A liberdade começa quando paramos de tentar impressionar os outros

Por Thiago Brandão

não-se-importe

Já falei inúmeras vezes no blog que a LIBERDADE é o valor que mais busco para a minha vida. Pelo menos para mim, nada supera a liberdade, porque com ela nós vivemos a partir da nossa verdade. Lembra as palavras de Jesus? “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. As duas andam de mãos dadas…

Para refletirmos sobre a liberdade interior, que só existe desvinculada do EGO, compartilho um belíssimo texto do meu amigo Thiago Brandão. Leia com bastante atenção…

Expectativa, um dos maiores desejos egoístas, mas um passo para a liberdade – Por Thiago Brandão

A liberdade começa quando paramos de tentar impressionar os outros.

Hoje li esta frase e comecei a refletir para ver o que mais poderia revelar.

Bom, o primeiro ponto a ser analisado é saber o porquê desejamos impressionar os outros. Vejo que isso parte de um desejo um pouco mais profundo, o desejo que temos de sermos reconhecidos, que nos olhem, que nos admirem, nos deem os parabéns e nos digam como somos especiais.

Desse desejo de reconhecimento, surgem todos os diversos tipos de desejos secundários, desejo de posse, desejo de poder, desejo de apego, desejo de controle. Esse desejo nos controla, uma vez que organizamos toda nossa vida e definimos nossa realidade baseados nesses desejos.

Muitas vezes não enxergamos a quem queremos impressionar, mas na maioria, essa pessoa ou imagem está oculta dentro de nós, vinda de experiências antigas e cobranças que criamos.

Procuramos nos identificar com grupos e pensamentos para nos sentimos partes de algo. Mas são sempre fragmentos.

As pessoas ficam presas, por aquilo que nos é vendido como a realização do prazer, mas na maioria é apenas para se identificar e se posicionar, ser reconhecido; e assim, usam marcas, comem em lugares caros para tirar fotos e postar nas redes, postam milhares de coisas pensando apenas em quantos likes vai receber.

Com as redes sociais, pensa-se muito mais em como projetar essa imagem, para ter reconhecimento.

Projetamos nossa imagem como gostaríamos de ser vistos, e assim nos fixamos cada vez mais fundo no ego.

Não estou falando com isso, que não devemos compartilhar nossas experiências e coisas que realmente gostamos, coisas que nos fizeram refletir, coisas que nos ensinam ou nos fazem rir, mas aquele momento foi, e o problema maior é a volta, o retorno repetitivo com ansiedade e expectativa pelo resultado da ação.

Como dizia Lao Tsé: O sábio quando termina a obra deixa a obra, não se apega a obra. Não busca ser reconhecido na obra.

Quando criamos expectativas, ficamos presos no pensamento e no tempo.

Os níveis em que isso ocorre são de todas as espécies, isto aprisiona o individuo em todos os momentos e orienta a ação que realiza, pois passamos a não fazer o que mais gostaria para ser realmente feliz, mas sim o que acredita que suprirá a percepção de reconhecimento.

Esse sistema de busca de reconhecimento também aprisiona por outro lado, pois se nossa expectativa não é suprida, sofremos, e se somos criticados, sofremos.

Muitas vezes a critica não é nem pensada, mas a pessoa tem tanta expectativa, que se identifica emocionalmente em um pensamento degenerativo.

Parte do condicionamento humano é não aceitar críticas de nenhuma espécie, pois na realidade, ele quer ser reconhecido, assim nunca analisa se ela é realmente construtiva ou não, pois costuma ser dolorosa e gera, então, fuga e sofrimento, uma vez que de certa forma, quebram esta fantasia que projetamos.

A expectativa gera cobrança e insatisfação, colocamos no outro a sorte do nosso resultado emocional, depositemos então somente em nós mesmos essa responsabilidade.

Essa carência parte da desconexão com a fonte, e do reconhecimento do amor verdadeiro.

Vem da falta de auto-entendimento e reconhecimento. Suprimos verdadeiramente, se geramos a energia dentro de nós. A busca por satisfação está projetada no lugar errado, pois o reconhecimento somente pode ser feito pela própria pessoa, quando ela sabe que fez o seu melhor.

A opinião de fora não importa, pois se espera de fora e não é reconhecido, minará suas forças para continuar dando seu melhor.

Se a busca for em seu coração e lá encontrasses o amor e o cultivasses de si para si ,não terá mais necessidade de impressionar ninguém, pois está completo. Neste momento, o sentimento de doação passa a não ser mais para impressionar ou ter algum reconhecimento, mas sim uma expansão do que já fazes em seu interior.

Não procurará mais em demonstrações externas para que se sinta uma pessoa querida ou admirada, em falsa e rápida sensação de realização, mas terá sempre em seu interior a potência que precisa para realmente viver e realizar seus sonhos. Vá ao seu interior com sabedoria, que ele sempre revela o que pode ser feito para sermos realmente felizes.

Quando nós mesmos reconhecemos nosso potencial de vida, de realização, de criação, a necessidade de reconhecimento de fora cessa e somos livres para fazer o que nossa consciência percebe, como o EU é realmente melhor para nós.

Espero que consigam

Muita luz a todos.

LinkExpectativa, um dos maiores desejos egoístas

* Sugestões de leituras

Como aprender a lidar com as críticas?

Seja o melhor naquilo que faz

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s