Arquivo da tag: Albert Einstein

Um tolo não pode ser curado

Por Isaias Costa

einstein_zenosarrow

Lendo um dos diversos livros do Osho, chamado “Palavras de fogo – reflexões sobre Jesus de Nazaré”, eu me deparei com um trecho que me chamou bastante atenção e me fez refletir sobre o importante tema da e da CONFIANÇA tanto em Deus como na gente mesmo!

Abaixo está a transcrição desse trecho do livro no qual o Osho conta uma historinha muito interessante!

**************

Eu estive lendo uma história.

Um dia Jesus estava fugindo de uma cidade. Um camponês o viu correndo e lhe perguntou:

– O que houve? Para onde o senhor está indo?

Mas Jesus estava com tanta pressa que foi adiante sem responder. Então o camponês o seguiu, conseguiu pará-lo por um instante e disse:

– Por favor, me diga, pois fiquei muito curioso. Se não me disser, vou segui-lo sem parar. Por que está correndo? Para onde? De quem o senhor está fugindo?

Jesus respondeu-lhe:

– De um tolo.

O camponês começou a rir e disse:

– O que o senhor está dizendo!? Eu sei que o senhor já curou gente cega, já curou gente estava morrendo. Já ouvi até dizer que o senhor curou gente que estava morta! O senhor não pode curar um tolo?

=> Clique aqui para ler o texto completo

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma revolução espiritual

Por Isaias Costa

hqdefault

O mestre Dalai Lama, em seu livro “Uma ética para o novo milênio”, explica que para mudarmos os rumos do mundo para melhor é necessário haver uma revolução espiritual, o que concordo plenamente. Transcrevo uma pequena parte deste livro no qual ele fala sobre isso:

“A meu ver, nossa ênfase excessiva em ganho material reflete a suposição de que aquilo que se pode comprar é capaz de, por si só, nos proporcionar toda satisfação que esperamos. Entretanto, por natureza, a satisfação que o ganho material nos oferece está limitada aos sentidos. Isso seria ótimo se nós, seres humanos, fôssemos iguais aos animais.

Porém, dada a complexidade de nossa espécie- em especial o fato de termos pensamentos e emoções, bem como a capacidade de imaginar e de criticar-, é óbvio que nossas necessidades transcendem o que é meramente sensual. A ansiedade, o estresse, a confusão, a insegurança e a depressão que prevalecem entre aqueles cujas necessidades básicas foram satisfeitas são uma clara indicação desse fato.

Nossos problemas, tanto aqueles que enfrentamos exteriormente –como as guerras, os crimes e a violência – quanto os que enfrentamos interiormente – nossos sofrimentos emocionais e psicológicos -, não podem ser solucionados enquanto não cuidarmos do que foi negligenciado.

O descaso pela dimensão interior do homem fez com que todos os grandes movimentos dos últimos cem anos ou mais – democracia, liberalismo, socialismo- tenham deixado de produzir os benefícios que deveriam ter proporcionado ao mundo, apesar de tantas ideias maravilhosas.

Uma revolução se faz necessária, com toda a certeza. Mas não uma revolução política, ou econômica, ou mesmo tecnológica. Já tivemos experiências demais com todas elas durante o último século para saber que uma abordagem meramente externa não basta. O que proponho é uma revolução espiritual.”

            Essa reflexão do Dalai Lama é extremamente profunda. Eu penso no que ele falou da seguinte forma, se já foram feitas revoluções políticas, econômicas e tecnológicas e o mundo continua em profundo desequilíbrio, não adianta continuar seguindo por esse caminho, porque tudo vai continuar do mesmo jeito ou até piorar, concorda?

Nessa hora, sempre me vem em mente a célebre frase do grande Albert Einstein e que não me canso de repetir: “Insanidade é fazer sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”. É isso que vem acontecendo no mundo inteiro por séculos e séculos, as pessoas ainda não aprenderam a se voltar para dentro delas mesmas na busca espiritual, no crescimento interior. Se assim o fizessem, nosso mundo certamente seria bem mais equilibrado.

Porém, o Dalai Lama tocou em uma questão crucial e impede que isso aconteça, a enorme ênfase dada aos ganhos materiais, que só preenchem nossos desejos sensoriais, mas jamais preenchem o nosso interior, o dinheiro e o poder não conseguem alimentar a nossa alma, ela só pode ser alimentada com espiritualidade. Assim como os alimentos nutrem o corpo, a espiritualidade nutre a alma, e nós só podemos atingir o equilíbrio quando o corpo, a alma e o espírito estão nutridos com o alimento certo, entende? Muitos querem nutrir a alma com dinheiro, e o resultado se reflete pelo mundo afora: guerras, desamor, competições, ódios, vinganças etc.

É possível mudar essa história! Como? Faço minhas as palavras do grande Dalai Lama, ele sempre fala em suas conferências que mudamos o mundo a partir da nossa mente e da responsabilidade universal, ou seja, cada indivíduo deve fazer a sua parte com o bem, deve procurar ao máximo ser bondoso, compassivo, altruísta, mas se isso não for possível, que pelo menos não faça o mal. Eu acabei de descrever em poucas palavras a base das práticas budistas, que admiro profundamente. Lembre-se sempre: “Se você não pode fazer o bem a alguém, que pelo menos não faça o mal”. Isso é espiritualidade! O que estou falando aqui transcende a esfera religiosa, está no campo dos princípios humanos e da ética. Quero aproveitar para deixar essa belíssima sugestão de leitura, o livro “Uma ética para o novo milênio”, do Dalai Lama, foi este livro que me inspirou a escrever esse texto.

Busquemos crescer na espiritualidade! Eu acredito profundamente que essa é verdadeiramente a revolução que esse mundo precisa para atingir o equilíbrio. Pense sobre isso…

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

O amor é o tecido do universo

Por Isaias Costa

yjumumujmjm.JPGtyjtyjyj-519x321

Eu admiro profundamente o físico Albert Einstein, porque ele era muito mais do que um cientista, ele tinha espiritualidade e uma intuição digna de uma mente iluminada.

Recentemente li uma carta que ele escreveu a sua filha falando sobre seu sentimento de amor por ela e levando a reflexão para um campo bastante filosófico e metafísico.

Suas palavras tocam fundo no nosso coração e acredito realmente nelas. O amor é o tecido que compõe esse universo tão vasto e tão misterioso.

Aproveito esse texto para sugerir um dos melhores filmes que foram lançados no ano de 2014 e que me fez refletir bastante sobre a dimensão do amor, trata-se do filme “Interestelar”.

É um filme longo, mas pela beleza da estória e das imagens, você nem percebe o tempo passar. O tema central desse filme é o AMOR. O personagem principal viaja em outras dimensões da galáxia e se distancia da sua família. Essa distância o deixa muito triste e saudoso, principalmente da sua filha, que ele tinha um carinho especial.

O filme mostra um encontro magnífico que acontece entre eles através da abertura de um portal através do amor que liga os dois. Assista! Tenho certeza que você não vai se arrepender.

interestelar1

E se quiser, aproveite para compartilhar esse lindo texto do Einstein com alguém que você ame muito e tenha essa conexão cósmica de amor…

*********************

O amor – Por Albert Einstein

Quando propus a teoria da relatividade, muito poucos me entenderam e o que vou agora revelar a você, para que transmita à humanidade, também chocará o mundo, com sua incompreensão e preconceitos. 

Peço ainda que aguarde todo o tempo necessário — anos, décadas, até que a sociedade tenha avançado o suficiente para aceitar o que explicarei em seguida para você.

Há uma força extremamente poderosa para a qual a ciência até agora não encontrou uma explicação formal. É uma força que inclui e governa todas as outras, existindo por trás de qualquer fenômeno que opere no universo e que ainda não foi identificada por nós.

Esta força universal é o AMOR.

Quando os cientistas estavam procurando uma teoria unificada do Universo esqueceram a mais invisível e poderosa de todas as forças.

O Amor é Luz, dado que ilumina aquele que dá e o que recebe.
O Amor é gravidade, porque faz com que as pessoas se sintam atraídas umas pelas outras.

O Amor é potência, pois multiplica (potencia) o melhor que temos, permitindo assim que a humanidade não se extinga em seu egoísmo cego.

O Amor revela e desvela.
Por amor, vivemos e morremos.

O Amor é Deus e Deus é Amor.

Esta força tudo explica e dá SENTIDO à vida. Esta é a variável que temos ignorado por muito tempo, talvez porque o amor provoca medo, sendo o único poder no universo que o homem ainda não aprendeu a dirigir a seu favor.

Para dar visibilidade ao amor, eu fiz uma substituição simples na minha equação mais famosa. Se em vez de E = mc², aceitarmos que a energia para curar o mundo pode ser obtido através do amor multiplicado pela velocidade da luz ao quadrado (energia de cura = amor x velocidade da luz ²), chegaremos à conclusão de que o amor é a força mais poderosa que existe, porque não tem limites.

Após o fracasso da humanidade no uso e controle das outras forças do universo, que se voltaram contra nós, é urgente que nos alimentemos de outro tipo de energia. Se queremos que a nossa espécie sobreviva, se quisermos encontrar sentido na vida, se queremos salvar o mundo e todos os seres sensíveis que nele habitam, o amor é a única e a resposta última.

Talvez ainda não estejamos preparados para fabricar uma bomba de amor, uma criação suficientemente poderosa para destruir todo o ódio, egoísmo e ganância que assolam o planeta. No entanto, cada indivíduo carrega dentro de si um pequeno, mas poderoso gerador de amor, cuja energia aguarda para ser libertada.

Quando aprendemos a dar e receber esta energia universal, Lieserl querida, provaremos que o amor tudo vence, tudo transcende e tudo pode, porque o amor é a quintessência da vida.

Lamento profundamente não ter sido capaz de expressar mais cedo o que vai dentro do meu coração, que toda a minha vida tem batido silenciosamente por você. Talvez seja tarde demais para pedir desculpa, mas como o tempo é relativo, preciso dizer que te amo e que a graças a você, obtive a última resposta.

Seu pai,

Albert Einstein

Link: Carta de Einstein à sua filha Lieserl

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Qual é minha vocação?

Por Isaias Costa

criativo-consulte-2

Estamos vivendo em um mundo frenético, repleto de mudanças acontecendo o tempo todo, com os avanços científicos e tecnológicos, muitas coisas do passado que pareciam impossíveis já fazem parte do nosso cotidiano, a internet está cada vez mais acessível e a cada dia mais e mais conteúdos são publicados de diversas formas etc.

Porém, há um problema nisso tudo que pode e tem feito mal a muitas pessoas, quase sempre de forma bem sutil, o excesso de informações nos leva a um aumento de possibilidades, e o aumento de possibilidades frequentemente nos deixa atônitos e com dúvidas. Nos perguntamos: “Faço isso, aquilo ou aquilo outro?”. E tantas dúvidas nos deixam perplexos, acuados, com medo, atrapalham as tomadas de decisões etc.

=> Você pode ler o texto completo clicando aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A solidão e a criatividade

Por Isaias Costa

bula-620x400

A solidão tem uma relação muito próxima com a criatividade. Um dos homens que mais me ensinou isso foi o psiquiatra e escritor Augusto Cury. Quero compartilhar um trecho do seu livro “Os segredos do Pai-nosso”, no qual ele fala sobre essa profunda relação. Leia com bastante atenção e procure nutrir a sua criatividade através desta percepção mais aguçada da solidão…

****

Aquele que nunca atravessou turbulências na vida e não sente falta de nada vive um eterno conformismo capaz de engessar seu intelecto. De outro lado, quem passou por inúmeros problemas estressantes, mas aprendeu a canalizar sua ansiedade para expandir o mapa das suas experiências psíquicas, tornou-se um construtor de novas ideias.

A diferença entre um pensador e um espectador é que o pensador usa seu estresse para produzir o espetáculo das ideias, e o espectador usa seu conformismo para aplaudi-lo.

Por que o processo criativo tem mais chance de acontecer nas crises? Porque nos momentos de perdas, rejeições e desafios a ansiedade vital expande-se, aumentando consequentemente a percepção da solidão. Esta, por sua vez, expande a necessidade de superação através das construções intelectuais.

Muitos artistas construíram suas obras-primas quando o mundo desabava sobre eles. Muitos poetas e intelectuais produziram seus melhores textos quando desprezados e humilhados. Foram garimpeiros de ouro nos solos da sua inteligência.

Tenho necessidade de momentos de interiorização solitária. Na solidão, faço um passeio íntimo, crio caminhos, produzo novas ideias. Na solidão, penso, repenso e me reencontro. Na solidão, percebo minha pequenez, compreendo que um dia vou para um túmulo, que não sou melhor que ninguém. Na solidão, me procuro, me acho, me refaço.

Quando é que os cientistas produzem suas melhores ideias? No início ou no auge da carreira acadêmica? Seria de esperar que fosse no auge, quando são mais cultos, maduros e experientes. Mas é no início da carreira! Por quê? Porque no auge da carreira são aplaudidos e valorizados e correm o risco de se tornarem perigosamente autossuficientes.

No início da carreira são perturbados pelos desafios e pela necessidade ansiosa de desbravar o desconhecido e serem reconhecidos. Einstein era imaturo intelectual e emocionalmente quando produziu os pressupostos da teoria da relatividade. Tinha 27 anos.

A maioria das grandes descobertas da matemática ocorreu antes dos 20 anos de seus descobridores.

O reconhecimento acadêmico, os títulos, o status intelectual que os cientistas, escritores e pensadores recebem ao longo da vida podem se tornar um veneno que mata a criatividade, obstruindo a ousadia, a capacidade de introspecção, observação, dedução e indução.

Jesus fez subliminarmente referências à solidão de Deus diversas vezes, como quando disse “Na casa do Pai há inúmeras moradas”, “Eu sou a videira e vós os ramos” e em diversas parábolas, como a do filho pródigo e a do semeador. Porém, pelo menos uma vez falou abertamente sobre a solidão que abarca a psique de Deus desde tempos remotos: “Se o grão de trigo que cai na terra não morrer, permanecerá só” (João 12:24). Os discípulos queriam interromper o plano de Jesus, impedindo-o de ser crucificado.

Parecia loucura e insanidade prever a própria morte e não evitá-la. Mas ele preferia morrer e sacrificar-se para resolver a solidão de Deus.

Sua morte seria uma ponte entre a humanidade e o Autor da existência. Foi a primeira vez que a dor e o caos da existência foram usados para que a vida ressurgisse. Fico imaginando a dimensão da palavra “só”. O grão de trigo precisava romper a casca do isolamento para se multiplicar.

Por que existem bilhões de galáxias com trilhões de planetas e estrelas? Bastava uma galáxia com milhões de astros. Por que existem milhões de espécies na natureza? Bastavam milhares. Por que o Autor da existência é tão abundante no processo criativo?

Talvez porque criar não seja uma opção intelectual de Deus. Criar faz parte da sua natureza, é seu destino inevitável. A sua solidão exuberante e sua serena e inextinguível ansiedade vital fazem a criatividade fluir espontaneamente da sua mente complexa.

O Pai da enigmática oração ensinada por Jesus não é amordaçado pelo cárcere da rotina. De eternidade a eternidade, viveu uma explosão criativa, no bom sentido da palavra. Tudo nele parece se renovar, rejuvenescer, reflorescer.

Um dia o processo criativo pode acabar? A solidão humana poderá ser extinta? A solidão de Deus poderá desaparecer do cerne da sua psique? Não creio. A solidão é psiquicamente incurável, sem solução definitiva. Esse é o quinto segredo. Felizmente, ela não pode ser resolvida, o que nos faz procurar inúmeros relacionamentos. Ela é retroalimentada pela consciência existencial, nos renovando num processo contínuo e inextinguível de buscas.

Penso que a solidão, tanto a humana quanto a de Deus, sempre nos fará procurar por nós mesmos e pelos outros. A criatividade nunca será extinta. Nunca seremos autossuficientes e abastados. Como já disse, viver em sociedade não é uma questão de sobrevivência física, mas psíquica.

Jamais viveremos na clausura, no drama do isolamento. A não ser que desenvolvamos uma depressão catatônica, nesse caso embotaremos nossos pensamentos e emoções.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Todos nós podemos ser geniais

Por Isaias Costa

einstein2_thumb[9]

O Albert Einstein foi um dos maiores gênios que esse mundo já teve. Nós olhamos para esse Físico maluco e o que ele construiu ao longo da sua trajetória e não sabemos que podemos ser um pouquinho parecidos com ele. Você sabia que todos nós temos a semente da genialidade dentro de nós só esperando para ser regada e florescida? Vou explicar isso para você inspirado nele, é claro!

“Somos todos geniais. Mas se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em árvores, ele passará sua vida inteira acreditando ser estúpido.”

Albert Einstein

Essa frase é de uma profundidade imensa e ao mesmo tempo, de uma grande facilidade de ser entendida. Quando ele fala sobre os peixes, está falando diretamente sobre os nossos talentos. Cada um tem seus talentos absolutamente únicos, e o que leva uma pessoa a se tornar gênia, não é o seu Q.I ou seu cérebro privilegiado, é a CURIOSIDADE e o profundo desejo de estar sempre APRENDENDO COISAS NOVAS e se aperfeiçoando no que faz de melhor. Foi isso que ele fez e se tornou um dos cientistas mais importantes da humanidade.

O que leva nosso mundo a ter tão poucos gênios é algo muito grandioso e que, pelo menos no Brasil, ainda falta muito para mudar, é a EDUCAÇÃO. A nossa educação é pautada na aquisição de conteúdos simplesmente como um acúmulo de informações. As escolas não ensinam os alunos a pensarem por conta própria e a terem suas próprias conclusões. Gosto de lembrar das palavras do gênio Raul Seixas. Em algumas de suas entrevistas, ele frequentemente dizia que a única coisa que aprendeu na escola foi a odiá-la. Ele dizia abertamente que tudo que aprendeu foi através dos livros e da sua imaginação mais do que fértil. O que aconteceu com o Raul? Se tornou um mito, um cara inesquecível na música brasileira. Eu fico extremamente feliz por estudar a sua vida, a sua personalidade, suas músicas e sua filosfia para aprender a ser um pouquinho gênio como ele foi. Sei que é um longo caminho de busca por conhecimento que torna alguém um gênio e nada melhor do que estudar um pouco a vida dos grandes gênios. Eu escolhi estudar o Raul Seixas e você? Que tal escolher um grande gênio e começar a estudá-lo ainda hoje? Posso colocar alguns nomes aqui para você pesquisar se quiser: Leonardo da Vinci, Michelangelo, Galileu Galilei, Isaac Newton, Johannes Kepler, Thomas Edison, Nicolau Copérnico, Gauss, Nietzsche, Audoux Huxley, Van Gogh, Beethoven, Roberto Bolanõs, Santo Agostinho, Oprah Winfrey, Ayrton Senna, Bill Gates, Schopenhauer, Warren Buffett, Patch Adams etc. etc. etc.

Você só poderá se tornar um gênio se desenvolver duas artes, a da DÚVIDA e a da CRÍTICA. Todos os grandes gênios desenvolveram essas artes. Eles criaram coisas novas porque duvidavam do que existia e criticavam a forma como tudo funcionava e estava descrito através dos livros, da história, da ciência. É interessante frisar também que, quando desenvolvemos essas artes, juntamente com elas, também crescemos em SABEDORIA. As pessoas sábias são aquelas que tem a perspicácia de ver as coisas e não engolir simplesmente, sem antes se questionarem. Elas pensam, elas investigam, elas duvidam, elas procuram fazer algo melhor e inovador, então vão lá e fazem.

A arte da dúvida

Elas são FOCADAS. Elas concentram suas melhores energias naquilo que fazem de melhor, e por isso se tornam geniais. Se você tiver prestado atenção nos exemplos que coloquei, há gênios da ciência, da música, das artes. da literatura, do cinema, dos negócios, do esporte etc. Há gênios em absolutamente TODAS as áŕeas, diferente do que muitos pensam, que só há gênios na ciência, isso é um grande equívoco.

Aqui e agora

Eles são produtivos, o que é bem diferente de ser e estar ocupado. Passar muitas horas trabalhando pode ser algo produtivo ou não, depende daquilo que você executa enquanto trabalha. Os geniais são sempre produtivos porque o que eles fazem se torna algo MEMORÁVEL, o que é algo memorável? É aquilo que não se perde com o tempo, é algo que fica para a posteridade. Nessa hora gosto de citar o Michelangelo e seu belíssimo Davi. Quer uma escultura que seja mais memorável que o Davi? Essa obra não tem preço. É impossível estabelecer um valor mensurável em dinheiro para esta preciosidade. O seriado “Chaves” do Roberto Bolanõs, passarão séculos e ele continuará alegrando os corações de todos que assistirem, certamente colocarei meus filhos para assistirem esse seriado, pois ele tem uma magia, um encanto, uma perfeição, que falta palavras para descrever. Poderia passar horas citando obras memoráveis de gênios. Pronto! Isso é o que chamo da produtividade dos gênios, eles criam coisas que ficam para a posteridade e que são carregadas de emoção, de vida, do DNA dos seus criadores.

Há mais um detalhe sobre a produtividade. Os gênios sabem conviver muito bem com a solidão, e transformam a solidão em um amiga. Isso mesmo, uma amiga. Grandes insights surgem na mente dos gênios quando eles estão sozinhos, parados, quietos, contemplativos. Quer um exemplo? Nietzsche. A solidão era um deleite na sua vida. Esse homem tão lúcido em sua loucura tinha dificuldade de ser entendido pelas pessoas, exatamente porque a maior parte tem preguiça de pensar, de se questionar, de duvidar, o que ele fazia quase 100% do tempo. O Nietzsche é um dos meus grandes amigos e sempre estará me acompanhando em minha jornada. Existe um gênio brasileiro que escreve tanto sobre a SOLIDÃO quanto sobre o Nietzsche de forma absolutamente incrível, é claro que estou falando do mestre Rubem Alves. Compartilho aqui em baixo duas de suas crônicas mais incríveis, que tive a honra de publicar neste blog. Vale muito a pena conferi-las…

A solidão amiga
O que é ter saúde mental?

A maior parte deles entende o VALOR DO SERVIÇO. Se você pesquisar a vida de alguns gênios verá que eles não viviam só para si. Inclusive o Einstein em sua imensa sabedoria, disse uma vez a seguinte frase: “Somente uma vida que seja vivida para os outros vale a pena ser vivida”. Pense um pouquinho sobre essa frase… A alegria de muitos gênios da humanidade era ver os outros felizes e realizados. Por exemplo, Patch Adams, um gênio da Medicina, vivia e ainda vive para levar alegria e um serviço empático que cura as pessoas muito mais pelo carinho e atenção do que pelo Medicina em si. A Oprah Winfrey, o Bill Gates, o Warren Buffett, o Ayrton Senna e tantos outros, eles eram (no caso do Ayrton) e são comprometidos com belíssimas obras sociais, que estão fazendo esse mundo ser um lugar melhor. Esse ponto nem todos prestam atenção, mas estou revelando a você hoje. Quer ser um gênio? Sirva! Sabe quem foi o maior gênio da humanidade? Ainda não falei dele. Seu nome é Jesus Cristo. Ele dizia: “O maior dentre vós deve ser aquele que serve”. Palavras profundas que pouquíssimas pessoas entendem e põem em prática verdadeiramente. Para falar da genialidade de Jesus precisaria escrever um livro, tem tanta coisa sobre ele, o princípio e o fim, o caminho, a verdade e a vida…

O valor do serviço

Para terminar, volto à mensagem do Einstein. As pessoas que se tornam geniais não fazem algo que esteja fora de suas missões de vida. Aqui entra o peixe subindo na árvore. Muitas pessoas querem ser peixes subindo em árvores. Quem são essas pessoas? São aquelas que trabalham em algo que odeiam, aquelas que se formaram em um curso universitário só para agradarem aos pais, aquelas que acharam que era “muito difícil” seguir os sonhos e desistiram no meio do caminho, aquelas que se acomodaram em seus empregos achando que não há mais perspectivas de futuro, aquelas que tentam concursos públicos só porque o salário é bom e a carga horária é pequena etc. Pois é meu amigo! Sinto dizer, mas a genialidade nunca vai encontrar o coração destas pessoas. Sabe por quê? Exatamente por causa do coração! Só se torna um gênio quem coloca o seu coração naquilo que faz, ou seja, dá o seu melhor e supera a si mesmo dia após dia. Então? Você está dentro desse grupo? Se não! O que acha de começar hoje a tentar fazer parte?

Há muito mais a ser falado, mas acredito que falei sobre os principais fatores que levam alguém a se tornar um gênio. Vamos nos tornar gênios?…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

4 Comentários

Arquivado em Uncategorized

7 palavras com significados extraordinários

Por Isaias Costa

canal-do-empreendedor-albert-einstein

Esta é primeira série de textos que estou apresentando no blog. Já escrevi sobre 7 palavras com significados extraordinários, partindo de suas definições e escrevendo o que penso sobre elas, e para este post ficar com um gostinho especial, uma destas palavras tem dose dupla, com o pensamento genial do meu amigo Albert Einstein, a palavra crise.

As sete palavras são autoridade, crise, intuição, caráter, coragem, riqueza e o verbo esperançar.

* A palavra autoridade

“Hoje eu quero falar sobre o verdadeiro significado de uma palavra extremamente profunda e que a maior das pessoas desconhece. A palavra AUTORIDADE. Esta palavra é constantemente confundida com HIERARQUIA, ou CHEFIA ou simplesmente PODER. Ou seja, é aquela relação de que autoridade é uma pessoa que está acima de nós em todos os sentidos. Mas o que eu quero dizer pra você é que esse é um conceito extremamente superficial de autoridade…”

=> Leia o texto na íntegra neste link.

* A palavra crise

“Uma palavra que tem uma interpretação muito mais profunda do que se pensa é a palavra CRISE. Eu acho essa palavra incrível e vou explicar o porquê a partir de uma frase brilhante do presidente norte americano John Kennedy que diz: “A palavra chinesa para crise tem dois caracteres. O primeiro significa ‘perigo’ e o segundo significa ‘oportunidade’”…”

=> Leia o texto na íntegra neste link.

* A palavra crise segundo Albert Einstein

“Depois de tudo o que eu já passei, já sofri, já superei e já mudei em mim, se existe uma palavra que passei a enxergar com olhos muito mais profundos se chama CRISE. Já escrevi um pouco sobre isso aqui, mas hoje quero trazer a genial visão de ninguém menos que Albert Einstein…”

=> Leia o texto na íntegra neste link.

* A palavra intuição

“Outro dia eu li uma das interpretações mais brilhantes para a palavra intuição, feita pelo psicólogo David Stendl-Rast. A palavra intuição em inglês se escreve intuition e na sua escrita tem-se a relação com o “olhar para dentro”, ou seja, o olhar interior “look into it” (olhar dentro dele). Achei essa associação perfeita, porque intuição é realmente isso. É aquele olhar mais interior e profundo das coisas…”

=> Leia o texto na íntegra neste link.

* A palavra caráter

“Existe uma palavra da língua portuguesa que todos conhecem, mas que na vida real está se tornando cada vez mais difícil de ver nas pessoas, a palavra CARÁTER. Lendo na internet eu me deparei com um texto simplesmente magnífico que fala sobre o caráter. Um texto de autoria da educadora Eliana Sousa Sicsú…”

=> Leia o texto na íntegra neste link.

* A palavra coragem

“Eu admiro muito o místico oriental Osho. Gosto de ler pequenos textos dele e acho extremamente inspiradores. Vou compartilhar um texto em que ele fala sobre a coragem e o medo…”

=> Leia o texto na íntegra neste link.

* A palavra riqueza

“É com grande alegria que compartilho com os leitores o vídeo que mais me mostrou até hoje o real significado da palavra RIQUEZA. Nesta sociedade capitalista e consumista em que vivemos, esta é uma das palavras mais distorcidas, sendo que seu significado é bem mais abrangente do que se pensa…”

=> Leia o texto na íntegra neste link.

* O verbo esperançar

“Um dos maiores educadores que o Brasil já teve foi o grande Paulo Freire e uma de suas indagações mais recorrentes era sobre o verbo “esperançar”. Hoje vou fazer uma pequena reflexão sobre esse verbo a partir de algumas palavras do filósofo brasileiro Mario Sergio Cortella…”

=> Leia o texto na íntegra neste link.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O educador Albert Einstein

Por Isaias Costa

caricatura-albert-eisten

Para a mente de muitas pessoas, o grande Albert Einstein era um físico genial que contribuiu para a ciência e para o desenvolvimento da Física de forma espetacular. Porém, há uma lado dele que era também muito desenvolvido e precisa ser explorado, ele era muito sábio e um verdadeiro educador. Ele escreveu livros e textos muito interessantes que não tratavam de Física pura, e isso faz dele um físico mais que especial, um físico inesquecível.

Uma de suas frases extremamente sábias que mostram o seu lado educador é a seguinte: “Se você quer que crianças sejam inteligentes, leia contos de fadas para elas. Se você quer que elas sejam mais inteligentes, leia mais contos de fadas para elas”. Essa frase, apesar de curta, traz grandes ensinamentos, principalmente aos pais, que estão deixando de fazer com que seus filhos cresçam intelectualmente do jeito certo. Falo isso desta forma porque os filhos da atualidade estão crescendo sabendo muito mais do que os filhos das gerações passadas, porém, eles estão se transformando em meros repetidores de informações, não estão inovando, estão perdendo o encanto pelo desbravamento, pela curiosidade, pelos “porquês”, pelas coisas simples e singelas etc. A educação atual precisa ser urgentemente reformulada, pois estamos formando uma espécie de robôs decoradores de informações vastas e que, na grande maioria das vezes, estas informações não levam a muito coisa além de uma aprovação no ENEM.

Por que o Einstein sugeriu que se lesse mais contos de fadas para os filhos? Porque as coisas novas só podem surgir a partir de uma imaginação desenvolvida, de uma visão desprendida do óbvio. Os contos de fadas fazem as crianças viajarem por um universo totalmente particular e cheio de aventuras fantásticas. E lendo essas histórias para eles, certamente eles crescerão com um olhar mais aguçado e se tornarão mais inteligentes. Mas por que não fazemos isso? Acredito que o principal motivo é o sistema no qual estamos inseridos, que força os pais a ensinarem aos filhos apenas o óbvio, que só leva a fazer o que todo mundo faz. Um pensamento comum na mente de algumas pais é achar que essas histórias para crianças são “batidas demais” e que não podem trazer algo de novo para seus filhos. Nessa hora eles se enganam redondamente! Aquilo que é batido para os pais não é para os filhos, pois essas histórias eles estão lendo ou ouvindo pela primeira vez, e não há beleza maior do que descobrir algo pela primeira vez. Isso é algo que tenho forte dentro de mim e pretendo ter esse pensamento por toda a minha vida, eu quero sempre descobrir algo pela primeira vez e me tornar desta forma um ser humano cada vez melhor e com mais recursos…

O olhar desatento

Para desenvolver a criatividade é preciso ter tempo de pensar sobre a vida, sobre o mundo, sobre as possibilidades etc. O Einstein desenvolveu a teoria da relatividade através de muita imaginação e pensamento criativo. É importante ressaltar a ideia de tempo. Quando ele teve as suas ideias mais brilhantes, trabalhava no escritório de patentes e tinha muito tempo livre todos os dias, nesse tempo livre ele parava pra pensar sobre o universo e teve grandes insights que mudaram a história da Física…

Ler para os filhos histórias infantis e contos de fadas, além de fazê-los criar prazer pela leitura, ainda tem um ingrediente a mais que é a proximidade física, o contato olho no olho, o cheiro, o abraço, o beijo. Não tem nada melhor do que ler para o seu filho uma história que ele adore e no final escutar: “Obrigado papai! Adorei essa história! Vou dormir pensando nela!…”. E dar um grande beijo carinhoso. Desta forma simples, você pode estar educando um novo Einstein para esse planeta! Não é fantástico? Acredito que você ainda não parou para pensar sobre o que acabei de colocar e espero que esse pequeno texto lhe leve a uma boa reflexão. Ainda não tenho filhos, mas quando eu for pai quero ser assim com meus filhos. Vou ler para eles histórias que eles amem, e não que eu ame, isso é outro ingrediente fundamental. Nós não estamos nas suas mentes e aquilo que parece ótimo para nós, pode não ser para eles e devemos ter essa consciência. Devemos ler para eles, e não para o nosso reflexo no espelho, entende?

Vamos aprender um pouco mais com esse educador maluco chamado Albert Einstein? Ele não é apenas o homem da relatividade, do efeito fotoelétrico, das teorias de campos… Ele também é um grande educador! Que deu a dica preciosa para criar novos meninos gênios! Aos que tiverem a sabedoria para acolher sua mensagem, a sementinha já está lançada, que ela encontre terra fértil para germinar…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

A palavra crise segundo Albert Einstein

Por Isaias Costa

canal-do-empreendedor-albert-einstein

Depois de tudo o que eu já passei, sofri, superei e mudei em mim, se existe uma palavra que passei a enxergar com olhos muito mais profundos se chama CRISE. Já escrevi um pouco sobre isso aqui, mas hoje quero trazer a genial visão de ninguém menos que Albert Einstein. Veja…

“Não pretendemos que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo. A crise é a melhor benção que pode ocorrer com as pessoas e países, porque a crise traz progressos.

A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias.

Quem supera a crise, supera a si mesmo sem ficar “superado”.

Quem atribui à crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio talento e respeita mais aos problemas do que às soluções.

A verdadeira crise, é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a esperança de encontrar as saídas e soluções fáceis.

Sem crise não há desafios, sem desafios, a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há mérito. É na crise que se aflora o melhor de cada um. Falar de crise é promovê-la, e calar-se sobre ela é exaltar o conformismo.

Em vez disso, trabalhemos duro. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la.”

Albert Einstein

Essas são palavras de uma profundidade impressionante. Além de ele estar falando da palavra crise em si, também está falando sobre a mediocridade. Um dos motivos para que a mediocridade se instale tão fortemente em nossa sociedade é que boa parte das pessoas têm medo de superar os seus limites, medo de avançar, estão enclausuradas e aprisionadas a coisas pequenas, estão conformadas com a realidade em que vivem, se sentem anestesiadas diante desta sociedade corrupta que tenta sugar até a nossa alma. Não meus amigos! Não pode ser assim! Não podemos deixar que isso aconteça!

Um dos principais motivos para que eu escreva quase diariamente é que eu quero contribuir para que esse mundo seja um pouquinho melhor a partir das minhas palavras, ajudando os leitores a pensarem e tomarem decisões melhores e mais conscientes. Para muitas pessoas, que são as mais realistas, isso que estou dizendo soa como fantasia ou utopia. Mas nessa hora eu me lembro de um dos meus mentores, o empresário Flávio Augusto, que diferencia as pessoas visionárias das realistas. As visionárias procuram encontrar soluções para os grandes problemas da vida, levando outras tantas junto com elas, enquanto as realistas pensam que não existem soluções para os problemas, se deixam abater por eles, e depois que veem os resultados das visionárias, correm atrás delas dando tapinhas nas costas.

O Flávio Augusto me inspira muito com suas palavras tão profundas e sem rodeios. Quer se tornar um visionário? É possível! Mas para isso você deve se libertar da mediocridade! É fácil? Nem um pouco! É um caminho árduo! Que deve ser perseguido diariamente e com convicção! Se quiser ler um pouco mais sobre a mediocridade e sobre ser um visionário, deixo dois textos falando sobre esses temas. Confira…

A mediocridade das pessoas

Os líderes inspiram ação

E isso tem a ver com crise? Só tem! Leia essa frase:

“A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias.”

A criatividade nasce na angústia, ou seja, dos momentos de crise. Na crise nascem as invenções e surgem as grandes ideias. E quem cria as maiores coisas? Aquelas que revolucionam? Que beneficiam o maior número de pessoas? As visionárias! Eu quero ser um visionário e também lhe levar a ser um!

Sabe de outra coisa interessante sobre ser um visionário que muitos confundem ou não compreendem? Você não precisa ganhar rios de dinheiro para ser um visionário. Você só precisa ter grandes ideias e fazê-las acontecerem. O dinheiro está longe de ser o ponto primordial, o ponto primordial se chama MENTE. Só para reforçar essa ideia, cito o próprio Flávio Augusto. Quem já leu sobre sua trajetória, sabe que ele já trabalhou pegando metrô e ficando mais de duas horas por dia no trânsito, mas desde essa época ele já pensava como uma águia e sabia que iria voar longe. Você pensa que ele não era um visionário nesta época? Claro que era! Mas ele estava solidificando e aprimorando os seus conhecimentos para lá na frente fazer uma revolução e mudar a vida de milhares de pessoas. Queira ser uma águia! Você pode ir muito mais longe do que pensa! Para refletir um pouco mais sobre isso, compartilho o vídeo do “Geração de Valor” que fala sobre “A águia e a galinha”, vale muito a pena conferir! É um vídeo para abrir a mente…

Espero que você reflita bastante sobre essa visão da palavra crise totalmente diferente do que costumamos ouvir por aí, tão cheia de clichês e palavras prontas! Para continuar refletindo sobre essa palavra tão rica, deixo um texto que escrevi falando sobre alguns tipos de crise: financeira, dos relacionamentos e a existencial. Vale a pena conferir…

A palavra crise

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O mundo precisa de loucos

Por Isaias Costa

O que seria do mundo sem um louco como esse?

O que seria do mundo sem um louco como esse?

Recentemente li uma poesia fantástica que me fez refletir sobre a loucura. Será que a loucura é uma coisa ruim? Ou será que é o que mais está fazendo falta no nosso mundo? Não estou falando daquela loucura de hospitais psiquiátricos, estou falando daquela loucura boa, que nos faz sermos ousados e buscarmos caminhos diferentes e originais. Cada vez mais eu me dou conta que as pessoas que são consideradas loucas são as que mais contribuem para a melhoria do mundo. Exatamente! É como eu intitulei esse post. O mundo precisa de loucos. As pessoas estão se tornando o que luto todos os dias para não me tornar, PREVISÍVEIS. Você olha para alguém e já sabe tudo que ela vai fazer e muitas vezes até o que vai dizer. Isso é horrível e destruidor. E uma das primeiras coisas que destrói é a CRIATIVIDADE. Perceba! Não tem como uma pessoa previsível ser criativa, porque ela faz o que todo mundo faz, não inova, não foge às regras, não dá uma pitada de ousadia e não vive o valor da descoberta. Já os imprevisíveis não. Estes quase sempre são criativos, estão sempre com o cérebro fervilhando de ideias, estão sempre tomando atitudes mais ousadas e logicamente, agregando valor à vida das pessoas. Vamos ser loucos e fazer desabrochar em nós essa criatividade tão necessária.

Enfim! Vamos à poesia, da autoria de Avany Morais.

Loucos

Falar de loucos é falar de sábios!
Posto que, loucos veem além da visão…
Sentem nos lábios a essência da vida
E discordam, sem pedir permissão.

Loucos… Precisamos destes loucos
Para virar a mesa, jogar o jogo bruto,
Mudar o mundo, as regras, não aos poucos,
Mas mudar abruptamente, num espaço curto.

No caos que se encontra nosso País no momento,
Atravessando duramente tanto descontentamento,
Para mudar, hoje, ser louco é a única solução.
Somente um louco, poderia revolucionar a nação.

Um louco que sonhando seja capaz de o mundo mudar…
Que vivendo seja na terra, no ar ou no mar, ouse…
Crie, invente, faça seu pensamento ecoar, vibrar…
Sem medos, sem tabus, um louco essencial capaz de amar.

Você percebe a maravilha que acabou de ler? Os loucos são os sábios. São aqueles que revolucionam o mundo, que fazem o mundo sair da mesmice e do marasmo. Sem os loucos, o mundo não teria graça nenhuma, nem graça de riso, nem graça de bênçãos. Eu amo os loucos, tenho uma admiração sem palavras por eles. Eu quero ser louco, quero lhe convidar hoje a também fazer parte desse grupo seleto e que também queira se orgulhar de sê-lo.

Tem uma frase de um cara que sou fã e já falei inúmeras vezes dele aqui. Estou falando do mestre Raul Seixas. Em sua música “maluco beleza” temos a frase: “Vou ficar, ficar com certeza, maluco beleza…”. Raul era louco e adorava isso, e na música “quando acabar o maluco sou eu” temos a frase: “Eu sou louco, mas sou feliz. Muito mais louco é quem me diz, eu sou dono do meu nariz, em feira de Santana ou mesmo em Paris...”. Nessa última frase percebemos claramente a sua ousadia e vida totalmente sem regras. Essa vida sem regras o fez desenvolver todo o seu potencial artístico, mas foi uma pena, porque também o levou a autodestruição. É nessa hora que digo que é importante dosar. Precisamos ser loucos, mas loucos moderados. Precisamos desenvolver aquela loucura que aguça a percepção e a criatividade, que são tão importantes para a melhoria pessoal e coletiva.

As palavras do fim da poesia também são bem filosóficas. São os loucos essenciais que fazem o mundo ser melhor. Eu adoro a palavra ESSENCIAL, e sempre que leio essa palavra me recordo do livro “o pequeno príncipe” e de sua célebre frase: “o essencial é invisível aos olhos”. Essa frase se encaixa perfeitamente nos loucos, pois eles têm algo essencial e que é invisível aos olhos, que se chama CRIATIVIDADE e OUSADIA. Dois ingredientes que fazem o mundo ser melhor e evoluir.

Você conhece uma das campanhas publicitárias mais famosas do mundo? A campanha da empresa Apple de 1997. Seu texto fala sobre os loucos como sendo as pessoas que mudam o mundo! O vídeo inspirador está logo abaixo.

“Isto é para os loucos. Os desajustados. Os rebeldes. Os criadores de caso. Os que são peças redondas nos buracos quadrados.
Os que vêem as coisas de forma diferente. Eles não gostam de regras. E eles não têm nenhum respeito pelo status quo. Você pode citá-los, discorda-los, glorificá-los ou difamá-los.
A única coisa que você não pode fazer é ignorá-los. Porque eles mudam as coisas.
Eles inventam. Eles imaginam. Eles curam. Eles exploram. Eles criam. Eles inspiram.
Eles empurram a raça humana para frente.
Talvez eles tenham que ser loucos.
Como você pode olhar para uma tela em branco e ver uma obra de arte? Ou sentar em silêncio e ouvir uma música jamais composta? Ou olhar para um planeta vermelho e ver um laboratório sobre rodas?
Enquanto alguns os vêem como loucos, nós vemos gênios. Porque as pessoas que são loucas o suficiente para achar que podem mudar o mundo, são as que de fato, mudam.”

Portanto amigos. Vamos desenvolver essa loucura saudável e tão necessária nesse mundo de hoje. Um mundo coberto por pessoas medíocres que só pensam na vida como um passar de dias, que não se abrem ao novo e às possibilidades. Observe os loucos da humanidade, todos eles podem lhe ensinar a ser alguém melhor e mais criativo. Vou citar apenas alguns: Albert Einstein, Thomas Edison, Isaac Newton, Galileu Galilei, Nicolau Copérnico, Johannes Kepler, Arquimedes, Aristóteles, Leonardo da Vinci, Freud, Nietzsche, Rubem Alves, Mário Quintana, Clarice Lispector, Arthur Schopenhauer, Montesquieu, Carl Jung, William Shakespeare, e por aí vai. Eu amo todos esses loucos que citei e muitos outros. São esses loucos que fazem com que eu eleve os meus pensamentos a níveis que jamais conseguiria sozinho. Eles são grandes amigos meus. Não tenho contato com nenhum, vários já morreram, mas são grandes amigos, porque contribuíram e ainda contribuem para o meu crescimento humano e intelectual.

A ampliação do conceito de amizade- Parte 1
A ampliação do conceito de amizade- Parte 2

Vou concluir deixando um vídeo de outro louco que me inspira muito a escrever, estou falando do empresário Flávio Augusto, administrador do “Canal Geração de Valor” no facebook. Nesse vídeo ele conta parte da sua trajetória de sucesso e fala também das pessoas que o chamavam de louco e que hoje dão tapinhas nas suas costas. É um vídeo maravilhoso e que pode lhe inspirar a ser um pouco mais louco!

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

8 Comentários

Arquivado em Uncategorized