O que fazer com um acusador?

Por Simone Oliveira

“Se algum de vocês estiver sem pecado, seja o primeiro a atirar pedra nela”.

Inclinou-se novamente e continuou escrevendo no chão. João 8:7.   

A reação de cada um é diferente quando se depara com algo que está fazendo de errado. Muitos se culpam e se autoflagelam a fim de se livrarem do opróbrio da dor, ou então assumem penitências como se as merecessem por terem falhado com elas mesmas ou com alguém muito próximo a quem não deveriam ter decepcionado.

chuva de pedra

Nada disso é saudável. Considerando que o arrependimento é uma defesa da mente, uma amostra real do fato de que somos racionais e, portanto, constantemente inundados pela razão apontada pela consciência, em detrimento das ações por impulso ou então sabendo que eram erradas, as praticamos mesmo assim, sentir a culpa no primeiro momento é natural; porém, se não soubermos lidar com ela podemos cair em duas ciladas:

A primeira é entrarmos em tristeza profunda ou remorso. A segunda é procurarmos esconder nossos próprios erros colocando um manto de hipocrisia sobre nossos atos e levantando acusações de erros alheios, os quais muitas vezes foram contados a nós por meio de fofoca ou então através de quem depositou confiança suficiente para nos contar de suas dificuldades.

Ninguém é perfeito.

Com esse preceito em mente devemos entender que ambas atitudes são prejudicais a nós e às pessoas que estão a nossa volta. Elas têm o poder de infectar o meio em que vivemos e provocar um ambiente hostil e desagradável, retirando o equilíbrio anteriormente instaurado antes desse fato vir à tona. A desarmonia causada em muitos casos pode levar os indivíduos a tratarem seus semelhantes com palavras ríspidas ou a desenvolverem sentimentos de aversão, irritabilidade e sede de vingança.

Seres humanos com maiores tendências de apresentar distúrbios de personalidade podem ser protagonistas dessa infeliz realidade e, sendo mentalmente doentes, chegam a enganar a si mesmos e a outros mais desavisados sobre suas deficiências ao contar histórias tristes sobre suas vidas e de como perderam seus entes queridos pela falta de paciência que eles tiveram para com seu temperamento controlador. A culpa nunca é deles, sempre do outro, o outro é quem deveria ter sido mais calmo e presente, compreendido mais ou até mesmo aceitado o modo opressivo de serem.

feições

Se formos observadores o suficiente, poderemos perceber que em grupos sociais não tão extensos, de maneira que cada um tenha oportunidade de mostrar seu ponto de vista e contrapor opiniões, sempre haverá um que tentará, inconscientemente ou não, desestabilizar as reuniões e gerar um clima tenso para todos os que ali estiverem.

A boa notícia é que essa pessoa, ao entender que o grupo está unido ao ponto de não se deixar influenciar pela maçã podre (depois de perceber que se trata de um problema de ordem pessoal e não de um fato em si), acabará se revoltando e indo embora, sem, contudo, deixar de espalhar inverdades a respeito do que viu ou deixou de ver.

Portanto, fica a dica: constatada a existência de um indivíduo com essas características, não o exclua de primeira; converse com ele, escute as suas reclamações ainda que ele tente convencê-lo sobre suas opiniões negativas a respeito de todo mundo e o aconselhe a procurar um tratamento psicológico ou psiquiátrico, o que for melhor. Faça isso com respeito para que ele saiba que você o considera alguém importante, que tem muito a acrescentar.

Se a situação não melhorar, não se preocupe. Mantenha a linha e espere. Se ainda assim você vir que não resolveu, seja firme fazendo-o saber no que está envolvido e impelindo-o a tomar uma decisão.

Quanto ao que ele vai dizer após sair dali, não é de sua alçada. Cabe aos que ali permanecerem trabalhar para que aos poucos o mal implantado seja desfeito por meio da demonstração visual das qualidades, sem dizer uma palavra. Usando de exemplo, quebra-se o preconceito formado pelo recebimento das informações distorcidas.

Que todos nós saibamos quando estivermos precisando de ajuda para com nossos problemas psíquicos e sociais e possamos ser humildes para aceitarmos o tratamento adequado em vez de contaminar nossos auxiliadores com negatividade e depreciação. Que saibamos também mostrar empatia ao identificarmos quem mais está enfrentando problemas semelhantes e necessite de orientação.

euSimone Oliveira. Santos-SP. Bacharel em Engenharia Civil por formação e escritora por gosto. Estuda para concursos e se dedica às aulas particulares de exatas, ao namorado, à família e às suas atividades na igreja. Ainda não descobriu seu propósito na vida, mas tem certeza de que tem um. Pede que Deus a guie por esse caminho até a sua volta.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s