Arquivo da tag: sociedade

A negligência do brasileiro em geral

Por Simone Oliveira

Há muito tempo tenho estado a analisar o comportamento das pessoas ao meu redor de modo mais profundo e tenho notado que a grande maioria tem potencial para demonstrar diversos sentimentos bons através de ações. É aí que encontrei a extroversão e o calor do nosso povo. Porém, um traço ainda mais forte é essa tal da negligência, vista de longe e que chega a incomodar, causando aversão.

Parei para pensar o porquê de ninguém falar sobre isso. Preferimos fechar os olhos e fingir que ela é apenas parte da cultura, ou pior, que não é um defeito propriamente dito, e sim meras falhas pertencentes a TODO SER HUMANO. Nunca assumimos a culpa pelos nossos erros, sempre nos escondemos na multidão usando o pronome “nós” ou o sujeito “raça humana”.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O efeito dominó do medo

Por Isaias Costa

shutterstock_272625332-810x540

O Brasil está atravessando um longo período de crises, e a esperança das pessoas tem ido por água abaixo de forma bem evidente.

Lendo as palavras do terapeuta holístico Prama Shanti, fiquei refletindo sobre as causas de tudo isso! Você sabia que não é por causa da política simplesmente? Ela apenas contribui, mas a causa é muito mais embaixo. Confira!

***************

“É necessário uma crise para instaurar o medo coletivo e manter o controle. O medo torna-se uma grande egrégora, uma potente forma pensamento que entra pelos chacras e contamina a todos que se harmonizam com ela. Seus receios tornam-se medos com muito mais facilidade. O medo corta sua ligação com o Todo e lhe prende a matéria. Achata você no chão. E o medo gera mais medo.

As pessoas com medo falam de seus medos aos amigos, que ficam receosos e com medo. O espiritual se afasta da mente das pessoas e o material passa a ser o mais importante. A crise passa a ser o assunto de todas as rodas. O medo derruba a ética e a moral, aumenta o consumo de álcool, os excessos e a busca pela inconsciência. E todos são entregues de bandeja às forças trevosas, que passam a manipular corações e mentes cada vez com mais facilidade. O medo é gerado pela ansiedade com relação ao futuro. O oposto do medo é a confiança. Confiar no seu caminho, no seu Deus. Pensar no agora, que é a única coisa que nós temos, o futuro não é nosso.”

=> Clique aqui para ler o texto completo

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Eu precisava dizer (parte 2)

Por Simone Oliveira

Esclarecendo alguns pontos que podem não ter ficado bastante frisados no texto anterior [link aqui].

Se você é bom entendedor, as meias palavras bastaram. Mas como a internet é um meio insípido, senti a necessidade de escrever a parte 2, para que não viessem me atacar (algo comum, quando se discorda das opiniões do autor, ataca-se a pessoa e não seus argumentos) como já vi acontecer.

Vamos lá:

Tópico 1 – A mulher e o homem são cobrados de maneiras diferentes.

cobranças da sociedade

Homens, ao chegarem a fase adulta, ouvem diversos comentários sobre terem arranjado ou não namoradas/esposas, serem bem colocados no mercado de trabalho, salários razoáveis, pressão em terem mais e mais influência dentro de seus meios sociais, exercerem liderança, ganharem promoção, etc.

Mulheres hoje em dia também sentem que devem ter bons empregos e sua independência, mas que no fundo elas devem deixar todos os seus desejos de lado para construir uma família feliz e estruturada, pois seus trabalhos tendem a nunca apresentarem a mesma importância que o trabalho do homem. Elas sentem que devem ser sempre bonitas, centradas e abnegadas, submissas sem deixar sua individualidade em segundo plano.

A mulher sente pender para o lado da cerimônia enquanto o homem sofre grande pressão para o sexo. Existe um entendimento comum de que para o homem o casamento tem significado de prisão. Não é à toa que são ouvidos comentários como “sossegou!”. “Game over”. “A mulher aquietou o fulano. Agora ele não vai mais pra balada, zueira, bebidas, casas noturnas, etc”. “Aquele foi fisgado.” “A dona o prendeu.”

Então, quando um casal de namorados resolve que ainda não é a hora certa para assinar os papéis (seja qual for o motivo), os amigos do cara comemoram, mas as amigas da garota sentem pena dela ou dizem que ela está sendo trouxa por esperar, perguntam se já tem data marcada ou então se já estabeleceram o tempo correto.

E isso se torna ainda pior no meio cristão, pois o sexo pré-conjugal é constantemente recriminado, o que gera insatisfação por parte de ambos. A mulher por sempre ouvir que deve se casar logo, e o homem por saber que antes disso irá ter que se preservar virgem. A mulher sente crescer a constância das indagações sobre a data do evento e o porquê de terem decidido esperar. O homem recebe críticas pesadas sobre sua sexualidade e é chamado de nomes pejorativos cada vez que o assunto “sexo” vem à tona.

Depois de casados, ambos sentem crescer a cobrança por filhos. A mulher se sente mais responsável cada vez que o assunto é tocado pois ela é a geradora. O homem sente receio, pois sabe que os gastos irão aumentar e a presença dele dentro de casa será imprescindível. A responsabilidade aumenta, “mas a felicidade compensará”, eles dizem.

Quando o filho vem, a mulher não tem escapatória e nem desculpas. Ela será quem irá cuidar do filho nos próximos meses, e, se decidir, largará o emprego de vez para educar o ser humano que acabou de nascer. Em muitos casos é isso o que ocorre, e outros, a mulher tem que se virar para cuidar de casa, do filho, do marido e de si.

A vida se arrasta desde então, entrando na rotina. Muitos casais se separam, muitos vivem em pé de guerra e desaprovam as ações uns dos outros, se afastando mais e mais da felicidade, da plenitude de espírito que tantos disseram que eles alcançariam se tivessem filhos. Um lembrete importante é o de que: se não está bom sem filhos, com eles a tarefa ficará mil vezes mais difícil. Portanto, o melhor a se fazer é resolver a situação para depois pensar em colocar mais alguém no mundo.

Mas é óbvio que para quem tem o sonho de viver uma realidade nos moldes que a sociedade impõe, não porque foi doutrinada, e sim porque gosta desse estilo e quer adotá-lo para si, ótimo! Aí fica fácil, as pressões não são sentidas e a vida que segue. O problema está em quem não se sente bem com isso, aí a coisa pega! Sou super a favor de quem adota a vida de mãe trabalhadora, esposa e dona de casa. É admirável! Sou a favor mais ainda de quem não tenta impor os mesmos modelos “a torto e a direita”, dificultando e impedindo as escolhas do próximo.

Tópico 2 – A decisão que tomamos deve ser baseada em nosso estilo de vida e não nas decisões alheias, muito menos nas pressões sociais.

tá todo mundo fazendo

Algo que em tese é de fácil compreensão, na prática se torna complicado, uma vez que sempre somos colocados contra a parede sobre as nossas próprias escolhas em relação ao senso comum sobre o que significa felicidade.

Não sei bem o qual é a ideia dos que pensam que a intimidação seja o melhor método de convencimento, mas acredito que, apesar de ter sido dura nas palavras no primeiro texto (acredite, foi preciso, devido ao teor dos argumentos defendidos)  creio que sim, muitos projetam nas pessoas ao seu redor o ideal de vida que elas gostariam de ter tido, mas por questões que surgiram ao longo da jornada não puderam realizar e o tempo passou e elas desistiram, ou por falta de força de vontade ou por perderem a oportunidade. Então, sim, muitos não fazem de propósito ou para magoar, muitos fazem porque acreditam que esse seja o caminho mais simples e destro a se seguir.

Sendo assim, cabe a nós julgarmos os conselhos que servem e os que não servem para a nossa vida, e jogar fora aquilo que não nos atrai, que não fará bem para nós como indivíduos adultos, racionais e donos de nossos próprios anseios.

Tópico 3 – O mundo está cheio de pessoas que julgam a forma como as outras levam a vida. Não seja mais uma.

você é perfeito

Esse talvez seja o ponto mais delicado que eu já toquei desde que comecei a escrever. Por isso é importante que se tenha um espaço em que você possa defender as suas ideias, argumenta-las e contrapor suas razões de maneira geral, sem ferir ou denegrir a imagem de ninguém.

Eu sei que em todos os locais existem pessoas boas e más. Porém, decidi falar pelo meu conhecimento de causa.

Posso parecer a ovelha negra da família por assumir publicamente que os evangélicos são, em sua maioria, pessoas preconceituosas e julgadoras, metidas a santas (que as vezes cometem erros escandalizadores e são frequentemente ridicularizados por isso, e com razão! Pois apontam os dedos aos que não concordam com seus ensinamentos, mas não agem conforme o que educam. Para mim, hipocrisia não merece vista grossa).

O fato é que por ser cristã e estar presente no meio de pessoas de tal modo me fez enxergar que hoje o método mais promissor de levar a mensagem de amor de Deus é pelo exemplo, pela ação solidária e pelo estudo da palavra de Deus com sinceridade de coração, pelo autoexame diário das imperfeições particulares e pelo constante esforço em tentar mudar, confiando em Deus e mostrando aos que ainda não tem essa perspectiva que é possível ser exemplo, como Cristo foi, por querermos imitar a quem seguimos pela gratidão que sentimos ao seu ato de amor Divino e santo. E não por nos acharmos melhores que os outros.

Ao aceitarmos a Deus, não nos tornamos perfeitos, nos tornamos justificados e perdoados, mas é uma luta a cada segundo contra nossas próprias vontades humanas. Luta essa que é deixada de lado a cada palavra ferina dirigida aos que não fazem parte do meio cristão, a cada olhar discriminatório encaminhado a pessoas que decidiram fazer tatuagens, colocar piercings ou se vestir diferentemente do convencional. O propósito de ser cristão se deturpa a cada piadinha de mal gosto proferida por um religioso envolvendo negros, pobres, mulheres e animais.

E por fim, o nome de Cristo é envergonhado a cada momento que prostitutas e transexuais são ridicularizados e lembrados que estarão no inferno no dia em que morrerem e que isso é fruto de suas escolhas de vida fácil nessa terra. Homossexuais são os que mais sofrem nessa história, e Deus se entristece ao perceber que um filho seu trata com desprezo aos seus semelhantes justo quando eles mais precisam de carinho e atenção.

Talvez por isso tanto ódio seja despejado contra os crentes. A própria designação já é motivo de chacota. Não os culpo. Muitos fizeram por merecer esse estigma, porém, todos pagam por isso. Dessa forma, peço perdão se alguma vez, e isso com certeza já aconteceu, o preconceito no meio evangélico foi mais forte. As palavras podem ter machucado, gerado ódio e aversão, mas quero dizer que nem todos são iguais. Não generalize. E lembre-se: Se você é cristão e age assim, lute para mudar. Do contrário, quem não irá para o céu será você.

Tópico 4 – Assuma as consequências das suas escolhas. Não vale reclamar, depois que você tomou para si os conselhos errados.

pare de culpar os outros

Decidiu se casar? Assuma as responsabilidades.

Decidiu ter filhos? Assuma as responsabilidades.

Decidiu ficar solteiro(a)? Assuma as responsabilidades.

Decidiu montar um negócio próprio? Assuma as responsabilidades.

Decidiu qualquer coisa para a sua vida? Assuma os riscos, responsabilidades e consequências.

não culpe ninguém

E, por último, fechando com chave de ouro: Não se prenda aos comentários bisbilhoteiros quando resolver fazer o que você tanto ama. Não dê tanta importância às palavras. Os resultados positivos começarão a aparecer. Confie, você verá!

euSimone Oliveira. Santos-SP. Bacharel em Engenharia Civil por formação e escritora por gosto. Estuda para concursos e se dedica às aulas particulares de exatas, ao namorado, à família e às suas atividades na igreja. Ainda não descobriu seu propósito na vida, mas tem certeza de que tem um. Pede que Deus a guie por esse caminho até a sua volta.

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Eu precisava dizer

Por Simone Oliveira

margarina_3

A família perfeita da propaganda de margarina…

Tenho que contar um segredo; ele estava engasgado na minha garganta há algum tempo. Venho sentido uma pressão cada vez maior da sociedade sobre as minhas costas para que eu construa uma vida dita normal.

“O que é uma vida normal? ” Muitos iriam perguntar. Eu diria, baseada nos estigmas pré-concebidos sobre os quais sou julgada constantemente, que a vida normal que eles pregam é na verdade o cumprimento das seguintes premissas (ALERTA: PREPARE-SE PARA UMA UMA ENXURRADA DE FATOS NARRADOS COM SARCASMO LEVEL +10000):

  1. Escolha o que você quer para sua vida: se forme no Ensino Médio tendo decidido com toda a clareza do mundo de quem acabou de terminar o colégio qual é a faculdade/profissão que você quer seguir. Nessa decisão, é estritamente necessário que se inclua ganhar dinheiro (muito muito muito muito importante! Já disse que é muito importante? Pois é!), status (numa escala de 0 a 10, vale 9, estando um degrau abaixo do dinheiro) e poder. Ah sim, claro, lembrando que é a sua escolha, então certifique-se de fazer o que gosta! (Desde que inclua os itens da lista, se não, descarte. Vai ser furada de qualquer jeito).
  2. Entre na faculdade logo após encerrar o ensino básico. Mas não pode ser qualquer faculdade, tem que ser a melhor na sua área. Estude como se isso valesse a sua vida para passar nos vestibulares mais concorridos e estampar seu nome junto aos aprovados para aquele curso que você “tanto sonhou”.
  3. Se dedique a faculdade. Arrume um emprego também. Dezoito anos, segundo ano da faculdade…Hora de trabalhar! Sabe como é, não é? Mente vazia é oficina do Diabo. Comece a ganhar seu próprio dinheiro, seus pais não são obrigados a te manter, e eles já fizeram demais por você. Quando vai começar a criar responsabilidade pela sua própria vida? Mas continue obedecendo seus pais. Eles sabem o que é melhor pra você. Dê orgulho a eles. Tenha notas altas no seu curso, não fará nada mais do que a sua obrigação.
  4. Se formou? Já trabalha na área, não é? NÃO? COMO ASSIM? Arrume um emprego na sua área! Já arrumou? E agora? Ainda não? Ah, mas você vai ver como daqui a pouco já estará trabalhando. É tão gostoso fazer o que você gosta, não é? O que estudou tanto para conseguir! Você sempre foi uma ótima aluna, tenho certeza de que não vai ser diferente no mercado de trabalho. Eles logo vão ver isso em você. Você tem capacidade. Estou torcendo por você!
  5. Já arrumou emprego. E a pós-graduação? Quando vai começar? Você tem interesse em que área? Vai fazer pós na área que está trabalhando? É sempre melhor, certo? Você não pensa em fazer um mestrado? Dar aula em faculdade parece muito bom! Porque não tenta?
  6. Você ajuda em casa? Quero dizer, já que você não tem empregada, você deve fazer tudo. Seus pais estão ficando velhos, você deveria ajudar! Não acha? Você sabe cozinhar? Não sabe? Pois já está mais do que na hora de aprender! Onde já se viu uma mulher (engraçado que nessas horas viro mulher, mas nunca, jamais, sou uma mulher na hora de confiar uma tarefa que signifique se aparecer demais e fazer de menos. Nessas horas sou apenas uma menina), como você, não saber cozinhar? Seu namorado não reclama? Homem quer casar com mulher que saiba cozinhar! Você tem que aprender logo!
  7. Quanto tempo mesmo você está namorando? Tudo isso! E quando vão casar? Estão demorando, hein? Não acha que já está na hora de juntar os trapos? O tempo está passando! Quando chega o casório? Quero saber da festa! Vocês têm que casar logo! Se não ficam muito velhos pra ter filhos… Sabe como é…
  8. Parabéns! E quando vem o bebê? O bebê é pra quando? Coloquem uma criança no mundo! Não sentem que está faltando algo? Vocês se sentirão mais completos quando chegar a cria. Veja o casal x, depois que teve filho é muito mais feliz! Vocês não sabem o que estão perdendo! Vocês estão tentando? Algum de vocês tem ‘problema’ pra engravidar? Já consultaram um médico? Está tudo bem? Olha se quiser eu posso indicar um…
  9. O pequeno está crescendo. E quando vem o próximo? Já voltou a trabalhar? Como você está lidando com a rotina? A vida gira em torno dele, não é? Você já pensou em ter outro bebê? Criança nunca é bom uma só. Tenha outra, você vai ver como vai ser ótimo! Eles vão crescer juntos! Tão lindos! Você está educando seu filho direito? Já colocou na escolinha? Ele dá muito trabalho? Ele mama no peito? Você tem leite? Nossa, desde que teve filho nunca mais saiu! Você não cansa de ficar dentro de casa? Quando volta a participar das programações?
  10. Os filhos cresceram. Vão estudar fora? Já entraram na faculdade? Casaram?! Tão novos! Como está sendo agora que os filhos não estão mais em casa? Você sente falta? Sente saudade? É a síndrome do ninho vazio! Você vai se acostumar com o tempo. Daqui a pouco você nem lembra. E os netos? Já teve notícias? É gostoso, não é? Você deve ser uma vovó coruja! Deve mimar muito seus netinhos! E quanto mais, melhor! Quantos netos você tem? Um, dois, três?
  11. Parabéns. Você conseguiu. Tome seu certificado de vida normal.

Ah, que pena! Ela faleceu. Uma pessoa tão boa, uma boa filha, profissional, mãe dedicada, avó maravilhosa, fazia de tudo pelos seus. Uma perda. Mas é a vida, ficamos velhos e só nos resta esperar a nossa hora. A dela chegou. Viveu tudo o que tinha pra viver. Aproveitou a vida e deixou os herdeiros aqui. Realmente um exemplo de pessoa. Adeus.

Sinceramente, isso cansa! Viver para satisfazer anseios egoístas, mesquinhos e invejosos dos curiosos de plantão enjoa! Ser obrigada a ouvir toda essa baboseira de dúvidas e comentários ridículos sobre a minha vida, que não passam de intromissão dos múltiplos olhares curiosos gera fadiga! Pessoas de mente vazia arrumam tempo para dar pitaco na vida alheia a fim de se sentir grandes sabedores das verdades existenciais, mas no fundo não querem o bem de quem aconselham, querem apenas mostrar serem sábios ou uma falsa boa intenção. Muita hipocrisia. Quase nada de bondade. Corações transbordando de inveja e sede por saber dos podres, saber das dificuldades e dos problemas que estamos passando. E tudo para que? Para se sentirem melhores, se sentirem no topo.

fofoca

Antes das redes sociais a difamação era menor. Hoje em dia ela tomou níveis puramente inaceitáveis.

Só mais uma reflexão final: E se…

Eu não quiser seguir a profissão que eu escolhi quando saí do ensino médio (por tantas razões que eu também não preciso contar)?

Eu quiser continuar estudando para arranjar um emprego melhor, ou até mesmo tentar algo novo pra fazer?

Eu não quiser – ainda que eu tenha o meu sistema reprodutor em perfeitas condições – ter filhos?

As minhas prioridades forem cuidar de mim, viajar, trabalhar no que gosto e me aperfeiçoar nas tarefas que realizo, ao invés de dedicar meu tempo a ter filhos e cuidar de netos?

Eu demorar mais 5, 10,15,20 anos pra casar? O que muda pra você?

Eu nunca precisar aprender a cozinhar e cuidar de casa, por ter como pagar alguém para fazê-lo por mim?

keep calm

Eu posso ser o que eu aspirar! Posso sentir e fazer e experimentar o que eu bem quiser e se eu achar melhor viver o avesso da vidinha sem-graça e pré-concebida, cheia de regrinhas de ser-ou-não-ser, me deixa viver! Juízo eu tenho, não preciso de ninguém me dizendo o que fazer.

OBS: Esse não é um típico discurso feminista muitas vezes discriminado por aí. Não. Isso são experiências pessoais; veja, em nenhum momento eu falei sobre temas específicos do feminismo (como o aborto, o papel da mulher no mundo contemporâneo, a importância de falar sobre os direitos das mulheres etc) porque não coaduno com a posição adotada pelas defensoras desse movimento. Não penso que seja assim que as coisas funcionam. Apenas não concordo com o modo como as pessoas tratam as próprias pessoas e só. Assim como eu enfrento esses questionamentos tenho consciência de que muitos homens, gays, trans, bissexuais, etc também passam por situações semelhantes e sei que isso deve incomodar, porque a mim incomoda demais. E não, eu não vou ceder. Não posso aceitar que se viva dessa forma, que tenha que se encaixar em padrões para ter uma vida plena. Eu tenho fé nisso, pois sei que a minha vida já é perfeita em muitos aspectos. E grande parte dos padrões estabelecidos pela sociedade não ajudam a construir um mundo melhor, com mais amor e profundidade de relacionamentos, na verdade, eles só atrapalham.

euSimone Oliveira. Santos-SP. Bacharel em Engenharia Civil por formação e escritora por gosto. Estuda para concursos e se dedica às aulas particulares de exatas, ao namorado, à família e às suas atividades na igreja. Ainda não descobriu seu propósito na vida, mas tem certeza de que tem um. Pede que Deus a guie por esse caminho até a sua volta.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Escutar para compreender, não para responder

Por Isaias Costa

aprendendo-a-escutar-como-aumentar-seu-poder-de-persuasao-792x419

Esses dias estava assistindo a uma palestra maravilhosa com a Couch Carolina Nalon e que me inspirou a escrever esse pequeno texto que você lê agora.

Ela falava sobre o tema de suas pesquisas e estudos que é a Comunicação Não Violenta (CNV) e o quanto ela é vital no mundo de hoje.

Essa comunicação não violenta está baseada em vários princípios, mas a Carolina enfatiza bastante dois, que são a EMPATIA e a COMPAIXÃO.

Quando eu alio os dois na hora de conversar com as pessoas, eu naturalmente gerarei uma conexão interessante e que poderá até mesmo levar a pessoa a se curar de pelo menos parte das suas dores emocionais.

Quando eu me comunico dessa maneira, eu sei que a outra pessoa sofre e que tudo o que ela deseja é superar esse sofrimento. Então o que eu puder fazer para ajudar nesse sentido eu o farei.

Essa é uma capacidade inata de todo ser humano, mas parece que estamos engavetando essa capacidade incrível de nos conectarmos de uma forma bonita com as outras pessoas.

Ela faz um alerta nesse vídeo e que eu reforço aqui, a população está crescendo absurdamente e no final do século XXI existem previsões de que a população já tenha ultrapassado os 10 bilhões de habitantes. Você tem ideia da complexidade que é viver num planeta com mais de 10 bilhões de habitantes? Cada um com uma consciência diferente?

Nessa hora eu replico o que muitos terapeutas atuais dizem constantemente: cada um de nós precisa se tornar um pouco terapeuta.

Porque se não for desse jeito, viveremos praticamente num campo de guerra, prontos para nos atacarmos a toda hora! É isso que você quer? Se você está lendo esse texto já é uma prova de que NÃO QUER.

Essa frase dita pela Carolina é muito impactante e verdadeira: “Precisamos aprender a escutar para compreender, não para responder”.

Nós temos um verdadeiro vício de simplesmente ouvir de uma forma mecânica, sem de fato escutar o outro. Ouvir é simplesmente o ato de decodificar aquilo que a outra pessoa está falando, são as vibrações que acontecem nos ossículos do ouvido médio e captação de sons no ouvido interno até levar ao nervo auditivo.

Isso não tem nada a ver com escutar, que requer COMPREENSÃO das palavras do outro! Requer um esforço para se conectar a ele de alguma maneira. Infelizmente, devido ao mundo corrido e adoecido no qual estamos inseridos, a maioria das pessoas está presa no seu mundinho e não deseja ter essas conexões mais empáticas e verdadeiras!

Esse vídeo e esse pequeno texto são alertas para que você procure de fato começar a olhar para si mesmo com esse desejo de melhorar a comunicação, porque como já falei antes, isso é algo vital e nesse mundo contemporâneo, é algo cada vez mais importante.

Deixo você agora com as reflexões super profundas e importantes da querida Carolina Nalon. Garanto que valerá a pena cada um desses 18 minutos que ela fala sobre essa comunicação não violenta…

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

As consequências da nossa falta de percepção

Por Isaias Costa

2jpg_194

Estava eu no trânsito, nesses últimos dias, voltando do trabalho para casa em pleno horário de pico, quando de repente, vi uma cena que tenho a mais absoluta certeza de que é mais comum do que se imagina!

A rua que estava era bem estreita e nela passam ônibus o tempo todo. Percebi que uma fila enorme de carros se formou e na mesma hora pensei: “Vixe! Deve ter sido uma batida…”. Como ando de moto, cortei os carros pelo corredor de motos até chegar no ônibus que estava embaçando tudo.

Continuei pensando: “Deve ter sido esse ônibus e uma carro”. Contornei os carros e esse ônibus pelo canteiro e percebi que não era batida coisa nenhuma. Sabe o que era? Um senhor havia estacionado o seu carrão imenso exatamente na mesma altura do carro estacionado à sua esquerda! Resultado? Entre eles mal dava para passar outro carro, quanto mais um ônibus!

=> Clique aqui para ler o texto completo

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Por que Jesus falava: Em verdade, em verdade, vos digo?

Por Isaias Costa

maxresdefault

Esses dias estava assistindo a uma palestra de um excelente professor de Psicopedagogia e Psicanálise da cidade onde moro (Fortaleza), na qual ele falava sobre temas da Psicanálise na Pós-Modernidade.

Durante a palestra ele levantou uma reflexão que num primeiro momento parece algo confuso, mas quando se explica com calma é possível entender a lógica.

Existem 4 possibilidades quando alguém fala alguma coisa, são essas:

VERDADE VERDADEIRA

VERDADE MENTIROSA

MENTIRA VERDADEIRA

MENTIRA MENTIROSA

Vamos entender quem são as pessoas de cada uma dessas possibilidades!

1) VERDADE VERDADEIRA

Essas são as pessoas de fato SINCERAS e HONESTAS, profundamente verdadeiras e que vivem tudo aquilo que falam e pregam. É daqui que entendemos o por quê de Jesus sempre falar dessa maneira: “Em verdade, em verdade, vos digo…”.

Desde criança eu vivia me questionando sobre o porquê de ele repetir essa palavra verdade! Através dessa palestra isso ficou extremamente claro e agora estou transmitindo isso pra você!

A 1ª verdade tem relação com a MENSAGEM TRANSMITIDA, que de fato é uma verdade e tem muita profundidade na nossa vida.

A 2ª verdade tem relação com a PRÁTICA DA VIDA. Ou seja, ele está reforçando que tudo aquilo que ele está dizendo é vivenciado por ele na sua própria vida.

Não é interessante? Jesus é, em minha opinião, o exemplo mais perfeito e sublime do que vem a ser uma pessoa que fala a verdade verdadeira.

2) VERDADE MENTIROSA

Esse professor alertou a todos nós que esse é, sem sombra de dúvidas, o pior tipo, o pior dos quatro.

Entre eles estão praticamente a totalidade dos padres, pastores, e políticos. São aqueles que Jesus chamada de “sepulcros caiados”. Por fora com uma bela pintura de cal, mas por dentro são sepulcros apodrecidos, com o fedor de corpos em putrefação!

De nada adianta você pregar a palavra de Deus, falar bonito, convencer as pessoas, se passar por alguém reto, honesto, e por trás dos panos ser alguém que faz o total oposto.

É como diz aquele famoso ditado: “Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço…”.

Esses são os que dizem VERDADES MENTIROSAS.

Repito! Cuidado! Muito cuidado com esse tipo de gente! Eles são como um câncer para o progresso da humanidade.

Concluo esse tópico replicando uma das frases mais polêmicas e instigantes à uma bela discussão que já li até hoje! Se prepare viu?

“O homem só será livre quando o último rei for enforcado nas tripas do último padre”.

Denis Diderot

Quero aproveitar e esclarecer algo importante OK? Ele nessa frase está generalizando para TODOS os RELIGIOSOS FUNDAMENTALISTAS, que pensam que sua religião é a única que salva, a única que leva a Deus! Pode colocar também os bispos, clérigos, pastores, líderes religiosos e falsos gurus nesse bolo! Isso precisa ficar bastante claro pra você!

Sonho em ver uma sociedade mais evoluída onde não existam mais nem políticos e nem religiosos fundamentalistas, com suas verdades mentirosas…

3) MENTIRA VERDADEIRA

Nesse grupo estão as pessoas consideradas INGÊNUAS e BOBINHAS. São aquelas pessoas de bom coração, mas que não tem o poder de autorreflexão e senso crítico sobre as coisas!

Elas escutam tudo o que os outros dizem e ficam como se fossem “calanguinhos” só balançando a cabeça em concordância!

Elas falam mentiras pensando serem verdades!

Hoje em dia isso tem sido extremamente comum nas MÍDIAS DIGITAIS. Muitos vêm com notícias de sensacionalismo só querendo cliques e mais cliques em seus links, aí as pessoas sem terem esse senso crítico, acabam viralizando notícias falsas que nada tem a ver com a verdade!

Procure ter cuidado para não fazer parte desse grupo. Acenda suas lamparinas internas! Tenha senso crítico! Desconfie de tudo aquilo que você vê que não cheira bem, porque quase sempre não cheira bem mesmo!

4) MENTIRA MENTIROSA

Esses são fáceis de identificar. São aquelas pessoas que chamados de “ordinárias”, “cruéis”, “escrotas”, ou no dito mais popular ainda, pessoas “FDP”.

Elas são muito fáceis de identificar! Você não precisa ser “expert” em nada para perceber quando está diante de uma!

São aquelas pessoas que são ruins e não tem um pingo de remorso ou culpa por serem como são.

Elas estão todas doentes da alma e precisariam urgentemente de uma terapia, de uma reprogramação mental e emocional!

Mas até isso é difícil para elas, porque na grande maioria são pessoas extremamente orgulhosas e prepotentes, que pensam que são perfeitas e já são obras acabadas! Pensando bem! São obras acabadas mesmo! Porque  não buscam a evolução do espírito, não buscam crescer em consciência e amor!

Nem preciso me estender porque esse grupo é o mais fácil de identificar entre os quatro.

**********************

Gostou? Agora você já sabe porque Jesus falava “Em verdade, em verdade vos digo”. Para nos mostrar através de PALAVRAS e de ATITUDES, qual é o caminho mais correto para nossa evolução!

Como sempre gosto de dizer e não canso de repetir. O mestre Jesus é e sempre será minha maior referência na vida. Se você que me lê buscar de fato estudar a sua personalidade e toda a sabedoria do que foi dito e vivido por ele. Garanto a você que você se tornará um sábio e fará maravilhas em prol das pessoas!

Que sejamos duplamente verdadeiros, tanto nas palavras como nas atitudes…

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A diferença entre incentivo e cobrança

Por Simone Oliveira

Incentivo e cobrança. Você já pensou na relação entre essas duas palavras e em como elas são responsáveis pela maneira que lidamos com as situações da nossa vida em geral?

Por exemplo, caso seu chefe lhe diga em tom não muito amigável: “Fulano, preciso do relatório na minha mesa até às 16h.” O que você sentiria? Refazendo a pergunta de forma melhor: Como você SE sentiria?

O fato é que todos nós, em sã consciência, entenderíamos que o relatório deveria ser feito, custando o que fosse custar (talvez o seu horário de almoço? Talvez o intervalo de 15 minutos para o café? Não sei, são tantas as possibilidades!) até às 16h. Isso é óbvio! Ninguém seria maluco de pensar que seu chefe estaria lhe fazendo um elogio por sua extrema eficiência ao ponto de lhe implorar que usasse as suas notórias habilidades para lhe entregar o relatório até às quatro horas da tarde.

sombra

Então, esta é, claramente, uma cobrança.

Porém, não é sempre assim que as coisas acontecem. Em grande parte das vezes que recebemos tarefas elas vêm disfarçadas com um tom sutil de incentivo, e digo mais, no mundo de hoje as empresas são levadas a adotar um comportamento semelhante para com seus funcionários, apontando um ou dois de seus atributos para logo em seguida encherem-lhes de atividades que, em vários casos, vão além das especificidades de suas profissões ou exigem muito mais de que a capacidade pessoal permite, sem dar-lhes os treinamentos necessários, lembrando-os que a culpa por eventuais erros cometidos cairá sempre nas costas deles.
concorrência

Portanto, ocorre que se perdeu a noção de que instigação é diferente de cobrança. As pessoas vivem desconfiadas, amarguradas, arrumando desculpas e pretextos para se esquivarem das responsabilidades, falsificando sorrisos para seus colegas de trabalho quando na verdade desejam apunhalá-los pelas costas para ficarem com seus cargos de salários mais altos (às vezes a diferença da remuneração nem é tão grande, basta 200 reais a mais para haver a frustração sobre o fato de que o colega “suja menos a camisa” e recebe mais que eu).

baba ovo

bajulador

Assim, o mundo gira em torno do dinheiro e da busca por menos exigências para si e maior poder sobre o outro. E essa realidade é disfarçada, mascarada na seção dos Recursos Humanos como motivação, com planos de carreira bastante contraditórios e práticas baseadas na paparicação do superior para se conseguir a ascensão na corporação e pouca, ou quase nenhuma, preocupação com a qualidade do serviço prestado. Mas está tudo bem! Aparentemente o importante é que o trabalho esteja feito e entregue a tempo.

Rouchefoulcauld

Há falta de estímulo desde a infância. A pouca valorização da competência da criança em conjunto com a babação de ovo nas características físicas como beleza ou fofura colocam indivíduos que se esforçam desde pequenos para tirar 10 nas disciplinas escolares no mesmo patamar daqueles que fizeram o mínimo para alcançar a aprovação. E mais, as vontades infantis são supridas com extremo zelo, os pais fazem de tudo (inclusive contraem dívidas) para cederem aos caprichos dos filhos por brinquedos novos, mesmo quando eles já possuem tantos quanto podem brincar. É notável que o menino ou a menina use as roupas da moda, roupas de marca, tênis impecáveis, bonés e sandálias nos trincos, mas a falta de dedicação para as tarefas de casa é abonada ou fica em segundo plano. Ai do professor que ousar chamar a atenção porque o filho tem todos os tipos de canetinhas, canetas e lápis de cor possíveis, mas ainda não comprou o livro didático para acompanhar as aulas…

Somos consumistas e egoístas, só olhamos para os nossos desejos e aqueles do nosso lar, mas o sentido intrínseco dessa realidade ainda não foi atirado em nossos rostos. Nós ainda não caímos na real sobre o fato de que estamos criando um ambiente de hostilidade, onde no final não sobrarão nem os mais fracos, e muito menos os que se mostram mais fortes. Contribuímos para a manutenção de um sistema onde se planta espinhos para se colher flores, e isso é pura ignorância! Não funciona, simplesmente porque é contra a natureza das coisas. A não ser que sejamos sadomasoquistas e gostemos do autoflagelo e da mutilação do próximo, o fracasso é iminente.

É preciso parar e refazer a análise do ser humano como um todo, do significado da felicidade e de entender que o sucesso vem da diligência em todos os dias de trabalho duro com categoria e novas oportunidades de aperfeiçoamento técnico, e não do suborno ou da bajulação do chefe. Entender que todos nasceram para um propósito muito maior do que muitas vezes imaginam e fazê-los perceber que podem alcançar seus sonhos com força de vontade e disciplina. Enquanto não percebermos isso, a sociedade caminha a passos largos para a ruína.

euSimone Oliveira. Santos-SP. Bacharel em Engenharia Civil por formação e escritora por gosto. Estuda para concursos e se dedica às aulas particulares de exatas, ao namorado, à família e às suas atividades na igreja. Ainda não descobriu seu propósito na vida, mas tem certeza de que tem um. Pede que Deus a guie por esse caminho até a sua volta.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Parentificação: “Você agora é o homenzinho da casa…”

Por Isaias Costa

foto-mae-dormindo

Existe um termo interessante em Psicologia para tratar de um tema extremamente complexo nos relacionamentos humanos, que é a PARENTIFICAÇÃO.

Falarei brevemente nesse texto sobre esse tema e a importância de se buscar o equilíbrio emocional, para que os filhos sejam poupados de sofrimentos psicológicos que podem perdurar por toda a vida.

A parentificação é uma espécie de desvio psicológico no qual os filhos assumem o papel dos pais, causando desequilíbrios muitas vezes graves e “queima” de etapas da vida (a famosa perda da infância por exemplo).

Psicologicamente, é como se os filhos fossem casados com os pais, mas deixando bem claro que não estou falando aqui de relações incestuosas. Nada disso! É uma questão voltada para o papel social e familiar.

Os processos mais comuns de parentificação ocorrem em mães com filhos pequenos e que se tornaram viúvas, ou aquelas que se separaram dos seus maridos e se desencantaram a tal ponto de nunca mais quererem se casar de novo!

E sendo ainda mais específico. De um modo geral, acontece mais entre mães e filhos homens, por outra questão psicológica relacionada com o senso de PROTEÇÃO inerente ao ser masculino.

O homem, ao casar-se, assume o papel de protetor ou também de provedor da casa. Ele dá a segurança da família e da esposa, tanto financeiramente quanto afetivamente.

Se por algum motivo ele vai embora (morte, separação, doença degenerativa etc), a mãe espera que essa proteção, essa segurança, venha de outro lugar, e muitas vezes é transferida inconscientemente para algum filho.

Digo inconscientemente, porque nenhum filho deseja conscientemente se casar com a própria mãe. Inclusive aqui existe toda uma teoria extremamente ampla e complexa desenvolvida pelo pai da Psicanálise “Sigmund Freud”, que é o COMPLEXO DE ÉDIPO, no qual a criança entre 3 a 5 anos aproximadamente, sente, inconscientemente um encantamento pelos pais. O menino pela mãe e a menina pelo pai!

Não vou entrar no mérito da questão por ser esse um tema extremamente amplo e complexo. Mas segundo o próprio Freud, normalmente é nessa fase, chamada por ele de FÁLICA (3 a 5 anos) que ocorre os maiores casos de parentificação!

A mãe chega constantemente ao seu filhinho lhe dizendo:

– Olha meu filho! Agora você é o homenzinho da casa…

Então ele vai internalizando isso e acaba crescendo antes da hora, acaba se tornando um adulto sem ser, entende? E isso gera conflitos internos que se estendem por toda a vida!

Muitas crianças se tornam tão dependentes afetivamente das mães que na vida adulta têm dificuldade de se relacionarem afetivamente! Muitas vezes acontece de a mãe se tornar extremamente ciumenta com o filho e não permite que ele seja livre para viver um relacionamento feliz com uma garota etc etc etc.

Em muitos casos o filho que se casa com a mãe (metaforicamente falando), passa a vida inteira sem se relacionar afetivamente. Não consegue se casar nem ter filhos e depois que a mãe morre entra em uma depressão intensa, como se a vida tivesse perdido o sentido!

É comum aparecer em consultórios psicológicos homens de meia idade, em torno dos 50 anos, que dizem ter se dedicado a vida inteira a cuidar da mãe e que agora perderam o sentido da vida! Não conseguem se relacionar afetivamente com ninguém! Têm medo de terem uma vida sexual com alguém etc. Tudo se deve a esses distúrbios psíquicos por não terem vivido a infância e a adolescência como deveriam, sem tantas pressões para se tornar um adulto!

Afinal! O que fazer para minimizar tudo isso Isaias?

Bem! Existem diversos caminhos. Mas o principal eu diria que se chama SOLITUDE. Em minha opinião nada supera a solitude! E o que é a solitude? É você estar bem e feliz por estar sozinho. Ou seja, não ficar numa carência sem fim porque não está se relacionando com alguém amorosamente.

Esse recado vai principalmente para as mães de crianças pequenas que estejam lendo esse texto! Caso aconteça de você que é mãe ter se separado ou o marido tenha falecido, é importantíssimo que busque algo que preencha o sentimento de solidão sem ter que colocar os filhos na jogada entende? Pode ser a espiritualidade (que considero o melhor caminho), pode ser umas saídas com amigas, pode ser o desenvolvimento de novas habilidades e aptidões, fazendo cursos e especializações etc. Tudo isso pode ajudar a lidar melhor com o sentimento de vazio que vem da solidão!

Lembre-se: é possível transformar a solidão em solitude! Só depende de você! Se quiser uma boa dica nesse sentido, recomendo o excelente livro do Osho chamado “Amor liberdade e solitude”, no qual ele fala amplamente sobre os relacionamentos felizes e equilibrados e a importância de amar a si mesmo em primeiro lugar!

Tudo isso que estou falando é extremamente profundo e principalmente as crianças vão agradecer, porque elas não tem culpa nenhuma de serem colocadas para se tornarem adultas antes da hora! Com uma boa orientação, as mães podem desenvolver essa maturidade para educarem seus filhos com muita sabedoria, contribuindo para crescerem como grandes cidadãos transformadores da sociedade em que vivemos!

Eu sei que esse é um tema que “dá pano pra manga” e o que coloquei aqui foi uma pequeníssima pincelada. Recomendo a você que gostou da temática que aprofunde em livros de desenvolvimento infantil, psicologia da adolescência entre outros!

E compartilho abaixo um dos textos que li e que me inspirou a escrever esse texto. Vale a pena dar uma lida nele…

Link: Quando os filhos casam com os pais

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Está tudo bem mesmo?

Por Isaias Costa

tumblr_lfslomwi0a1qgzx27o1_500

A mentira está presente na nossa vida desde as coisas menores até as falcatruas desmedidas que vemos através do descaramento dos nossos digníssimos políticos.

Farei uma breve reflexão sobre uma mentira que todos nós contamos sem nem nos darmos conta, o tal do “está tudo bem”. Muitos vezes não está tudo bem, mas insistimos em vestir uma máscara para que as pessoas pensem que a nossa vida é um mar de rosas, são as mil maravilhas…

Li na página “Digestivo – Digerindo Sentimentos”, um texto lindo da escritora Stéphanie Waknin, que me inspirou a escrever esse texto. Abaixo está esse texto na íntegra.

***********

Os mentirosos – Por Stéphanie Waknin 

Eu minto, tu mentes, ele mente… todos nós mentimos, ainda bem. Caso contrário não haveria a menor possibilidade de convívio social. Mas o que eu quero falar hoje é sobre as mentiras que contamos para nós mesmos. Aquelas verdades que escondemos de tudo, de todos e da gente. Quero falar sobre todas as vezes que preferimos inventar histórias porque encarar a verdade era dolorido demais. Quem nunca?

Acho que a mentira mais comum que nos contamos é a de que “está tudo bem”. Temos uma enorme dificuldade em admitir que algo vai mal porque não fomos educados para isso. Somos ensinados, desde a infância, a reprimir nossos sentimentos, a engolir o choro e a entender que “não foi nada”.

Falar das emoções é difícil pra caramba porque não aprendemos a pensar sobre elas. Porque dói, porque balança as estruturas, porque nem sempre sabemos o que fazer com a sensação que vem. Então inventamos lindamente as nossas verdades a fim de sublimar qualquer tipo de desconforto.

Acho que o perigo do auto engano mora em ficar muito tempo sem contato com a própria realidade. Mentir pra si pode até ser uma auto defesa útil em um primeiro momento, mas ela precisa ser desmascarada para haver a cura do que te machuca.

Tem gente capaz de viver uma vida inteira se enganando, se declarando “bem resolvida”, quando no fundo seria muito mais importante reconhecer que não é possível bancar tudo. É humano. Nem sempre vamos sustentar todas as circunstâncias com leveza e isso faz parte do nosso aprendizado.

Mentimos também quando escolhemos não enxergar. Quando preferimos acreditar, por exemplo, que alguém gosta muito de nós, pois seria muito doloroso admitir que não. Passamos a enxergar sinais que comprovem nossa teoria e nos agarramos a eles com esperança juvenil. Fazemos isso, precisamos admitir.

Ser verdadeiro é uma virtude a ser conquistada. Se não puder ser com os outros, seja pelo menos com você mesmo. Tire as lentes do auto julgamento, que fica mais fácil admitir as nossas verdades. Por mais dolorosas ou embaraçosas que elas sejam.

Link: Os mentirosos

************

Ao ler esse texto, me lembrei de uma conversa que tive uma vez com alguns amigos e parentes no qual tocamos nesse assunto da FALTA DE EMPATIA das pessoas, juntamente com a CORRERIA da vida cotidiana.

Praticamente ninguém tem mais tempo para conversar abertamente sobre a vida. A vida corrida tem feito nossos relacionamentos interpessoais se tornarem rasos e frios.

Nessa conversa brincamos que, quando alguém chega perguntando: “Oi fulano? Está tudo bem?”. Já pergunta esperando a clássica resposta: “Sim! Está tudo bem!”.

Quando alguém, eventualmente diz: “Bem! Está mais ou menos! Estou triste com tal coisa, passei por uma experiência difícil semana passada etc. etc.”.

Nessa hora internamente vem aquele pensamento: “Meu Deus! Agora essa pessoa vai passar meia hora desabafando…”. E fazemos de tudo para desconversar e deixar a outra pessoa falando sozinha!

Isso lhe soa familiar? Será que você mesmo já não fez isso? Não se preocupe! Todos nós já fizemos isso em algum momento!

Quero com essa breve reflexão lhe levar a pensar com carinho sobre essas mentirinhas que contados para nós mesmos e para os outros e que você procure ser mais transparente com seus sentimentos! Não procure fingir que sempre está tudo bem, porque ninguém consegue estar bem 100% do tempo!

Não há problema em não estar bem! Desde que você não faça disso a regra da sua vida não é mesmo?

Para que você continue refletindo sobre essa temática tão importante, compartilho abaixo um breve áudio que gravei falando sobre tudo isso e um pouco mais. Nesse áudio eu fiz a leitura desse texto da Stéphanie e fiz uma reflexão a partir dele! Vale a pena reservar uns minutinhos para ouvi-lo! Paz e luz…

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized