O relacionamento só é possível entre duas pessoas realizadas

Por Isaias Costa

bird-heder

Tenho aprendido imensamente com as palavras e a sabedoria do místico oriental Osho. Ele falava com uma simplicidade que tocava o mais profundo dos seus seguidores. Compartilho a seguir algumas sábias palavras nas quais ele fala sobre a importância dos RELACIONAMENTOS.

*****************

O relacionamento só é possível entre duas pessoas realizadas. O relacionamento é uma das melhores coisas da vida: significa amor, significa partilhar. Mas antes de poder partilhar é preciso ter. E antes de você poder amar, precisa de estar cheio de amor, a transbordar de amor.

Duas sementes não podem relacionar-se, elas estão fechadas. Duas flores podem relacionar-se: estão abertas, podem transmitir as suas fragrâncias para a outra, podem dançar sob o mesmo sol e com o mesmo vento, podem ter um diálogo, podem sussurrar. Mas isso não é possível com duas sementes. As sementes estão completamente fechadas, sem nenhuma janela – como é que poderiam relacionar-se?

E é esta a situação. As pessoas nascem com a forma de semente; podem tornar-se flores ou não. Tudo depende de si, do que faz consigo; tudo depende de você crescer ou não. A escolha é sua – e a cada momento é preciso enfrentar essa escolha; a cada momento você está numa encruzilhada.

Milhões de pessoas decidem não crescer. Continuam a ser sementes; continuam a ser possibilidades, nunca se tornam realidades. Elas não sabem o que é realizarem-se pelos seus próprios meios, não conhecem todo o seu potencial, não sabem nada acerca do ser. Vivem completamente vazias, morrem completamente vazias. Como podem relacionar-se?

Isso seria exporem-se – a sua nudez, a sua fealdade, o seu vazio. Parece mais seguro manterem-se afastadas. Até mesmo os amantes mantêm a distância; só vão até certo ponto e mantêm-se alerta para saberem quando devem voltar atrás. Têm fronteiras; nunca atravessam as fronteiras, permanecem confinados nas suas fronteiras. Sim, há uma espécie de relação, mas que envolve a posse em vez dum relacionamento.

Dois amantes suportam algo invisível e algo imensamente valioso: uma certa poesia do ser, uma certa música ouvida nos recantos mais profundos da sua existência. Suportam a mesma harmonia, mas continuam independentes. Podem expor-se ao outro, porque não há medo. Eles sabem que “são”. Eles conhecem a sua beleza interior, conhecem o seu perfume interior; não há medo.

Mas normalmente o medo existe, porque você não tem qualquer perfume. Se se expuser, irá simplesmente cheirar mal. Emanará um cheiro de inveja, ódio, raiva, luxúria. Não terá o perfume do amor, da oração, da compaixão.

Milhões de pessoas decidiram continuar a ser sementes. Porquê? Quando podem tornar-se flores e dançar ao vento e ao sol e ao luar, por que é que decidiram continuar a ser sementes? Há uma razão para a sua decisão: a semente é mais segura do que a flor. A flor é frágil. A semente não é frágil, a semente parece forte. A flor pode ser destruída facilmente pelo vento forte. A semente não pode ser tão facilmente destruída pelo vento, a semente está muito protegida, muito segura. A flor está exposta – é uma coisa delicada e está exposta a perigos constantes. Mas a semente é segura: é por isso que milhões de pessoas decidiram continuar sementes. Mas continuar a ser uma semente é continuar morto, continuar a ser uma semente é não viver. É seguro, certamente que é, mas não tem vida. A morte é segurança, a vida é insegurança. Uma pessoa que queira realmente viver tem de correr perigo, constantemente. Uma pessoa que queira alcançar o cume tem de correr o risco de se perder. Uma pessoa que queira subir aos picos mais altos tem de correr o risco de cair de algum lugar, de escorregar.

Quanto maior for o desejo de crescer, mais o perigo tem de ser aceite. O homem real aceita o perigo como sendo o seu estilo de vida e o seu próprio clima de crescimento. Primeiro sejam. Depois, tudo o resto é possível.

Ser é um requisito básico. Se você for, a coragem surge como consequência disso. Se você for, surgirá um grande desejo de aventura, um grande desejo de explorar – e quando você estiver pronto para explorar, conseguirá relacionar-se. Relacionar-se é explorar – explorar a consciência do outro, explorar o território do outro. Mas quando você explora o território do outro, tem de deixar e aceitar que o outro o explora a si; não pode ser um caminho unidireccional. E você só poderá permitir que o outro o explore quando tiver alguma coisa, algum tesouro, dentro de si. Então não haverá medo. De facto, você convida a pessoa, você recebe a pessoa, convida-a a entrar, você quer que ela entre. Você quer que ela descubra o que você descobriu dentro de si mesmo, você quer partilhar isso.

Primeiro seja, depois poderá relacionar-se – e lembre-se: o relacionamento é bonito. Mas primeiro seja. Uma pessoa feliz, cujas energias começam a transbordar, que se torna uma flor, tem de se relacionar. Não é uma coisa que tenha de aprender a fazer, é uma coisa que começa a acontecer. Mas descubra primeiro o seu centro. Antes de poder relacionar-se com qualquer pessoa, relacione-se consigo mesmo. É esse o requisito básico que tem de ser preenchido. Sem ele, nada é possível. Com ele, nada é impossível.”

Osho

****************

Procure internalizar essa mensagem tão linda que ele passa nessas palavras, porque elas são muito verdadeiras.

O autoconhecimento nos leva a conhecer os nossos tesouros internos e a não nos envergonharmos de sermos do jeito que somos. É desse sentimento que surge a genuína AUTOCONFIANÇA. Veja só! Confiança vem de “fio”, e autoconfiança é um “fio invisível que liga você a você mesmo”. 

Conhecer nossos tesouros internos, deixar que a nossa luz surja é o passo maior para aprender a se relacionar com alguém, pois dessa maneira você não irá ao encontro do outro como um mendigo, como um pedinte, como uma pessoa carente de atenção, carente de energia! Você já estará bem abastecido e já estará na melhor das companhias, você mesmo!

Com essa postura o relacionamento se torna frutuoso e belo, porque duas pessoas realizadas e felizes estão COMPARTILHANDO suas essências, estão transmitindo suas fragrâncias e seus perfumes uma para a outra. Não existe um doador e um sugador! NÃO. Trata-se de um compartilhamento.

Até hoje, a maior parte das pessoas sofre imensamente nos relacionamentos por causa do MEDO e das suas RESISTÊNCIAS. O medo de deixar a fragilidade dessa flor se envolver é que faz com que recuem e não se aprofundem nesse relacionamento.

Isso é triste, porque se relacionar é um risco, a vida como um todo é um risco, não existem garantias. Aliás! Os casamentos em cartório só existem por causa disso, como se fosse uma “garantia”, de que a pessoa será fiel à outra e de que ela vai continuar com você, ou não vai lhe “passar a perna em nada”

Essa mentalidade está entranhada em nós e no inconsciente coletivo.e acredito que levarão séculos para que nos libertemos completamente dessa concepção.

Aproveito para compartilhar a visão que aprendi com o escritor e palestrante Gustavo Gitti. Ele disse numa palestra isso aqui e concordo plenamente: “Um casamento é isso! É você saber que o outro é livre, mas ele OPTOU por estar com você e voltar para a mesma casa todos os dias. Ele ou ela poderia não voltar, mas volta, porque gosta da presença da outra pessoa. Então nessa hora você agradece. 

– Nossa! Essa pessoa poderia estar onde quiser, mas voltou pra cá. Está comigo! Que maravilha.”

Garanto a você que se você fizer do seu relacionamento esse movimento de GRATIDÃO constante em se alegrar de estar com o outro e deixando essa pessoa completamente livre, é aí que você fará com que ela volte para você indefinidamente, porque você dá espaço para que ela floresça e que o amor floresça por si só, entende?

Enfim! Essas são apenas algumas poucas ideias para que você reflita com carinho.

Para aprofundar esse tema fascinante, compartilho o vídeo do Gustavo Gitti no qual ele fala sobre o amor genuíno, que supera imensamente o amor romântico. Vale a pena reservar uns minutinhos para assisti-lo!

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

 

 

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “O relacionamento só é possível entre duas pessoas realizadas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s