O pescador de palavras

Por Isaias Costa

Quero compartilhar com os leitores um curtametragem que achei muito bonito e bem produzido. Ele se chama “A língua das coisas”, e foi inspirado em um dos livros do mestre Manoel de Barros, esse poeta incrível que nos deixou esse ano. Abaixo está o link e em seguida uma breve reflexão a partir dele.

O que mais me encantou nesse vídeo foi a sabedoria do avô do menino Lucas. Um pescador com pouquíssimo conhecimento, mas um coração repleto de amor e poesia.

Ele se dizia um “pescador de palavras” e as dava para seu querido neto com muito amor. Em suas vidas simples não lhes faltava nada e o Lucas ia crescendo em sabedoria juntamente com seu avô.

Até que a filha do senhor o leva para a cidade, para estudar formalmente na escola, onde tem muita dificuldade.

Quando a professora lhe pede para escrever, ele escreve pela linguagem das coisas. Por desenhos, sua mente inventava grandes estórias que cabiam numa pequena folha de papel. Somente uma alma sábia para compreender tamanha beleza em rabiscos infantis cheios de significado.

Nos falta abrir nosso coração para enxergar a eloquência presente na arte infantil. As escolas têm transformado verdadeiros artistas em máquinas voltadas para o mercado de trabalho.

Um curtametragem como esse pode resgatar esse encanto e nos fazer refletir que isso precisa ser mudado e logo, se não quisermos ter uma juventude cada vez com menos sentido para a vida e sem entusiasmo.

Outro ponto que achei muito bonito é a ligação que havia entre o Lucas e seu avô. Eles eram profundamente conectados, tanto que se comunicavam através do mar, das aves no céu, da beleza das plantas… E quando ele faleceu, o menino sentiu na hora.

O nome disso é INTUIÇÃO. Ela liga almas que se amam através do coração, e esse sentimento que o Lucas teve, todos nós podemos ter. Não sentimos porque nos intoxicamos pelos nossos pensamentos. Deixamos que o intelecto domine todos os aspectos da nossa vida. Dessa forma não existe poesia, pois poesia se liga ao coração, não ao intelecto.

É por isso que nossos poetas normalmente não são admirados e os livros de poesia são os menos vendidos, pois vivemos em uma sociedade do consumo, do trabalho escravizantes, do intelecto e da tecnologia.

Sonho em viver numa sociedade que resgate nossa essência. Um dia ela já foi parecida com a do menino Lucas e seu avô, mas no meio do caminho, se deixou seduzir pelas luzes ofuscantes do consumismo e do intelecto.

Que essa breve reflexão faça você se voltar um pouquinho mais para o seu coração. Jogue mais luz sobre ele, e essa luz vem através do que é simples: a luz da lua, de um curtametragem como esse, um abraço e beijo de quem se ame, uma senhora simples que passa por você desejando bom dia com um enorme sorriso no rosto, uma árvore florida com sua bela sombra para se abrigar etc. etc.

Ilumine o seu coração com a beleza da simplicidade. Assim você se tornará também um pescador de palavras…

womanfishingheart

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “O pescador de palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s