aceitação sua, a aceitação do outro e a sua aceitação através do outro.”

Aqui ele está falando sobre a maior força que existe, que é o amor. O amor acontece sempre como uma cumplicidade. O amor a si mesmo, ao outro e a cumplicidade deste amor! E para amar alguém verdadeiramente deve-se desenvolver o processo da aceitação! Por que milhões e milhões de relacionamentos tanto afetivos como amorosos não dão certo? Porque queremos que as outras pessoas seja algo que ela não são! Não as aceitamos como são, mas como nós queremos que elas sejam! Dessa forma cria-se uma desarmonia, que muitas vezes culmina na ruptura das amizades e dos relacionamentos amorosos.

“O erro! O erro é a nobre arte do palhaço! A imperfeição! A aceitação da sua inadequação! Eu sou inadequado, e agora? vai deprimir por causa disso? Ou vai rir?”

Estas foram as suas palavras que achei mais incríveis! Qual é a nobre arte do palhaço? Ela está nas imperfeições e nas inadequações. Eu achei incríveis porque por trás destas palavras está contida a mais nobre de todas as virtudes, a HUMILDADE. A virtude que faz com que os palhaços sejam seres humanos amados pelas crianças! Você já reparou na alegria de uma criança após sair de uma apresentação de circo? Os seus olhos e o seus risos já dizem por si só! Eles se encantam com a humildade do palhaço! Eles percebem que os palhaços fazem parte do mundo real cheio de erros e inadequações!

A mais nobre de todas as virtudes

Quero aproveitar para lhe fazer refletir sobre uma coisa que tenho quase certeza ser a resposta de boa parte das crianças. Pergunte a elas o que elas preferem? Ir a um circo ou ir ao cinema ver o filme do Superman? Acredito que mais 90% vai preferir ir ao circo, pois lá é um ambiente de descontração! De contato humano! De risos! De brincadeiras! Um lugar para fazer novos amigos etc! Enquanto o filme do Superman é um herói idealizado, cheio de poderes, seguindo o sonho americano da invencibilidade por trás de uma tela plana e sem vida! As crianças podem não saber se expressar quanto a essa indústria dos super heróis idealizados, mas intuitivamente elas sabem que tudo aquilo não passa de ilusão, então elas preferem o real, o imperfeito, que dá beleza e sentido a nossa vida!

“Criança vem de cria, criação, criador. Se você tira a criança de você, você tira o criador de dentro de você. E o que é Deus senão o criador do Universo? Se você tira a criança de você! Você perde a capacidade de criar o teu próprio universo. E você vai ter que amargar ter que viver no universo do outro. Eu acho que parte da felicidade é amadurecer sem deixar de ser criança.”

Aqui ele fala sobre ter o coração de uma criança! Ávida por aprender! Ávida por desbravar o seu próprio universo e o universo exterior! Muitas pessoas estão perdendo o sentido das suas vidas porque estão deixando de ver a vida e o universo com os olhos do palhaço, com os olhos de uma criança! Que sabe que é imperfeito, mas quer crescer, quer conhecer, quer amar, quer ser amado, quer fazer o bem! Isso é ser criança! Isso é ser sábio! Eu nunca me canso de dizer que as crianças são muito mais sábias do que nós adultos, porque elas enxergam o simples e são felizes a partir deste simples! Nós sempre damos um jeito de complicar o que é simples, de reclamar do que não precisa, de não agradecer pelo que temos e somos, de não valorizar cada diamante precioso que está junto conosco, nossos amigos, nossos pais, o namorado, a namorada, o esposo, a esposa! As crianças não tem vergonha de dizer “Eu te amo”, não se envergonham de expor os seus sentimentos com verdade e transparência, mas nós não! Nos enchemos de máscaras e deixamos de valorizar o essencial na vida.

Que neste dia você resgate essa alma das crianças! Resgate tudo aquilo que é simples! Aplique a nobre arte do palhaço na sua própria vida! Aceite-se como é! Seja humilde! Ria de você mesmo! E ame! Ame muito! A arte do palhaço é um excelente caminho de autoconhecimento! Com certeza podemos ser muito mais felizes se aplicarmos essa nobre arte em nossas vidas!…

images* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Um encontro mais profundo

Por Isaias Costa

amor-verdadeiro

Hoje eu vou ensinar a você algo precioso, principalmente se você tem um namorado(a), noivo(a), marido ou esposa. Trata-se do encontro mais profundo. O que seria esse encontro mais profundo? Vou explicar.

Nos relacionamentos íntimos é muito importante a boa comunicação, sem uma comunicação profundamente sincera o destino final você já deve imaginar qual é! Para explicar melhor o que estou dizendo vou colocar uma frase de um grande psiquiatra chamado Goldbrunner, que diz: “Se desejamos que outro se abra conosco, devemos começar nos abrindo com ele, falando-lhe aberta e honestamente de nossos sentimentos. Uma pessoa é ressonante a outra pessoa. Se estou disposto a sair da escuridão de minha prisão, a expor a minha parte mais profunda a outra pessoa, o resultado é quase sempre automático e imediato: ela se sente autorizada a se revelar para mim. Tendo ouvido meus mais secretos e profundos sentimentos, ela se sente encorajada a comunicar-me os seus. A isso, em última análise, chamamos de ‘encontro’”.

E este psiquiatra ainda fala que se você fizer uma espécie de INTERROGATÓRIO à pessoa, lançando-lhe perguntas e mais perguntas, é pior, isso vai torná-la ainda mais fechada no seu mundo e a comunicação verdadeira vai por água abaixo. Preste muita atenção nestas palavras! Volte e leia mais uma vez! Eu estou transmitindo a você uma maneira muito mais eficaz de se comunicar com aquela pessoa mais próxima. Você quer ter uma relação harmoniosa com essa pessoa? Então siga o que o Dr. Goldbrunner está sugerindo! Tenho certeza que a sua vida vai mudar IMEDIATAMENTE, do jeito que ele está falando…

Sabe qual é o principal problema para não ter esse tipo de comunicação? Muito simples! ORGULHO. Todos nós temos um orgulho em maior ou menor grau. Temos dentro de nós aquele sentimento mesquinho que diz: “Eu só vou falar de mim depois que ele(a) se abrir…” ou “Ele(a) me magoou muito. Ele(a) tem que se arrepender e pedir desculpas para mim. Vou ficar de cara fechada para ele(a) ver que precisa me pedir desculpas…” etc. Essas estórias clássicas acontecem o tempo todo em todos os lugares do mundo. Sabe o que eu digo? Isso NÃO É COMUNICAÇÃO. Esses entraves só desgastam os relacionamentos e muitas vezes os levam à ruína completa. Vamos aprender a ser mais HUMILDES! Isso pode nos levar a ter relacionamentos muito mais gratificantes e frutuosos. O EGO é um grande destruidor de relacionamentos e de uma boa comunicação entre as pessoas. Vou deixar um link em que falo sobre o ego. Vale a pena conferir…

O ego do ser humano- Parte 1

O ego do ser humano- Parte 2

O que você acha de começar a utilizar essa técnica do Dr. Goldbrunner na sua vida? Eu estou procurando me comunicar dessa forma com as pessoas que eu mais amo e vejo os benefícios e o crescimento pessoal que tenho ao fazer isso. Quero lhe encorajar a fazer o mesmo. É um exercício que pode mudar a sua vida para sempre. Quando você perceber um ar de fechamento ou introspecção na pessoa amada, seja você o primeiro a se abrir! Pode ter certeza de que essa pessoa vai se abrir para você se ela lhe ama de verdade. Agora eu vou dizer uma coisa importantíssima! Se você se abrir para essa pessoa e ela ainda assim continuar do mesmo jeito, como se nada tivesse acontecido, é o momento de você pensar com muita calma se vale a pena realmente continuar com esse relacionamento, pois um ingrediente fundamental em um relacionamento se chama RECIPROCIDADE. Sem isso um relacionamento jamais será pleno. Se só um dos lados se abre o melhor a fazer é seguir a sua vida e deixar que a outra comece a refletir por si só sobre todos os seus atos e comportamentos.

Espero ter deixado clara a mensagem que quis passar. Experimente fazer isso e você verá como a sua vida será muito mais plena e feliz…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A patologia silenciosa chamada normose- Parte 2

Por Isaias Costa

cansado

No post anterior eu expliquei o significado do termo normose, falei um pouco sobre a nossa sociedade, sobre os talentos e sobre como reverter a normose. Hoje eu vou falar sobre as pessoas que combateram e combatem essa patologia.

A patologia silenciosa chamada normose – Parte 1

É claro que não posso deixar de falar no brasileiro que mais combateu a normose enquanto esteve vivo. Um rapaz baiano, magricelo e que pesava 48 quilos certos. Você sabe quem é, não sabe? O meu amigo e irmão Raul Seixas. Esse maluco abalou as estruturas musicais deste país e fez uma revolução no pensamento de muitas pessoas, e eu me incluo com muito orgulho entre os influenciados por suas ideias. Esse músico genial tem muito a nos ensinar sobre o combate à normose.

Uma das suas músicas mais incríveis fala sobre ser uma metamorfose ambulante, não ter uma velha opinião formada sobre tudo, não fazer o que todo mundo faz nem dizer o que todo mundo diz, mas dizer “Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante…”.

O Raul era um louco feliz, extravagante e não tinha muita noção de limites (quase nenhuma para falar a verdade). O Raul vivia na íntegra a famosa frase do cantor Lobão que diz: “É melhor viver dez anos a mil, do que mil anos a dez”. E nessa loucura, esse homem genial só viveu até os 44 anos, falecendo no dia 21 de agosto de 1989.

24 anos sem Raul Seixas

Quero frisar uma coisa importante. Muitas vezes as pessoas mais inteligentes são isoladas e deixadas à margem justamente porque são mal compreendidas. Exemplos não faltam, Isaac Newton, Johannes Kepler, Gauss, Nietzsche, o próprio Raul, e tantos outros. Nós estamos em uma sociedade de normóticos, e ser genial por aqui não é algo assim tão esplendoroso, exatamente por causa disso, os pensamentos dos geniais estão muito acima da grande massa, e infelizmente o que acontece é que alguém que se destaca no meio de uma massa acaba se tornando isolado, ou pode acabar não se desenvolvendo como poderia, também se tornando um normótico, se transformando em uma galinha, que fica o dia inteiro só olhando para baixo, ciscando, dormindo, comendo e botando ovo, como diria o Leonardo Boff, e foi muito bem explicado pelo grande Seiti Arata. Aconselho você a reservar 23 minutos do seu dia de hoje para assistir a esse vídeo que está logo abaixo, e mostra a diferença entre uma águia e uma galinha, entre os normóticos e os que se diferenciam.

Nesse vídeo eu já estou citando dois grandes combatentes da normose na nossa sociedade atual, o Seiti Arata e o Leonardo Boff. Os dois realizam trabalhos incríveis que estão mudando a vida de milhares de pessoas não só no Brasil, mas pelo mundo afora. Se quiser conhecer melhor seus trabalhos, vou deixar o link dos seus sites e blogs.

Arata Academy

Blog Leonardo Boff

Outro combatente ferrenho da normose é o jornalista, cartunista, escritor e palestrante Luciano Pires. Semanalmente ele escreve um artigo e lança um podcast na internet, em seu site, o “Portal Café Brasil”. Esse é um belíssimo site de incentivo a cultura e a “despocotização” do Brasil. Âhh? O quê? O que significa “despocotização”? Essa palavra foi criada pelo próprio Luciano para designar os brasileiros “pocotó”, que compõem a massa de pessoas medíocres. Esse termo “pocotó” vem de uma música que se tornou um sucesso estrondoso quando foi lançada, a música “Eguinha pocotó”, que certamente você já ouviu pelo menos uma vez. Se quiser se juntar a mim para ajudar a “despocotizar” o Brasil, ótimo! Aqui está o link do site.

Portal Café Brasil

Temos muitos outros combatentes da normose na nossa sociedade atual. Pessoas que compõem um grupo seletíssimo de pessoas que fazem diferença nesse mundo. Recentemente citei vários em um texto que falava sobre os 5% das pessoas que não seguem a boiada. Vale a pena conferir…

A qual grupo você pertence?

Para que você continue entendendo mais sobre esse conceito tão presente na nossa sociedade, compartilho um vídeo do Pierre Weil contando sua própria experiência como normótico e o que fez para se livrar desta patologia que estava lhe matando.

Também compartilho dois textos com mais algumas ideias e três programas em áudio que explicam com ainda mais detalhes esse tema.

Texto do site Dharmalog

Reportagem da revista Superinteressante

Vídeo do Pierre Weil




Podcasts do Portal Café Brasil

Podcast – Normose 1

Podcast – Normose 2

Podcast – Normose 3

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A patologia silenciosa chamada normose- Parte 1

Por Isaias Costa

normose

Existe uma patologia bastante comum na nossa sociedade, mas conhecida por um número reduzido de pessoas. Ela se chama NORMOSE. Seu conceito está logo abaixo, feito pelo psicólogo Pierre Weil:

“A normose pode ser considerada como o conjunto de normas, conceitos, valores, estereótipos, hábitos de pensar ou de agir aprovados por um consenso ou pela maioria de pessoas de uma determinada sociedade, que levam a sofrimentos, doenças e mortes. Em outras palavras: que são patogênicas ou letais, executadas sem que os seus autores e atores tenham consciência da natureza patológica.”

Não vou me estender nesse tema, pois não tenho muitos conhecimentos a respeito. Meu principal objetivo é deixar a reflexão do que é a normose e os seus malefícios para si e para a sociedade.

A normose está sendo introjetada na vida de muitas pessoas, que podem até mesmo ter sucesso profissional e financeiro, mas estão profundamente infelizes no seu interior. São pessoas que têm uma enorme dificuldade de olharem para dentro de si mesmas, e se projetam o tempo todo para fora, para aquilo que não é o essencial.

O psicólogo Pierre Weil foi um dos criadores deste termo, que se tornou base de grandes estudos no campo da Psicologia. Quero compartilhar um pequeno trecho de um discurso seu, em que conta a própria experiência de ter comprovado ser um normótico. Confira…

A maneira mais simples de fazê-los entender do que se trata será contando um pouco do que se passou comigo há algumas décadas. Isso nos levará, ao mesmo tempo, aos aspectos pessoais e sociais que levaram à criação do conceito de normose. Lembro-me da crise existencial pela qual passei aos trinta e três anos de idade. Com o conhecimento que tenho hoje, identifico-a como conseqüência de uma normose. Foi, tipicamente, a crise de um normótico que ainda não sabia nada a respeito da normose. Fazia prosa sem o saber, como diz um jargão popular.

Por que afirmo que eu era normótico? Minha crise ocorreu por eu ter procurado ser normal, de ter realizado o que uma sociedade recomendava e recomenda até hoje sobre o que é ser um homem bem-sucedido. A sociedade, por meio dos meus pais, moldara um ser humano bem-sucedido aos trinta e três anos. Um homem de sucesso porque eu tinha tudo: tinha a minha residência, tinha a minha casa de campo, tinha a minha piscina, tinha meu cargo na universidade, tinha o meu cargo junto ao presidente do maior banco da América Latina, tinha o meu consultório, tinha o meu livro best-seller, tinha entrevista na televisão, tinha, tinha, tinha, tinha… E minha normose era, justamente, ter. Havia introjetado toda uma civilização do ter. Eu tinha, tinha tudo e estava muito infeliz, não era um homem realizado. Conformado a este contexto, eu acabei tornando-me normótico.

Por quê? Porque eu segui a norma que me levou à patologia: a patologia moral – era profundamente infeliz; a patologia social – me divorciei porque, quando se está infeliz, culpam-se os outros; e uma patologia orgânica – a separação me levou a fazer um câncer. Então, já temos o conceito da normose: é o conjunto de hábitos considerados normais e que, na realidade, são patogênicos e nos levam à infelicidade e à doença. Embora resumida, é a definição que eu tenho seguido até hoje, muito útil e clara…

*****************

O que acho mais interessante no seu discurso é ele ter dito que tinha, tinha, tinha, tinha… e era profundamente infeliz. O que tem de pessoas que se enquadram nesta realidade é algo impressionante e incalculável. Mais uma vez volto a questão do ESSENCIAL. Precisamos entender que o essencial está nas coisas simples da vida, e não no dinheiro, no poder, na fama. Tudo isso é passageiro!

Qual o caminho para reverter a normose? Eu acredito que o principal é: ACREDITE EM VOCÊ E NOS SEUS POTENCIAIS. Um processo importantíssimo para o desenvolvimento dos talentos é a aceitação. Quando você aceita no mais profundo da sua mente aquilo que tem como talento, ele passa a ser desenvolvido dia após dia de uma forma bastante natural. Roberto Crema foi um dos precursores desse estudo e disse o seguinte: cada um de nós tem talentos diversos, mas “o normótico padece de falta de empenho em fazer florescer seus dons e enterra seus talentos com medo da própria grandeza, fugindo da sua missão individual e intransferível”. “Quando temos necessidade de, a todo custo, ser como os outros, não escutamos nossa própria vocação”. Quer evitar a normose? Desenvolva os seus talentos até o limite do seu limite, e assim, você fará maravilhas para si, para os seus amigos, para a sociedade e para o mundo inteiro. Se quiser ler um pouco mais sobre o tema do desenvolvimento dos talentos, escrevi um texto interessante tempos atrás. Confira…

A aceitação e o desenvolvimento dos talentos

Tudo bem! Eu falei sobre a reversão da normose, mas não falei sobre pessoas que combateram e combatem a normose. Isso é assunto para o próximo post. Aguarde…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

A base fundamental da liberdade

Por Isaias Costa

Todos nós temos um desejo profundo de sermos livres, mas é comum perceber que muitas vezes somos nós mesmos que criamos as nossas prisões, através das escolhas erradas que fizemos. Para refletir sobre isso, compartilho algumas frases do psiquiatra e escritor Augusto Cury:

“A base fundamental da liberdade é a capacidade de escolha, e a capacidade de escolha só é plena quando temos a liberdade de escolher o que amamos. Todavia, estamos vivendo numa sociedade em que não conseguimos sequer amar a nós mesmos. Estamos nos tornando mais um número de cartão de crédito, mais um consumidor em potencial.”

maos-dadas

Nestas poucas frases ele está tratando de diversos pontos e citarei apenas alguns. Primeiro a capacidade das escolhas. As melhores escolhas só podem ser feitas se tiverem como base o AMOR. Sem essa palavra mágica corremos um risco muito grande de não fazermos as melhores escolhas ou até a nos tornarmos infelizes pelo resto da vida. E como eu já disse algumas vezes neste blog, uma das escolhas mais delicadas está no campo dos relacionamentos amorosos, pois uma escolha errada nesta dimensão da vida pode nos levar como em um efeito dominó a comprometermos praticamente todas as dimensões da nossa vida como família, trabalho, lazer, amizades e até a saúde do corpo. Falei sobre isso com mais detalhes nos textos abaixo. Confira…

As escolhas da vida- Parte 1
As escolhas da vida- Parte 2
As escolhas da vida- Parte 3

O mestre dos mestres Jesus Cristo foi o homem mais sábio que já habitou esse planeta e, pelo menos para mim, o seu maior ensinamento está baseado no amor: “Amai a Deus em primeiro lugar e ao próximo como a ti mesmo…”. Esta simples frase carrega um dos maiores desafios que pode existir, principalmente no mundo atual, o AMOR A SI MESMO. As pessoas estão perdendo o amor a si mesmas, e por perder esse amor, não conseguem amar ao próximo, e por não conseguirem amar ao próximo, não conseguem fazer as escolhas mais acertadas que tem como base o amor? Você percebe como tudo está interligado? E o que liga tudo? O AMOR. Amar-se para amar! Essa é a grande questão! É com muita alegria que compartilho com você uma das pregações do padre Fábio de Melo que mais mexeu comigo, que mais me fez refletir e que mais me trouxe ensinamentos que pus em prática na vida. Eu lembro que assisti a essa pregação em um tempo que estava cheio de dúvidas, com raiva de algumas pessoas, me sentindo triste por não conseguir ser mais do que gostaria de ser, na época em que estava vivendo a maior crise existencial de toda minha vida, a conclusão do curso de Física. E ela veio me mostrar o poder das escolhas feitas no amor, que me ajudaram a romper padrões antigos, medos encrostados e prisões que eu mesmo tinha criado. São 50 minutos libertadores e que digo com toda sinceridade que valem a pena serem gastos. Foi assim comigo, quem sabe pode ser com você, não é?

Também é necessário refletir acerca do consumismo. Ele tem nos superficializado e está nos fazendo deixar de apreciar as pequenas coisas da vida, aquelas que dinheiro nenhum no mundo conseguem pagar, como uma amizade verdadeira, um amor de pai e de mãe, a contemplação das belezas da natureza como o canto dos pássaros, um belo por-do-sol, o nascer da lua cheia na volta de um dia intenso de trabalho, momentos com os amigos apenas para “jogar conversa fora”, um almoço em família, uma viagem de final de semana com a pessoa amada, um banho de mar num final de tarde, um banho de chuva no fundo do quintal ou andar abraçado com a pessoa amada dividindo o guarda chuva, uma piada naqueles momentos de descontração, rir dos amigos, rir de si mesmo, um consolo para aquele amigo que acabou de perder um ente querido etc. Nós insistimos em dizer que não temos tempo, e nesta conversa de dizer que não temos tempo a vida escorre por entre nossos dedos e deixamos de amar, pois o amor não se nutre com a pressa, o amor se nutre com carinho e com tempo de qualidade, entende? Você lembra a última vez que esteve com alguém sem ficar olhando para o relógio o tempo todo? Ouvindo atentamente e o que ela tinha para lhe dizer? É disso que estou falando! Tempo de qualidade oferecidos aos nossos amigos. Fuja desse consumismo doentio que tem feito o coração dos seres humanos se transformar em pedras brutas. Transforme esse consumismo em amor!

1013650_389683537818813_383993850_n

Quero concluir com uma belíssima frase que li recentemente, do palestrante motivacional Carlos Hilsdorf: “Quando damos um minuto de nosso tempo em atenção a alguém, estamos dando um minuto de nossas vidas a estas pessoas. Valorize o tempo. Dedique tempo de qualidade às pessoas que você ama”. Pense sobre isso…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

As lições dos gansos selvagens

Por Isaias Costa

gansos1

Outro dia li um pequeno texto que me fez refletir bastante, primeiro pela novidade contida nele, que acredito ser do conhecimento de pouquíssimas pessoas, segundo pela perfeição que existe na natureza, onde os animais vivem em uma harmonia muito maior do que a nossa. O texto é de autoria do prof. Felipe Aquino, do seu livro “Sabedoria em Parábolas”.

AS LIÇÕES DOS GANSOS SELVAGENS

Os gansos selvagens viajam muitos quilômetros durante o ano, conforme a necessidade de suas vidas. Os estudiosos descobriram porque eles voam em formação “V”; isso tem vários motivos. À medida que cada um bate suas asas, cria uma sustentação para o ganso de trás. Assim, voando em formação “V”, o grupo inteiro consegue voar pelo menos 71% a mais do que se cada ganso voasse isoladamente. Eles gastam menos energia, pois diminui a resistência do ar no corpo do que vem atrás.

Sempre que um ganso sai da formação, ele logo sente a resistência do ar e retorna depressa à formação “V”. Quando o ganso líder se cansa, ele reveza com o seguinte, indo para a traseira do “V”. Os gansos de trás grasnam para encorajar os da frente a manterem o ritmo e a velocidade. Quando um ganso adoece ou se fere e deixa o grupo, dois outros gansos saem da formação e o seguem, para o ajudar e proteger, até a solução do problema, e então reiniciam a jornada somente os três ou juntando-se à outra formação, até encontrar o seu grupo original.

Quantas lições Deus nos dá por meio da natureza desses gansos!

1 – A solidariedade nas dificuldades faz com que tudo fique mais fácil e a solução mais rápida.

2 – Estar ao lado dos colegas nas horas difíceis.

3 – Compartilhar uma direção comum e cultivar o senso de equipe para chegar à meta mais depressa e facilmente, apoiando-se na confiança mútua.

4 – Descobrir a força, poder e segurança que existe em um grupo, com quem realizamos uma obra. A necessidade de estar junto com aqueles que trabalham conosco, dando e aceitando ajuda, sem orgulho, prepotência e arrogância.

5 – Descobrir a importância do revezamento na liderança, de modo sincero e desinteressado, quando se faz um trabalho difícil. Nós também, como os gansos, dependemos uns dos outros. Todos precisamos ser animados com apoio e encorajamento, e fazer com que o nosso comentário seja encorajador para a equipe, a fim de melhorar o desempenho do grupo. Isso tudo e muito mais!

Eu fico impressionado com a perfeição da natureza e sua beleza encantadora. Lembro que assistia os desenhos com os gansos em V durante a infância e não sabia por que eles voavam daquela forma. Eu me perguntava e perguntava a algumas pessoas, mas ninguém sabia me responder. Esse pequeno texto traz a resposta de forma magnífica e reflexiva.

O que achei mais incrível neste texto é a PARCERIA harmoniosa que existe entre os gansos. Nenhum deles se acha superior, aquele que está na frente tem a mesma importância do que está atrás. Isso acontece com frequência entre os seres humanos? Tudo para nós tem bases hierárquicas. Sempre alguém tem mais privilégios e outros menos. Sempre há aqueles que são reverenciados e aqueles que ficam no anonimato. Sabe de uma coisa? Eu amo as pessoas que estão no anonimato. Em todos os lugares que vou, sempre procuro conhecer os que trabalham em serviços mais humildes pelo nome. Chego desejando bom dia pelo nome. Meu amigo! Você não tem ideia do poder deste simples gesto! Eu não tenho palavras suficientes para descrever o que acontece na mente e no coração destes que estou me referindo. Quer fazer o teste? Pergunte o nome da moça da limpeza no seu trabalho, ou do rapaz que fica no almoxarifado, ou daquele vigia que passa a noite inteira acordado lá no fundão do estabelecimento. Cumprimente-os com carinho e atenção, olhando no fundo dos seus olhos, e você sentirá uma alegria indescritível, muito maior do que qualquer palavra poderia descrever.

E a força da amizade, que alivia os fardos da nossa vida. Quando estamos sozinhos muitas vezes nos sentimos desamparados, mas quando um amigo verdadeiro se aproxima de nós dando carinho, atenção, palavras de conforto, tudo muda e passamos a enxergar nossos problemas de forma bem mais leve e criamos muito mais coragem para solucioná-los. Os amigos servem para nos apoiar e nos fazer acreditar sempre que somos capazes, que vamos vencer e que, não importa o que aconteça, eles estarão do nosso lado para o que der e vier.

Que a beleza e perfeição da natureza lhe ajudem a refletir sobre a sua vida, suas escolhas, suas amizades, seu poder de liderança etc…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized