Arquivo do mês: outubro 2014

Em um relacionamento sério com o celular

Por Isaias Costa

imagem.php

No programa do Fantástico apresentado no dia 05/10/2014, houve uma matéria que me deixou muito pensativo. Ela falava sobre o tempo que os jovens estão ficando nas redes sociais e o quanto isso os tem prejudicado. O link da matéria é o que segue:

Jovens ficam 6 horas por dia nas redes sociais

Os malefícios do avanço tecnológico são notórios, as pessoas estão ficando cada vez mais ansiosas, estressadas e isoladas. Há uma indústria poderosíssima por trás de todos esses avanços que quer unicamente uma coisa, que todos nós, absolutamente TODOS NÓS, nos transformemos em ANDRÓIDES. Máquinas em pele humana.

Pense comigo? O dia tem 24h. Passamos em média 8h dormindo, 8h trabalhando, entre 1 ou 2h (sendo extremamente otimista) para ir e vir do trabalho, mais 2h com refeições e atividades pessoais como tomar banho, escovar os dentes etc. Só aí já foram 20h, sobram 4h.

Para onde vão essas 4h? Adivinhou! Para a internet. Mas a reportagem diz que os jovens estão passando em média 6h. Onde a conta não está fechando?

Muito simples! Eles estão almoçando e jantando ao celular, escovando os dentes ao celular, e pasme, TRABALHANDO ao celular.

Você já notou o quanto nos dias de hoje as empresas e instituições estão cada vez mais carentes de profissionais de extrema qualidade? Está ficando difícil aparecer um jovem com um leque de conhecimentos e habilidades que o tornem indispensável. Isso é lamentável. Eu conheço pessoas que estão tão dependentes do celular e redes sociais que não conseguem nem se comunicar de forma eficiente. Acredito que você também, não é mesmo?

A sociedade do filme “Idiocracia” está se imprementando sutilmente e poucos estão se dando conta. Nesta sociedade o vocabulário das pessoas se resume a um número tão pequeno de palavras que beira ao absurdo. Nessa sociedade, um texto como esse que você está lendo agora é “coisa de boiola”. Se você ainda não assistiu, recomendo! Reflita sobre esse filme! Precisamos nos desenvolver intelectualmente e do jeito que o bonde está andando a tendência não é nada animadora.

As redes sociais estão deixando os jovens mais ansiosos e elétricos. Isso tem interferido diretamente no sono. Em vez de dormirem 8h por dia, que é o recomendável, muitos estão dormindo 6, 5h ou até menos. Aquele barulhinho de “assobio” do Whatsapp não deixa ninguém dormir direito, é perturbador.

Com o sono prejudicado, a primeira coisa que acontece é um cansaço excessivo, uma fadiga muscular e redução da imunidade. Consequentemente o corpo fica doente com muito mais facilidade. Daí, os jovens se entopem de remédios, faltam ao trabalho, pegam atestado e ficam em casa por duas semanas no facebook e whatsapp.

Quem ama essa realidade são as indústrias farmacêuticas, que ganham bilhões com a ignorância e falta de reflexão das pessoas. Já falei várias vezes nos meus textos que o melhor remédio que existe é a paz de espírito, que não se adquire com redes sociais, mas com uma profunda busca pelo autoconhecimento. Quanto mais estamos em paz conosco, com o mundo, com a natureza, mais o nosso corpo responde em saúde, trabalhando corretamente e mantendo o nosso metabolismo alto. Não vou me estender nesse ponto porque ele é muito extenso, há muito a se falar sobre ele.

As redes sociais estão interferindo diretamente nos relacionamentos. Você percebe a profundidade dos relacionamentos de amizade e amorosos? Estão extremamante superficiais e voláteis.

As pessoas estão ficando tão isoladas nos seus mundos que até mesmo a decisão difícil e dolorosa de terminar um relacionamento amoroso estão sendo feitas pelo Whatsapp ou Facebook. Você tem noção de onde isso foi parar? Os jovens mandam uma mensagem: “Ñ dá +! Estou terminando! Ñ quero + te vê”. Escrevi assim de propósito! Porque nem escrever eles têm mais coragem, escrevem errado e com a gramática totalmente absurda.

Na reportagem, uma garota diz: “Estou em um relacionamento sério com meu celular”. É tanta carência afetiva que esse jovens têm que transformam o celular em um namorado(a). Quero aproveitar para sugerir um filme excelente que mostra essa realidade, que a meu ver é no mínimo “estranha”. O filme “Ela”, que conta a história de um homem que se separou da esposa e, em sua solidão, comprou um dispositivo de celular que simula uma pessoa real, e ele se apaixona pelo celular! Isso é surreal, você não acha? Mas não é, a realidade está mostrando isso para nós.

Filme "Ela"

Filme “Ela”

Talvez você me pergunte: “O que fazer?”. Precisamos buscar o equilíbrio. Não dá pra viver longe da tecnlogia, e logicamente me incluo na lista. Você só está lendo esse texto porque eu tenho acesso à internet e preciso dela para isso. O que precisamos é dividir nosso tempo de uma forma mais racional, é preciso sim ser um pouco metódico. Eu não conheço uma única pessoa de sucesso que não seja um pouco metódica. Devemos ter um tempo para cada atividade do dia, e definitivamente, ficar 6h em redes sociais só indica uma coisa, doença. Isso é um verdadeiro absurdo! Desculpe se fui um pouco ríspido, mas é isso mesmo! Escrevi esse texto para lhe fazer acordar para a realidade!

Em vez de ter um relacionamento sério com o celular, vamos crescer em amor e consciência! Desta forma teremos um relacionamento sério com a vida, e é assim que tem que ser…

* Sugestão de leitura

Whatsapp e o emburrecimento das pessoas

  • Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Esse deserto freezer

Por Isaias Costa

218274_Papel-de-Parede-Montanhas--218274_1024x768

Uma das músicas menos conhecidas da banda Engenheiros do Hawaii traz uma reflexão bem interessante sobre a busca pelo EQUILÍBRIO, ela se chama “deserto freezer”, cujo link está logo abaixo.

Sua letra começa assim:

Se é o medo que te move
não se mexa : fique onde está!
Se é o ódio que te inspira
não respire o ar viciado deste lugar!

Esta é a principal mensagem desta música. Todas as ações que tem o medo como propulsor, de uma forma ou de outra, terão um desfecho ruim, que fará mal a si mesmo e, possivelmente, a outras pessoas.

Da mesma forma que as ações pelo ódio, que sempre carregam energias negativas e levam a mais ódio.

Para os dois tipos de ação ele diz qual é o antídoto, se aquietar, parar, silenciar. Sempre que nos aquietamos, damos tempo a nós mesmos de deixar as tensões de dissolverem, a agressividade exagerada abaixar, as palavras impensadas serem caladas etc.

Tudo isso gera benefício para si mesmo e para os outros.

Na outra estrofe ele fala sobre os EXTREMOS da nossa sociedade, que busca exageros de felicidade, e quem não consegue essa felicidade, acaba exagerando na tristeza, na solidão. Infelizmente, a maior parte das pessoas tem dificuldade de dosar as emoções, atingindo o equilíbrio.

Nesse deserto freezer
carnaval e solidão andam lado a lado
em perfeito estado de conservação
É um navio fantasma, um cemitério de automóveis
É um deserto freezer, 0 kelvin, perfeição

E no refrão ele fala sobre o medo que as pessoas têm e que nasce do medo da escuridão.

Essa passagem é genial, pois mostra que todos nós temos luzes e sombras em nossa interioridade, e quanto mais medo temos das nossas sombras, mais elas se tornam terríveis e densas.

O tempo todo precisamos trabalhar nossas emoções para que as sombras não obscureçam a luz interior. O autoconhecimento é fundamental nesse processo, e nesta música bem curta, o Gessinger nos faz refletir sobre tudo isso.

Nossa sociedade está vivendo nesse deserto freezer, buscando extremos em tudo, e esquecendo que o equilíbrio não é tão dificil de ser alcançado, basta se aquietar, basta silenciar, basta respirar fundo e encontrar as respostas no lugar onde elas realmente estão, no coração pacificado. Um coração pacificado encontra todas as respostas, mesmo que algumas situações sejam dolorosas, mas encontra.

Reflita sobre a letra dessa música, e viva em paz, essa paz que lhe proporcionará um clima temperado, com estações regulares e alegria de viver todos os momentos…

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized