Um motivo para seguir adiante

Por Isaias Costa

IMG_3388

Uma realidade que acontece na vida de muitas famílias é a perda de um ente querido de forma repentina: um pai, uma mãe, um filho, um tio, um sobrinho etc. Como lidar com a dor da perda de alguém especial e fundamental em nossas vidas? Essa é uma pergunta muito difícil e digo, com muita sinceridade, que não sei expressar com exatidão como deve ser a dor de quem passa por esse tipo de experiência. Sei que é uma dor inimaginável e que leva muito tempo para ser curada.

Estava refletindo sobre isso ao ouvir as palavras do padre Fábio de Melo. Entre os milhares de caminhos que se pode seguir para superar a dor da perda e administrar o luto de forma serena e sábia temos os trabalhos voluntários. Vou explicar melhor.

Grande parte das pessoas que morrem de forma repentina são vítimas da violência urbana, ou acidentes de trânsito, ou por alguma doença que se alastrou de forma muito agressiva. Quando esse tipo de situação ocorre, fazer algum tipo de trabalho voluntário, de preferência com algo que esteja diretamente relacionado com a causa da morte do ente querido, faz com que se desenvolva dentro de nós uma sensação de bem-estar causada pelo processo da empatia, que é você ver a vida e a realidade sob a perspectiva das outras pessoas. Por exemplo, você é mãe e seu filho morre por causa de um assalto a mão armada, uma ótima forma de superar essa dor é se juntar com outras mães que viveram dores semelhantes e compartilharem experiências, se ajudarem mutuamente e lançarem projetos de combate à violência. Já foram feitos estudos que mostram o poder que a empatia tem sobre as pessoas. O exercício da empatia pode curar dores profundas instaladas no coração e na mente. Quero deixar um trecho de um vídeo que mostra um caso semelhante ao que exemplifiquei aqui. Foi uma mãe que perdeu seu filho em um assalto a mão armada, e que encontrou seu consolo ajudando os familiares do assassino do seu filho com dinheiro e cestas básicas. Veja só algumas das suas palavras:

“Eu fiquei com dó. Uma criança de três meses, outra de 4 anos, outra de 5 anos, que não tinham culpa da violência que o pai praticou.

E também achei que, alimentando aquelas crianças, eu estaria ajudando a tirar algum futuro marginal da rua.”

Daisy Guerra

Eu fiquei absolutamente encantado com essas palavras. Quem de nós teria coragem e disposição para um ato tão nobre quanto esse? Eu acredito que quase ninguém. O nome disso é empatia. Ela sentiu a dor da outra família e, com isso, aliviou a sua. Além disso, ainda há a prática do perdão para com o assassino. Perdoar é fundamental para se conquistar uma felicidade mais plena e duradoura. O link com o vídeo está logo abaixo e o depoimento da Daisy Guerra começa no tempo (9:10 min). Vale muito a pena conferir…

*Obs: Esse vídeo, infelizmente foi removido, devido aos direitos autorais da Rede Globo.

O padre Fábio de Melo fala sobre isso de forma brilhante em vídeo. Ele associa a dor das perdas com as cicatrizes. Existem as pequenas, que são criadas pelos cortes superficiais, e as grandes, que são como os grandes procedimentos cirúrgicos, e deixam cicatrizes para sempre. Ele compara essas cicatrizes com a força espiritual que muitas pessoas precisam desenvolver para ter um motivo nobre de seguir adiante na vida. O vídeo está logo a seguir.

Enfim! Essa é a mensagem que quero transmitir e deixar como reflexão. Nós somos seres humanos, somos frágeis e carentes de amor e afeto. Muitas vezes não estamos preparados para a dor da perda, mas esta dor pode nos fazer enxergar luzes onde só havia trevas… Espero que tenha lhe levado a pensar sobre essa possibilidade de encontrar um motivo para seguir adiante através da prática da empatia

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s