Arquivo do mês: julho 2019

Vdc não é “Vai dar certo”, é Vontade – Determinação – Comprometimento

Por Isaias Costa

como-fazer-planejamento-de-viagem-hospedagem-passagem-seguro-roteiro

As minhas férias de julho desse ano (2019) foram bastante intensas. Passei mais de duas semanas viajando, e ao voltar pra casa, conversando com meu irmão e meus pais, levantamos muito do que foi a organização dos momentos para que desse tudo maravilhosamente certo e nos divertíssemos ao máximo.

Fiquei lembrando da expressão que a garotada adota utilizar nas redes sociais, o “vdc”, que teoricamente significa “Vai dar certo”. Mas sabe de uma coisa interessante? É extremamente comum essa expressão ser usada por quem não coloca tanto a mão na massa para que de fato as coisas deem certo.

=> Clique aqui para ler o texto completo

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Rubem Alves: um pássaro encantado eternizado em muitos corações

Por Isaias Costa

rubens-alves-3

“Porque os anjos são homens nascidos sem asas, é o que há de mais bonito, nascer sem asas e fazê-las crescer”.

José Saramago

*******

Já li essa frase do Saramago inúmeras vezes, e como sempre gosto de repetir, esse autor estupendo tinha o poder de escrever textos e livros que permitem as mais diversas interpretações e aprendizados.

Na data em que publico esse texto me bate uma saudade grande de um dos senhores que mais me inspira, principalmente com relação à escrita, o querido Rubem Alves, que nos deixou no dia 19/07/2014.

Lendo um pouco sobre a biografia dele e as diversas fases que ele vivenciou, essa frase se encaixa perfeitamente. Aliás, vale destacar que o Saramago era um dos autores que ele amava. Não duvido que ele tenha lido quase a totalidade dos seus livros…

=> Clique aqui para ler o texto completo

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Aprenda a plantar o que deseja colher

Por Isaias Costa

dar-amor

“Aquele que alcança um real conhecimento da lei da vida tem motivos sólidos para confiar no futuro, porque aprende a plantar o que deseja colher”.

Carlos Cardoso Aveline

*********

Nos últimos dias estava conversando sobre a vivência do momento presente com vários amigos, até porque escrevo esse texto no meio das minhas férias de julho. Não canso de repetir nos textos que aprender a viver bem o momento presente faz com que tudo que vivenciemos seja mais intenso e fique guardado na memória.

Se preocupar demais com o futuro é algo que não faz sentido, porém, a maioria das pessoas insiste nisso. Essa lei da vida que o Carlos Aveline nos diz é essa do plantar e colher. Nós sempre colhemos aquilo que plantamos, não adianta querer que seja diferente.

=> Clique aqui para ler o texto completo

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A gula não se resume a comer muito

Por Isaias Costa

b2bb99_de2489ed172349efa12329d7e661960b_mv2_d_1772_1336_s_2

Quando se fala em gula o primeiro pensamento que nos vem é comida não é mesmo? Mas uma coisa que a grande maioria das pessoas não sabe é que a gula não se resume apenas a comer muito, vai muito mais além, e quero nesse texto ampliar a reflexão.

A palavra gula é praticamente um derivado da palavra goela, que por sua vez é sinônimo de garganta, que faz conexão com o esôfago, canal que leva os alimentos até o estômago. É por isso também que tentemos a pensar na gula como o ato de comer em excesso.

Uma análise psicológica profunda necessariamente nos remete à infância e nossos primeiros anos de vida. A vontade de comer demais sempre está ligada a alguma carência afetiva. Até os 2 ou 3 anos a criança se encontra no que Sigmund Freud denominou de fase oral, na qual experimentamos o mundo e as sensações de prazer e desprazer através da boca.

=> Clique aqui para ler o texto completo

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Alan Lima: Uma vida dedicada a ajudar as pessoas

Por Isaias Costa

50719292_2462392763774392_2212960853924249600_n

Minha morte nasceu quando eu nasci…

Despertou, balbuciou, cresceu comigo…

E dançamos de roda ao luar amigo

Na pequenina rua em que vivi

 

Já não tem mais aquele jeito amigo

De rir que, ai de mim, também perdi

Mas inda agora a estou sentindo aqui,

Grave e boa, a escutar o que lhe digo:

 

Tu que és minha doce prometida,

Nem sei quando serão nossas bodas,

Se hoje mesmo… ou no fim de longa vida…

 

E as horas lá se vão, loucas ou tristes…

Mas é tão bom, em meio às horas todas,

Pensar em ti…saber que tu existes!

 

Mario Quintana

=> Clique aqui para ler o texto completo

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized